Por Atualizado em 15/01/2013

Por Alexandre Versignassi e Felipe van Deursen

Perguntaram ao ganhador do Big Brother:

– E aí? O que você vai fazer com o seu milhão?

– Vou comprar um apartamento em Brasília.

– E com o resto?

– O resto eu financio pela Caixa!

Essa piada já rola há um tempo em Brasília. Mas serve em qualquer lugar. De 2008 para cá, só em São Paulo, os imóveis subiram 163%. R$ 1 milhão é o novo R$ 380 mil no Banco Imobiliário da vida real. O metro quadrado na capital paulista e no Rio já está entre os mais altos do mundo. Nos bairros ricos, então, haja Big Brother: um apartamento de 100 m² no Leblon custa a mesma coisa que um em Paris – R$ 2 milhões. E já começam a aparecer nos classificados coberturas de R$ 20, R$ 30 milhões.

Aqui embaixo, as leis não são diferentes. O Big Mac brasileiro é o quinto mais caro do mundo. Enquanto os moradores de Tóquio pagam R$ 7 por ele, nós gastamos R$ 11,25 – e olha que o Japão não é exatamente um país conhecido pelo baixo custo de vida. Em Paris, que também não está na lista das cidades mais baratas da Terra, você paga R$ 25 por uma coxa de pato. Isso no Chartier, um restaurante badalado do bairro mais fofo da cidade, Montmartre. Na nem tão fofa assim São Paulo, o mesmo pedaço de pato pode custar até R$ 70 – e não consta que o dono do restaurante pague ao pato para que ele venha voando de Montmartre até a Vila Madalena.

Com o frango é diferente: ele vai voando, sim. Boiando, na verdade – congelado dentro de um cargueiro, mas vai. Daqui até a Europa. O Brasil tem de frango quase o que a China tem de gente (1,26 bilhão, segundo o IBGE). É o maior exportador do mundo. Parte desse efetivo galináceo vai para a Alemanha após a morte. E alguns desses penados possivelmente acabam no Görlitzer Park, onde os berlinenses fazem fila para comprar pratinhos de halbHähnchen (meio frango). Custa R$ 9,50 lá, com batata frita. No Brasil é quase R$ 20. Sem batata frita.

———-

A íntegra desta reportagem virou um mini e-book, à venda na Amazon por R$ 2,25: http://www.amazon.com.br/Tudo-Custa-Caro-Brasil-ebook/dp/B00EKVPNZ2/ref=sr_1_1?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1376668589&sr=1-1&keywords=tudo+caro+brasil

  • Pingback: Why everything costs so much in Brazil – Crash()

    • Junior

      Fantástica a reportagem. Uma das não! A MELHOR reportagem que eu já li sobre inflação, negócios, área financeira, visão de mundo. Fantástica a reportagem. Assinei há tempos a Super Interessante e era fã. Depois dessa reportagem, não tem Veja, nem qualquer outra revista que tenha um texto tão bem redigido e tão fácil de se ler e entender. Direto e esclareceder. Simples e objetivo. Infelizmente o que me restou foi uma revolta de saber no país que vivo. Informação vale ouro.

      • http://uol.com.br Antonio Vicente de Lima

        Concordo plenamente Rogério!! Maravilhoso trabalho jornalístico! Linguagem simples, divertida e altamente didática.

        • Sérgio Sal

          Sem margem à dúvida: A melhor reportagem brasileira de todos os tempos, não somente acerca de economia, mas da cultura sócio-econômica do país. É de dar inveja a alguns e temor a uma imensa maioria; pena que grande parte de nossa douta população não ter acesso, digo, não ter afinidade às verdades nacionais!

        • Norran

          Matéria mega Interessante, adorei todo conteúdo.

    • Rogério

      Parabéns pela reportagem, a mais clara que já li sobre o problema economicos de nossas engrenagens.

      E o que acham, de se superar transformando esta informação em ação?

      Façam um canal, um banner especial, um formulário, qualquer coisa!! Que una estes leitores que estão curtindo, comentando, compartilhando a matéria para criar algo que incentive uma mudança no pais!

      Não dá para mudar tudo de uma vez, mas criem tópicos, vamos priorizar e cobrar ação do governo para cada item!

    • Alice Passos

      Parabéns pela matéria extremamente esclarecedora.

      Sou cantora, autônoma, e só o preço do frango da padaria na esquina da minha rua subiu 3 ou 4 vezes nesse 1 ano e meio que moro aqui. Tá muito difícil acompanhar a economia maluca brasileira e carioca. Aluguel então, nem preciso começar.

      Agora, e agora? O que dizem os que podem fazer a diferença?

      Obrigada,

      Alice.

      • Oquefazer

        Olá Alice, você tem razão: o que fazem os que podem decidir? Será que eles tem a Super como leitura?

        Parafraseando o artigo:
        “Para desatar o nó, economistas, políticos e empresários clamam pela reforma tributária.”

        Será?

        “Mas, se o governo e as empresas não colaborarem, investindo mais em produção e cortando tributos excessivos, não vai adiantar grande coisa. E vamos continuar enxergando os preços justos como uma atração turística do exterior.”

        Será?
        Vamos ver o dia que precisarem mais de comida que novos gadgets eletrônicos.
        Por quanto tempo nós sobrevivemos sem smartphone?
        Por quanto tempo nós sobrevivemos sem eletricidade?
        Agora, por quanto tempo nós sobrevivemos sem água e sem comida?

