Pessoas legais ganham menos dinheiro

Por Atualizado em 10/05/2013

Esse mundo é mesmo muito injusto.

Pesquisadores canadenses e americanos analisaram três diferentes estudos, ao longo de 20 anos, com dados sobre profissão, salário e personalidade de 10 mil trabalhadores. Eles queriam descobrir se havia uma relação entre personalidade e ganhos financeiros. E, sim, existia, principalmente entre os homens: os chatos ganhavam, em média, 10 mil dólares a mais por ano – ou quase 20 mil reais (18% a mais que os legais).

Entre as mulheres, a diferença era um pouco menor. As chatas ganhavam quase 2 mil dólares a mais por ano, um extra de 5% no rendimento, em comparação com as mulheres boazinhas.

Segundo a pesquisa, os pontos para ser classificado como uma pessoa legal eram: gentileza, cooperação com outras pessoas e cordialidade.

E nem só os salários caem quando você é muito legal, as chances de ser contratado em um novo emprego despencam junto. Pois é. Os pesquisadores convidaram 460 estudantes para uma brincadeira. Eles teriam de definir quais eram os melhores candidatos para ganhar uma vaga fictícia de emprego. E mais uma vez os legais se deram mal: na maioria das vezes, os chatos foram escolhidos.

Os pesquisadores acreditam que pessoas agradáveis não batem o pé na hora de negociar salários mais altos – já os chatos não desistem. E para os homens ser legal estar “fora da conformidade com as expectativas de um comportamento masculino”.

Concorde ou não com a pesquisa, você já pode usar seu bom caráter como desculpa pela falta de grana.

Crédito da foto: flickr.com/cayusa

Leia também:
Homens sem grana preferem mulheres com peitos grandes
Pobres são mais gente boa
Gente rica é mais propensa a roubar doce de criança

  • Siqueira

    Muito interessante esse estudo, mostra muito bem a realidade. Eu sou uma pessoa que os outros consideram “bonzinho”. Por causa disso, alguns colegas meus que trabalham menos que eu ganham aproximadamente 15% a mais, sendo que temos a mesma função. Pra variar, fui promovido a gerente e duas semanas depois me remanejaram para minha antiga função (por quê, será?), porque fui …”bonzinho demais”… Outro exemplo interessante que tenho para relatar é quando eu estava no último ano do ensino médio. Estávamos estudando matemática financeira e a professora nos deu um trabalho para fazer, que consistia em projetar um negócio que quiséssemos, podia ser uma loja, supermercado, qualquer coisa. Na parte final do trabalho, ele pediu para que o líder do grupo escolhesse uma pessoa, que podia ser ou não do mesmo grupo, que acreditávamos ser a ideal para ilustrar a propaganda da empresa. E não é que eu escolhi a menina que todos consideravam a mais chata da sala. Minha professora me perguntou o porque da minha escolha e eu respondi que foi sua personalidade forte que me fez escolhê-la.

  • Luciana

    Na minha opinião, ser chato não significa ser mau-caráter. Acredito que o pessoal que só quer fazer “o social” ao invés de trabalhar, seja mal visto pelos colegas de trabalho. Mas não necessariamente pelos chefes. A reportagem está muito genérica nesse ponto.
    Pra finalizar, um CHUPA pros populares da escola. Huahuahuahia

  • Delano Pessoa

    Hora mas é claro, pra essas pessoas que vivem por dinheiro e status, a maioria queria que nem tivesse existido a abolição dos escravos, até hoje ainda reclamam dos direitos adquiridos pelas empregadas domésticas, e a Europa está afundada na resseção com índices de desempregos e suicídios nas alturas por conta da ganancia dos banqueiros absolutamente incessíveis acostumados a explorar os seres humanos indo e voltando.

  • Pedro

    kraka esse Adson Franca deve ser milionário…puta cara chatooo!! rsrs

  • Pedro

    kraka esse Adson Franca deve ser milionário…pulta cara chatooo!! rsrs

  • Adson Franca

    Acedito que esteja havendo uma confusão aqui entre ser assertivo e ser chato. A super esta colocando como sinônimos ambos. Mas não é. Faltou clareza. O primeiro é que impusiona um indivíduo bater pé firme ao pedir aumento.

  • http://www.locamob.com.br Sabrina

    “E para os homens ser legal estar “fora da conformidade com as expectativas de um comportamento masculino”.” What.
    Interessante essa pesquisa, mas os resultados eram esperados hahuashuas.

  • Raphael

    Ser chato não é ser mau caráter. Inclusive, a definição de bom e mau neste aspecto pouco faz sentido a meu ver, pois depende exclusivamente de padrões pessoais ou de determinados grupos sociais, mas que definitivamente não são globais.

  • osvaldo(LULA).

    Em primeiro lugar,as mulheres estão melhores do que os homens!Por outro lado é fato,aqueles que independente do gênero,que são mais ambiciosos,busca com mais determinação certos objetivos,sem uma análise do todo.Enquanto,que o legal ou bonzinho,busca mais o equilibrio….

  • alan kevedo

    Pronto. Agora fica esclarecido, de vez, aquela denúncia da FORBES, de que os pastores brasileiros estão ganhando “rios” de dinheiro. E, às vezes entrando naquele programa social do Supremo Tribunal Federal, conhecido pela “galera” como MINHA PENITENCIÁRIA, MINHA VIDA.

  • miguel

    é claro, pessoas sem ética nem principios fazem de ter dinheiro prioridade e não se importam com quem estão a magoar para lá chegar.

  • Henrique Mendes da Silva

    Agora eu descobri porque ganho tão pouco!
    Isso contradiz o fato que,as empresas estão em busca de pessoas que
    são sociáveis,isto é,legais.
    No meu caso,eu não preciso me “achar” legal,é pelo que as pessoas repetem sobre mim.
    Mas parece não ser o suficiente pra chefia,melhorar o meu salário..

  • Marcio

    Realmente ainda é assim em boa parte dos casos, mas é uma tendência que vem diminuindo ainda mais hoje em dia em que a colaboração, trabalho em equipe e outros valores humanos vem sendo mais valorizados. É importante que as pessoas não confundam ser bom (ético, humano, trabalhador) com ser bobo. No mais, as equipes se motivam mais se sao compostas de pessoas colaborativas e engajadas com objetivos em comum. O amadurecimento pessoal cuida de separar isso, de simplesmente ser “trouxa”.

  • http://leda.buchechon@gmail.com Leda Andria Guimarães

    Não posso discordar da pesquisa porque realmente, isso acontece.
    Eu já achava que não era pela parte da negociação, mas de que os malandrões (pela chatice ou mau caraterismo) seriam mais espertos na hora de passar a perna ou em se envolver em qualquer parada (como é na politicagem).

    Vou usar essa desculpa…hahahh!