GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Cientista da Nasa diz que vamos encontrar vida no espaço em até 30 anos

Por Fabio Marton Europa e a Terra, mostrando a quantidade de água em cada um [Crédito: Nasa] Anteontem (7 de abril), num painel de discussões em Washington, Ellen Stofan, cientista-chefe da Nasa, respondeu a um estudante que perguntou o que ela acredita que serão as descobertas mais excitantes nos próximos anos. “Vamos ser otimistas… ainda […]

Por Fabio Marton

terraa
Europa e a Terra, mostrando a quantidade de água em cada um [Crédito: Nasa]

Anteontem (7 de abril), num painel de discussões em Washington, Ellen Stofan, cientista-chefe da Nasa, respondeu a um estudante que perguntou o que ela acredita que serão as descobertas mais excitantes nos próximos anos.

“Vamos ser otimistas… ainda no período de nossas vidas, vamos descobrir que há vida em outros corpos celestiais do Sistema Solar, vamos descobrir as implicações disso para a evolução em nosso próprio mundo. Vamos achar planetas em volta de outras estrelas que poderemos dizer ‘encontramos sinais potenciais de habitabilidade em sua atmosfera’. Tudo isso vai acontecer nos próximos 20 a 30 anos”.

Em outras palavras, a descoberta da vida alienígena talvez chegue antes de pormos os pés em Marte. Assista ao vídeo do painel, a resposta de Ellen vem por por volta dos 36 minutos.

A razão de tanto otimismo é que, nos últimos anos, acabou provado que água não é rara, como se pensava antes. A Nasa até publicou um infográfico sobre a presença de água no Sistema Solar e a probabilidade de vida em cada corpo celeste. A obsessão por água, foi esclarecido no painel, é porque a vida na Terra, por bilhões de anos, era exclusiva dos mares.

Em fevereiro, a agência anunciou estar alocando 30 milhões de dólares para o planejamento de uma missão para Europa – que, como já vimos aqui, é um dos maiores candidatos à vida na vizinhança; A imagem acima mostra que ela tem de 2 a 3 vezes mais água que nosso planeta. A missão deve circular a lua de Júpiter 45 vezes, chegando a passar raspando, a meros 16 quilômetros de altitude. Isso pode abrir caminho para a missão que, por enquanto, é só um sonho: cavar um buraco no gelo e ver o que existe nos oceanos de Europa

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s