        Algum brasileiro se dispõe a mudar exatamente agora para o México, China, Índia, Rússia? Eu particularmente não :)

        P.S.: Dizem especialistas no assunto que almejar ser um país como os EUA não é sustentável. Não é possível um planeta Terra apenas de EUA. Se um país ganha é porque outro está perdendo. Assim a pergunta da Alice continua atual não só para nós, do Brasil, mas para todos os das demais nações:

        “O que dizem os que podem fazer a diferença?”

    • Cícero

      Super esclarecedor e muito bom o texto. Fiquei bastante chocado com cada parágrafo. Meus planos futuros agora são de morar no exterior. Se já era ruim viver com políticos corruptos, violência, pobreza, impostos absurdos, etc., imagina ainda ter que viver num País de pura exploração. O problema não era apenas os impostos, como eu imaginava. Para se ter noção, no Pão de Açúcar aqui perto de casa, o kg do pimentão vermelho está R$20,62!! Absurdo!! E o kg da maçã gala está R$6,99, outro absurdo…

    • Ronaldo

      O estranho não é o valor de tudo no Brasil. O estranho é todos, ou pelo menos a maioria, saberem disso mas, ainda assim, continuar a aceitar essa palhaçada que vem se arrastando por aqui durante décadas. Como? Comprando e, implicitamente, aceitando qualquer valor que impõem.

      É o que eu sempre escrevo em uma situação dessas: BOICOTE. A única maneira de essa porcaria toda acabar é deixando de comprar. Assim, as empresas de produtos e serviços se mancarão, pois não venderão, obrigando a baixarem os preços, deixando-os mais justos e diminuindo os lucros das mercenárias.

  • Haroldo Lago

    O único segmento governamental que é de fato eficiente é aquele que cobra do contribuinte muito mais do que ele pode pagar. Temos uma carga tributária que oscila entre 38 e 40%, e para piorar, TUDO é cobrado em cascata. A corrupção desenfreda consome cerca de 15% do que é arrecadado. Uma reforma tributária se faz premente e URGENTE, mas não podemos esperar isso de um sistema que penaliza os que não têm como sonegar. Não temos o ‘Custo Brasil’, temos o ‘Custo Governo’. Esse, é que temos que combater. O resto é balela!

  • Thalita

    Haroldo, de onde vem o dado de que 15% do que é arrecadado é consumido pela corrupção?

    • http://www.instacute.com Carlos

      “Leu na Veja” hahahahahaha

    • Fernando Pinheiro

      Thalita, esse dado está errado. A conta correta gira em torno de 1/3 do que é faturado se levar em consideração todo o tipo de fraude. Um contrato superfaturado que ninguém descobre teóricamente não é fraude. Ou seja, não está entrando nesses 15%… E isso acontece em TODAS as Cidades, Estados e é claro, nos Contratos feitos com a União. Todos os pagamentos que vão para ONGs criadas pra fazer falcatrua, toda vez que você vê um buraco sendo tapado em um asfalto, tem político ganhando dinheiro. Não fique feliz porque estão tapando o buraco, fique triste pq isso não precisaria acontecer se utilizassem um asfalto decente. Não usam pq se o fizerem vai demorar muito pra ter que arrumar e isso significa que vai demorar muito pra roubar denovo. Prazer, Brasil!

      • Edu

        Refazendo a pergunta da moça, e de onde você tirou esse 1/3?

        • gugad2

          sou brasileiro e nao desisto nunca! 😀

        • http://super.abril.com.br/blogs/crash/pagina-exemplo/?replytocom=2862#respond Resumo da ópera

          A solução beira a utopia.
          Antes de mais nada, meus parabéns pela ótima reportagem!
          Porém, para que haja a reforma tributária, é necessária uma renovação política que só ocorreria com uma reeducação popular que, por sua vez, só acontecerá quando os atuais políticos quiserem. Enquanto o povo for burro e cego… (ter preguiça de ler essa matéria, por exemplo.)
          Quando uma geração for realmente educada, aí sim poderemos nos dar ao luxo de discutir impostos, melhorias e grandezas, comparando-nos à países em que a cultura é ser culto, não malandro.

        • Paulo T. Longue

          SÓ TENHO UMA DICA: QUEM PUDER, MUDE DO BRASIL JÁ!!! ESSE BARCO JÁ AFUNDOU FAZ TEMPO. CULPA DO PRÓPRIO POVO. DIZEM QUE BRASILEIRO É GUERREIRO, LUTADOR E NÃO DESISTE NUNCA. MENTIRAAAA!!!! QUER SER SEMPRE O MAIS ESPERTO, DAR GOLPE AQUI, ALI E TUDO MAIS. INFELIZMENTE ESSE PAÍS NÃO TEM JEITO, OU MELHOR, ATÉ TEM, SE JOGAREM UMA BOMBA E CONSTRUIR TUDO DE NOVO, COM O COMANDO DE UM NORTE AMERICANO. HAHAHA. É HUMILHANTE LER UMA MATÉRIA QUE NOS MOSTRA O QUANTO SOMOS ENGANADOS. TENHO VERGONHA DE TUDO ISSO, MAS, TENHO QUE SEGUIR O MEU BARCO. QUANDO DER, SAIREI DAQUI PARA OUTRO PAÍS. AFINAL, SABE QUANDO FICARÁ BOM??? QUANDO VC SAIR PARA OUTRO LUGAR, DAI A COISA MELHORA PRA VC QUE FOI. PENSE NISSO.

  • Juan Pablo

    Excelente matéria. Agora fico mais “aliviado” em saber como é possível pagar mais (muito mais) por um carro nacional do que os mexicanos pagam pelo mesmo carro lá. (saindo daqui)

  • Cristina

    Excelente, Alexandre e Felipe.
    Compartilhei com muitos estrangeiros que estão expatriados no Brasil e com brasileiros que voltaram recentemente e estão numa fase de readaptação!

  • http://www.instacute.com Carlos

    Legal a matéria, imparcial.
    Faltou dizer que os empresários não investem o dinheiro em meios de produção pois como no Brasil a taxa de juros é muito alta o retorno é maior e mais fácil se aplicado no mercado financeiro…

  • Naldo

    Espetacular a reportagem… parabéns pela matéria! Infelizmente nosso cenário poderia ser pelo menos uns 30% melhor mas isso não vai acontecer por aqui e muito menos em 20 anos… o sistema é falido!

  • Pingback: Anônimo()

  • Carlos JSB

    Cara, esse é definitivamente o melhor texto financeiro e a melhor visão de realidade econômica brasileira que eu já li. Pena que não há em nosso governo pessoas com essa inteligência. Há anos temos presidentes, governadores – e demais políticos – ignorantes, desmotivados e corruptos. O jeito é não cair nessa onda, fazer o melhor que puder e tentar contagiar as pessoas próximas, para, pelo menos, harmonizar um pouco. Dessa forma, pelo menos, em uns 1000 anos a coisa melhora um pouco.

  • Alice

    Excelente texto, muito didático!
    O Brasil, para variar, peca pela falta de investimento e planejamento. Estamos sempre atrasados.
    Não acho que a China seja uma referência em relação ao preço de mercadorias e serviços, porque não dá para competir com um país que não tem direitos trabalhistas e cresce à custa de mão-de-obra escrava. Infelizmente a maioria dos países, a título de exemplo os EUA, fabrica a maioria de seus produtos na China para baratear a mão-de-obra e poder lucrar mais, mesmo vendendo mais barato. No entanto, no Brasil, esses mesmos produtos, provenientes da China, Índia, são mais caros para os brasileiros, a não ser que o comerciante não pague os tributos e venda os famosos ‘produtos pirateados’.

  • Alice

    Quero apenas fazer 2 correções:
    1) CSLL(Contribuição Social sobre Lucro Líquido) é um tributo e não um imposto;
    2) Dom (título honorífico) é grafado com inicial maiúscula.

    • Bruto

      Prezada Alice,
      Leia sobre pentapartite, ou quintepartite, descobrirá que tributo são: Impostos, taxas, contribuição de melhoria, contribuiçoes especias e empréstimo compulsório.Sendo assim, a CSLL é um Imposto não vinculado, cujo fato gerador é a obtenção do lucro apurado. Abs.

      Bruto.

    • Alexandre Versignassi

      Valeu pela observação, Alice.
      Abs!

  • Marcello

    Parabéns Alexandre pelo excelente texto!
    Tirando minha revolta odiosa com nosso país(devido a tudo isso que voce citou), esse é um dos melhores textos que li, não só sobre o assunto, mas muito divertido e facil de entender!!!
    Obs:Tomei a liberdade de colar esse link no meu Facebook, e tambem curto e jogo muito pebolim!!!kkkkk

  • Alice

    Gostaria de corrigir mais um erro:
    INSS = Instituto Nacional do Seguro Social (e não da Seguridade Social).

    • Gabriel

      Aline, Seguridade Social é relativo ao Cofins no texto e não explicando o que significa INSS.

    • Ricardo Ranghora

      Uma reportagem tao esclarecedora e de alto nivel destas, e me aparece a Dona Alice preocupada em corrigir “besteiras”. Bem tipico de alguns brasileiros. Concentre-se no conteudo!

  • Bruno

    Bem sou um português que vive em São Paulo, e de facto a primeira coisa que salta à vista é o preço exorbitante dos produtos aqui, quaisquer que eles sejam.

    A mim a analise parece totalmente correta, é uma mistura do preço elevado da logística e transporte, conjuntamente com impostos muito elevados, e com lucros exorbitantes das empresas.

    Por exemplo na Faria Lima existe uma padaria que pratica uns preços que me parecem correctos, tendo em conta localização, dimensão e apresentação da loja, qualidade do produto vendido, foi dos poucos locais no Brasil onde encontrei uma padaria que pratica preços iguais aos de Portugal, em tudo o resto, os preços são superiores aqui do que em Portugal. E olhem que portugal não é exemplo para ninguém devido aos impostos altos, e infelizmente cada vez mais altos. Mas em Portugal por norma as margens de lucro são inferiores às Brasileiras, com excepção na energia.

    • Pedro

      Boas Bruno, também sou Português e estou no Brasil a 3 anos, concordo com o que falaste, amo o Brasil de paixão mas fico chocado com a falta de investimento no Pais, infraestruturas deficientes e principalmente uma falta de investimento na área que sem duvida seria o ponto de partida da mudança, a educação, fruto talvez de muita falta de cultura politica que permita ao povo exigir mais do seu estado, o Brasil vive um momento inigualável de se tornar uma verdadeira potência mundial. Da experiência que tenho aqui acho difícil que algo mude nos próximos 10 anos, com muita tristeza, a minha esposa e brasileira e os meus filhos têm dupla nacionalidade, será uma mudança lenta e não culpemos o estado pois o estado e a imagem do seu povo. Não muito diferente de Portugal onde se permitiu durante muitos anos erros inaceitáveis e dos quais pagamos hoje um preço muito alto. Hoje para mim com uma família de 4 pessoas torna-se quase insuportável viver no Brasil com preços tão altos.

  • Junior

    tb joguei no meu Facebook pra todo mundo ler. Tem que ser disseminado esse texto.

  • GuiL

    Resumindo: brasileiro é babaca. Paga caro pra mostrar pros outros que é fodão, achando que é o espertão (o sempre jeito malandro brasileiro), mas na realidade não tem nada de malandro, é só um otário pagando o triplo pela mesma coisa. Se boicotassem o consumo interno, em poucos meses o preço se reajustava para a realidade mundial. Ai, ao invés de pagar 60 mil num honda Civic.. pagaria por um Camaro! Só que não… brasileiro pode morar de aluguel, não ter reboco na parede… mas vai querer andar de iphone e achar q tem carrão. Porém, o otário nem sabe q esse tal CARRÃO é só carrão aqui … como eh o caso das roupas da Zara mencionado no post (ou os retardados pagando caro em roupa da Hollister… em New York e Orlando por exemplo quase ninguem usa Hollister… se ver alguém de Hollister eh brasileiro! Saiu daqui o carro e a roupa dele é algo simples… coisa de gente simples. Se todo mundo sabotasse o consumo, os preços caíam e em menos de 1 ano o imbecil poderia comprar algo muito melhor com a mesma grana. Porém… como eu disse, brasileiro eh muito otário =D

  • Leigo

    Aos entendidos, e como nós brasileiros leigos podemos mudar? Digo, quais atitudes podemos tomar “individualmente” para mudar isso? Acho interessante ninguém ter comentado isso… Só estou dizendo…

    • outro leigo

      Para começar poderiamos não comprar algo que achassemos caro, não comer em restaurante que cobra demais, não trocar de carro todo ano.

      Depois, poderiamos nos organizar em associações de moradores, ONGs, institutos, partidos políticos e solicitar mudanças, começando pelo vereador/ deputado/ senador/ prefeito/ governador/ presidente que votamos mas não nos limitando apenas aos que votamos, mas a todos.

      Mudar nossas atitudes também seria bom. Estudar mais, ler mais, ver menos TV, menos cinema burro, mais peças de teatro, mais museus, mais arte. Não ouvir ou valorizar musicas leklek e BBBs. Começar a guardar uma parte do que ganhamos todo mês seria bom, e entender que ao colocar esse dinheiro em um banco A ou banco B, o banco estará fazendo mais dinheiro para ele com o seu dinheiro, então exigir melhores condições de retorno desta aplicação.

      Na hora de trocar de aluguel, não aceitar preços exorbitantes. Simplesmente não aceitar. Visitei mais de 30 imóveis para conseguir achar o meu, a um preço justo e muito abaixo do que os corretores estão achando razoável.

      Uma última coisa para terminar este longo comentário seria sair às ruas. Facebook não faz milagre. Nem mesmo na ‘revolução’ egipcia o Facebook sozinho retirou o ditador do poder. As pessoas se organizaram virtualmente mas foram nas Praças todos os dias exigir o que queriam.

      Também sou leigo, mas acho que algumas das coisas que propus ajudariam o nosso país.

      • Rafael

        Comentário irretocável este do “outro leigo”. Concordo com suas propostas, voltadas para o indivíduo e o cidadão que somos cada um de nós: aprimorar-se intelectualmente e praticar a cidadania.

  • http://twitter.com/haredes Hernandez Felipe Arêdes

    Enquanto o governo mantiver impostos excruciantes e complexos, além de manter um protecionismo para nossas empresas arcaicas que se sentem confortáveis com tecnologias dos tempos do império sem concorrência externa, teremos esse mesmo quadro para sempre.
    Mas para mudar tudo isso, nosso governo teria de trabalhar de verdade, e isso dá um trabalho…

  • Gabriel

    Matéria sensacional. Texto fácil de entender e até divertido, apesar de contar a triste história do nosso pais… Se metade da população brasileira dedicasse 15 minutos para ler e compreender a fundo esse texto, nao haveria uma Copa do Mundo no ano que vem. É revoltante pensar que todo esse atraso e burocracia só encobre o mal que gira em torno das instituições brasileiras: a corrupção! O exemplo do asfalto é perfeito: utiliza-se o material mais vagabundo que existe, pelo maior preco que se pode cobrar. Assim daqui a pouco tempo sera possível roubar novamente. Coloque isso em grande escala e terá u a visão ampla do que acontece no Brasil em praticamente todos os setores. E a solução? Bom, melhor deixar para a proxima geração, afinal o Brasil é o pais do futuro, certo?

  • Marcio

    Texto excelente e muito didático, até para leigos – com a triste exceção dos nossos milhões de analfabetos funcionais. Só faltou explicar porque nos cobram tantos impostos, já que uma ninharia é investida. E a resposta é simples: porque nossos governantes (federais, estaduais e municipais) ou são incompetentes ou desonestos, em enorme maioria. E os poucos que fogem à essa regra se deparam com legislativos (de novo, federais, estaduais e municipais) venais e corporativos. Resultado: quase toda a montanha de dinheiro que nos cobram de impostos – e que fazem tudo aqui ser mais caro – dá apenas para pagar funcionários incompetentes, aposentadorias injustas e os 20% dos intermediários.

    • Heloísa

      Super interessante! Clara, objetiva e despretensiosa.

  • Alan Gabriel

    A melhor matéria que posso ter lido sobre tais temas abordados. Parabéns à equipe

  • http://produtosarrasadores.wordpress.com Rômulo

    Numa linguagem bastante atraente para o tamanho do texto, conseguindo manter o leitor preso sem ficar cansado, a SUPER conseguiu descrever muito bem o problema dos preços exorbitantes no nosso país.

    Essa informação tem que ser espalhada e o povo deve tomar consciência disso. É possível melhorar só em nós mesmos evitando comprar absurdos.

    Parabéns!

  • Erika

    legal

  • Erika

    Texto sobre economia. Muito bom

  • Riccardo Carvalho

    Parabéns não só pela quantidade de informações como pela forma didática de apresentá-las. Texto sensacional. Uma pena que não podemos colocar sob a mesa de cada responsável pelo sistema tributário brasileiro com o carimbo “material urgente”.

  • Alvaro

    A questão é simples, temos um abismo social e queremos manter essa diferença, mas somos tão, tão estúpidos, que fazemos inveja com um carro que na Europa é carro de estudante e nos EUA é carro de empregado domestico. O demais é consequência dessa diferença em que o abismo salarial do nível gerencial é de 5 vezes o salario do seu funcionário logo abaixo, se chefe da seção ganha 2 o gerente ganha 10, somente para justificar o Status do cargo. e magina bairro planejados para ter varias classes sociais, prefiro morar em um Residencial no meio da estrada em SP e pegar 1:30 de transito a ter que morar num bairro que mora o meu subordinado.

  • A. Upriver

    Ainda que abrangente e ponderado, o artigo peca por omissões que, se existentes, comprometem sua imparcialidade, principalmente do ponto de vista da boa teoria econômica. São algumas delas:
    – Impossível e até mesmo tendencioso falar-se de custo Brasil sem mencionar o custo do trabalho no Brasil. Não apenas nos aspectos fiscais da tributação incidente sobre a contratação, mas também pelo risco inerente a nossa justiça trabalhista e sua perene atuação assimétrica. Isso sem contar riscos de regulação tais como legislação ambiental restringente, licenças de funcionamento em estados e municípios aleatórias e imprevisíveis, ameaças a direitos adquiridos (como ocorre agora no setor da mineração), e por aí vai.
    – Margem de lucro é o retorno ao capital do risco sobre a oportunidade. Onde o risco é maior, o retorno também deve ser; se não for assim, o capital vota com os pés e vai para outro lugar. Num país com sistema tributário mercurial, risco trabalhista constante, risco de regulação imenso e inflação em patamar ainda alto, colocar a culpa da margem de lucro alta na ganância do investidor é jogar para a torcida (dos reacionários econômicos). Interessante seria comparar a situação dos investimentos feitos por brasileiros no Brasil e dos mesmos em países da África como Angola ou Moçambique. Os segundos aparentemente crescem. Existiria outra razão senão uma avaliação de risco distinta?
    – Ainda assim, margens de lucro excessivas só existem em ambientes de monopólio/oligopólio. Em livre competição, sem exceção, ou caem-se preços ou aumenta-se a produtividade/valor agregado. Se os restaurantes de São Paulo cobram preços estratosféricos, porque as kombis de almoço, tão charmosas em vários países do mundo todo, não se multiplicam? Se o problema dos preços dos carros é o custo Brasil, porque as fabricantes não importam os carros de fora (produzidos a custos mais baixos) e vendem no Brasil por uma margem de lucro ainda maior? Porque a regulação impede que assim se faça, não é mesmo? A kombi só pode funcionar com alvará da prefeitura; a importação de produtos industrializados, automóveis em particular, é praticamente proibitiva. Não é possível falar de investimento no Brasil sem se mencionar as condições que usualmente se estabelecem entre governos e conglomerados: o “rent-seeking”, a garantia de alguma condição monopolística que impede a competição em mercados específicos.
    – Afirmar que a construção no Brasil não se desenvolve para uma absorção maior de pré-moldados por falta de interesse em investimentos carece de embasamento teórico e objetivo. Em tese, para o construtor ou incorporador faz mais sentido investir em métodos de construção mais rápidos e que demandem menos mão-de-obra: quanto mais cedo ocorre a realização do retorno, maior o valor presente líquido do empreendimento; quanto menos mão de obra, menos custo e risco. Se o investidor é movido pela ganância, faz muito mais sentido investir do que colocar o retorno no proverbial colchão, seja ele mais uma cobertura ou mais uma Ferrari. Na verdade, é muito mais razoável imaginar que o investidor hipotético não investe na fábrica de pré-moldados porque tal investimento significa a imobilização de seu patrimônio, o qual fica muito mais exposto aos riscos todos descritos acima e no próprio artigo. Este imobilizado tem muito menos liquidez que uma cobertura ou uma Ferrari. A estratégia de saída é mais limitada. E o nosso investidor hipotético tem pouca confiança no cenário macro-econômico e regulatório. Está errado? Talvez, mas sendo ele quem arca com as conseqüências de eventual erro ( e não os acadêmicos), quem pode culpá-los?

    No mais, ótimo artigo, merecendo um tira-teima para ficar melhor ainda.

    • Frederico Luna

      Fico feliz em saber que há no mundo outras pessoas que realmente entendem de economia. Parabéns A. Upriver, você é quem deveria ter escrito a matéria.

    • http://www.facebook.comdiogocosmo Diogo

      Esse A. Uper falou tudo… além desses problemas falado na matéria, existe ainda os riscos devido às regulamentações e a justiça assimétrica, que muitas vezes dão a causa pra questões absurdas e até contra a lei.

      Afinal, isso acontece cm outras questões, como militante LGBT, por exmeplo, conheço casos de juizes que negaram a adoção de criança à um homossexual (por este motivo), mesmo a Constituição dando o direito, forçando-o a recorrer ao TSJ pra isso…

      E não duvido que ocorra em outras áreas.

      Talvez explica porque no Brasil é o campeão da expeculação imobiliária…. Se você não for vitima do MST, o investimento mais certo é ter um terreno e deixar “criando mato”.

  • http://blog.thiagorodrigo.com.br/ Thiago Rodrigo Alves Carneiro

    O melhor texto que já li sobre economia e investimentos, esclarecendo muitas coisas que sempre tive dúvidas. Bem humorado, irônico, didático e sincero, assim como a Super.
    Vou compartilhar o link no meu blog.

  • Alex Rodrigues

    Ler o artigo é uma coisa.. ir até a China e presenciar como um pais se organiza é que deixa mesmo a gente com vontade de chorar. Estive por lá em 2009 e fora do eixo Beijing – Shanghai – Hong Kong, fui para o miolo da China: Chengdu (mesmo tamanho de Sampa), não tem turismo lá, a não ser interno. É a 4 ou 5 cidade em população da China, nem eles sabem exatamente, tal o crescimento… estive em apartamentos populares (tipo Cingapura)..o acabamento na alvenaria aqui seria considerado luxo! Isso sem falar no tamanho: 3 dormitórios em 120 a 170 m2. É mole?
    Em 2009, quando estive por lá, a cidade estava a um ano construindo sua primeira linha de metrô, ano passado (2012) já estavam inaugurando a segunda! Só vendo para crer. As principais avenidas não tem cruzamentos, como Brasília, vale notar que Chengdu não foi “projetada” dessa forma mesmo porque tem 3000 anos de idade (e nunca trocou de nome!). Jornalistas que vão a China insistem em ir até o Wangfujing Nankou para comer escorpiões e passar a ideia que os chineses se alimentem basicamente dessas “iguarias” nojentas ou nas Hutong antiquíssimos bairros de Beijing hoje tombados onde os banheiros são públicos por falta de encanamento de esgoto. Ninguém mostra a China moderna, onde a despesa com celular por ANO de um cidadão chinês comum não passa de R$ 20,00 por exemplo… ou as instalações de uma escola publica…

  • Guilherme

    Nos deveriamos ficar irritados com nos mesmos, por permitirmos que muitas coisas absurdas acontecam nesse pais… se tudo isso ocorre, eh porque permitimos… na verdade, o problema do brasil eh o brasileiro… o nosso DNA nos condena… eh problema eh cultural, e mudar a cultura de um pais….

  • Pingback: [WALLTEXT_MOB] Custo Brasil melhor explicado()

  • https://www.facebook.com/photo.php?fbid=591588980852532&set=a.465226543488777.111456.100000043052383&type=1&theater Tatiana Madsen

    Vejam esse exemplo. De fato, o nosso Guaraná sai mais caro para um brasileiro que para um americano. Realmente credito que brasileiro gosta de ostentar mais do que pode e não tem a cultura do gastar bem e melhor. Senão, não permitiríamos esse ‘Custo Brasil’ (custo impostos, custo corrupção, custo falta de planejamento-logística, entre outros). Aqui nos EUA, antes de você pagar seus impostos você pode abater seus gastos, isso evita o efeito cascata. Aqui também você não paga imposto antes de produzir ou vender alguma coisa. A facilidade de investimento facilita a expansão. As pessoas não precisam viver aglomeradas nos grandes centros porque existem lojas com tudo que elas necessitam mais próximos de casa. E assim um País cresce e as pessoas vivem melhor. Precisamos urgentemente de uma reforma tributaria decente (não adianta despir um santo para vestir outro, como o Governo Federal faz com os impostos extrafiscais) e nosso super competente Governo Federal (que fica com mais de 60% da arrecadação) precisa parar de investir errado, sem cair em lobbys da Copa e do pré-sal (este último é uma balela por sinal). E esse investir errado independe de partido político. Mas quem fiscaliza os gastos do Governo Federal??? Deveria ser principalmente eles (o Congresso Nacional). Há, mas desculpem, eles gastam praticamente todo seu tempo preocupados em se reelegerem, ou elegerem seus correlegionários em todas as esferas do poder. SIM! TEMOS QUE ACABAR COM A REELEIÇÃO NO LEGISLATIVO URGENTE! Ninguém fala disso. Só lemos sobre soluções falaciosas. Não é o único, mas este já é um primeiro passo para uma mudança efetiva nas entranhas do poder do nosso País. Se eles lá em cima não mudam nunca, como queremos que nosso País mude para melhor algum dia?

    • http://marilisafio@gmail.com Marilisa Fiorani

      Excelente reportagem e muito didatica tambem para a facil compreensao da situacao economica do Brasil atual, alem de bem humorada num assunto tenebroso :) Mesmo residindo no exterior, acompanho muito de perto esses aspectos economicos. E fico muito indignada quando tomo conhecimento dos precos loucos do Brasil. O Brasil ja esta praticando e vivenciando os precos da Europa, alias, maiores do que os das Europa. Exemplo: mao-de-obra de empregada domestica (ja nao sei o que eh isso ha 7 anos!), roupas, carros, alimentacao … E, os europeus, mesmo tendo toda a assistencia do governo como, saude e escola gratuitas, boas estradas, seguranca … reclamam dos impostos que pagam. Mal sabem eles a outra realidade! A Europa esta na maior crise de desemprego e nem por isso a violencia aumentou, pelo contrario, diminuiu de acordo com algumas estatisticas aqui na UK. Muitos tem vontade de ir para a Copa, mas devido ao alto custo de vida e a falta de seguranca, estao pensando duas vezes antes de se decidirem. Isso eh triste de ver, pois o Brasil, um pais com pessoas, paisagens e comidas fantasticas, tem tao pouco a oferecer ao seu proprio povo. Enquanto nao se mudar a cultura da politicagem, da falta de carater dos governantes, da ganancia dos bancos, o Brasil nao ira ter um desenvolvimento economico saudavel.

    • http://gamecursos.com.br Éderson Cássio

      Sabe que eu penso a mesma coisa? É meio difícil o povo brasileiro se unir e decidir uma grande parcela, EM CONJUNTO, barrar a reentrada de Genoínos e Marcos Felicianos da vida no NOSSO Congresso.

  • Julio

    Nossa! Que angústia.

    Se cada setor fizer a sua parte e os consumidores a deles, talvez possamos colher esses frutos ainda nesta encarnação.

  • Dom com maiúscula

    Excelente matéria, realmente muito bem explicado e com uma fluidez de texto sensacional! Parabéns! No começo da matéria, quando se analisa por que o PIB do Brasil cresceu, a explicação tucana que atribui tudo à sorte não é bem a mais correta, porque:

    1) O país cresceu sim pelo aumento de preço das commodities, mas também porque cumpriu metas fiscais de redução da dívida, porque honrou pagamentos e mostrou ser uma democracia sólida, inclusive quando o sapo barbudo que ia fazer a revolução foi democraticamente eleito e mostrou-se responsável. Isso tudo atraiu uma enxurrada de investimentos estrangeiros, é só olhar o IED do período para ver.

    2) Outro ponto fundamental foi a força do mercado interno, que teve como fator importante os programas de distribuição de renda, que tanta gente abomina. O Bolsa Família ajudou os mais pobres, mas também beneficiou o industrial de Fortaleza que vendeu mais farinha e o a fábrica de cimento do interior de São Paulo, que vendeu mais para as famílias da periferia subirem um andar na laje. Aliás, não é totalmente verdade que o brasileiro só consome. Boa parte desse dinheiro é usado para iniciativas de empreendedorismo, que geram renda definitiva e tiram famílias da pobreza. Os filhos dessas famílias foram fazer uma faculdade particular de segunda linha, com dinheiro do Por-Uni, e conseguiram um emprego que paga o dobro do que ganham os pais. É inegável que milhões de pessoas melhoraram de renda e isso não tem a ver só com o crédito que ficou mais fácil, tem a ver principalmente com políticas sociais.

    3) Miriam Leitão que não nos ouça, mas o gasto público ajudou enormemente a fazer esse PIB crescer bastante. O gasto público tem um lado perverso, que a Globo e a Abril sempre lembram, mas tem um lado positivíssimo, o de fazer a economia girar.

    Portanto, o PT teve sorte, sim, mas também foi mais competente que o PSDB em fazer o país crescer e em incluir mais pessoas. Imagine se o partido não fosse corrupto, que beleza de governo seria!

  • http://www.budaguibariu.blogspot.com Filipe de Souza

    Caros Alexandre e Felipe,

    Como vão?

    Primeiramente gostaria de parabenizá-los pelo texto. O contraste entre o endereçamento das barreiras fiscais e humor foi grandioso e faz o texto único.

    Criei um blog há pouco mais de um ano e, por vezes, escrevo sobre economia mas minha especialidade, se é que posso dizer isso, é criticar a cultura brasileira de forma prolixa, principalmente a classe “educada”. Como você deve saber melhor do que eu, textos sobre economia não atraem os leitores já que grande parte deles (as) acha “chato”.

    Uma das coisas que estresso no blog é que boa parte dos “job generators” no país são desonestos, sonegando impostos, se envolvendo em escândalos relacionados a contratos públicos e culpando o Governo Federal por tudo. A estratégia retórica – mesmo sendo válida – é sempre “fiscal”, onde parece que os empresários estão passando por dificuldades mesmo morando no Jardins ou Leblon. Costumo dizer que o “Lucro Brasil” é o mais alto no mundo – a Fiat (e montadoras diversas) que o diga!

    Nos últimos anos, vemos o governo se movimentando para gerar empregos e aumentar o consumo ao desonerar a folha de pagamento, criar programas de investimento para pequenas, médias e grandes empresas e, claro, o perdão de certos impostos para indústrias que ajudam no crescimento da economia e empregam milhares. O problema, além do setor público, é o brasileiro, já que, de fato, boa parte do capital gerado (ou economizado) por essas iniciativas acaba indo diretamente para os bolsos dos investidores e donos de empresas, já que o que interessa para eles é lucro meteórico – preparação da mão de obra, investimento em inovação e tecnologia para aumento de produção e mais qualidade dos produtos que se danem! O que vale é investir em imóveis, barcos, birita e mulheres.

    * Algo notável no mercado imobiliário também é que o boom dos preços também se dá por brasileiros ricos, que tem um portfolio bastante abrangente, investirem demasiadamente em imóveis com o intuito de conseguir lucro rápido, o que aconteceu – é como se fosse o “ouro brasileiro”. Eles usam sua influência, o que ajuda na especulação criminosa que há. Outro fator é o capital especulativo advindo do exterior que, acredito eu, começará a sair do país depois da Copa e Olimpíadas, o que deve regularizar ainda mais os preços.

    Tomei a liberdade de enviar (via e-mail) alguns textos escritos por mim de diferentes localidades – acompanho o que acontece no Brasil independente de estar na América do Norte, Europa, América Latina ou Ásia. Infelizmente, boa parte dos brazucas que estão fora não querem saber o que acontece no Brasil ou no país que vivem – o que interessa é estar de barriga cheia, tomar uma e tirar onda com quem mora em território brasileiro.

    ** E, para os “chatos” de plantão, mesmo não sendo a melhor referência gramatical, se você escrever “INSS” no Google, a opção “Seguridade” vai aparecer. Postei recentemente no Blog do Camarotti um comentário semelhante (como leitor), quando uma brasileira estava revoltada por Camarotti ter escrito mandaTO e não mandaDO. Um cidadão escreveu que tinha “vergonha do jornalismo brasileiro”. Como assim? E os “corregedores” não cometem erros? A cidadã, que deve ser formada em Direito, acho que seria mais interessante ver sua atuação e atuação de seus colegas do que de ficar corrigindo um erro (que foi corrigido rapidamente) mínimo – difícil é encontrar ética e valores no meio jurídico brasileiro.

  • Josué

    Entendo que um texto tenha que ser leve – e o artigo está bem escrito. Mas TODAS as frases precisam ter uma piadinha?

  • Dom com maiúscula

    Versi, queria parabenizar você especificamente por falar do Lucro Brasil. Eu comecei a ler com preconceito, quando li o título da matéria, porque pensei: lá vem o blablablá dos impostos altos e confusos, o impostômetro da Associação Comercial e o o quadro que mostra quando do que a gente consome é imposto. As matérias convenientemente esquecem que as margens de lucro, em muitos casos, são bem mais altas no Brasil do que lá fora. Veja as matérias da Exame entre 2008 e 2010. Umas 30 empresas declararam que o Brasil salvou-as de um ano calamitoso. Não só porque o mundo ía mal, mas porque no Brasil elas ganham muito bem pelo que vendem. Os altos executivos brasileiros ganham mais do que os de qualquer lugar do mundo e as filiais aqui remetem muito dinheiro para fora.Se fosse verdade que produzir aqui é tão penoso e caro, não tinha tanta empresa atrás desse mercado, iam todos investir só na China, na Índia e no Chile, que é tão exemplar, segundo Veja, Globo e afins. Uma amiga que trabalha na LVHM, um conglomerado de luxo que tem marcas como a Louis Vuitton, contou que a filial brasileira vive propondo redução de custos a um patamar equivalente ao dos preços na Europa, mas a matriz francesa não quer. No Brasil, nossa política é manter o preço inacessível, eles dizem. Tem gente que paga, afinal…vc fez muito bem em abordar os bancos também!! O spread aqui é mesmo pornográfico. Uma vez, em uma entrevista, um economista conhecido que fala pela Febraban foi apertado para responder se o spread no Brasil se deve só à inadimplência. Quando os números já tinham provado que a conta não fecha, ele disse assim “bem, mas eu não ponho a arma na cabeça de ninguém e obrigo a pessoa a tomar empréstimo”. Ou seja, os caras sabem que podem cobrar muito, muito caro pelo dinheiro, porque é um cartel, todo mundo cobra uma exorbitância. Aí quando o BB tenta forçar uma redução, chove artigo do tiozão que falou que cabra não pode casar, dizendo que o Estado está expandindo seus tentáculos. É claro que está, quando o mercado burla as regras da competição, com um cartel, é hora de o Estado agir! Enfim, obrigado por levar esses pontos em consideração na sua matéria!

    • Rafael

      Oi, Dom, confirmando suas constatações, lembro que li na Folha há algumas semanas, que o “Pão de Açúcar” (não me lembro se todo o Grupo ou apenas o Supermercado),obteve um lucro trimestral 75% (setenta e cinco porcento!!!) superior ao trimestre anterior. Lembro ainda que o “Pão de Açúcar” pertence hoje ao Grupo francês CASINO, que o comprou baratinho, devido à grande crise do varejo brasileiro ocorrida entre 1998 e 2003, ocasionada pela penúria financeira da imensa massa de consumidores desempregados nessa época, revertida com as várias “melhorias” (desenvolvimento econômico, empregos, aumentos reais dos salários, medidas assistencialistas de redistribuição de renda) que geraram o hoje pujante mercado interno brasileiro, tão cobiçado por todas as empresas do mundo e que minoraram os efeitos desta trágica crise mundial que vem desde 2008.

  • Eu mesmo

    Versi, queria parabenizar você especificamente por falar do Lucro Brasil. Eu comecei a ler com preconceito, quando li o título da matéria, porque pensei: lá vem o blablablá dos impostos altos, o impostômetro da Associação Comercial e o o quadro que mostra quanto do que a gente consome é imposto. As matérias convenientemente esquecem que as margens de lucro, em muitos casos, são bem mais altas no Brasil do que lá fora. Veja as matérias da Exame entre 2008 e 2010. Umas 30 empresas declararam que o Brasil salvou-as de um ano calamitoso. Não só porque o mundo ía mal, mas porque no Brasil elas ganham muito bem pelo que vendem. Os altos executivos brasileiros ganham mais do que os de qualquer lugar do mundo e as filiais aqui remetem muito dinheiro para fora.Se fosse verdade que produzir aqui é tão penoso e caro, não tinha tanta empresa atrás desse mercado, iam todos investir só na China, na Índia e no Chile, que é tão exemplar, segundo Veja, Globo e afins. Uma amiga que trabalha na LVHM, um conglomerado de luxo que tem marcas como a Louis Vuitton, contou que a filial brasileira vive propondo redução de custos a um patamar equivalente ao dos preços na Europa, mas a matriz francesa não quer. No Brasil, nossa política é manter o preço inacessível, eles dizem. Tem gente que paga, afinal…vc fez muito bem em abordar os bancos também!! O spread aqui é mesmo pornográfico. Uma vez, em uma entrevista, um economista conhecido que fala pela Febraban foi apertado para responder se o spread no Brasil se deve só à inadimplência. Quando os números já tinham provado que a conta não fecha, ele disse assim “bem, mas eu não ponho a arma na cabeça de ninguém e obrigo a pessoa a tomar empréstimo”. Ou seja, os caras sabem que podem cobrar muito, muito caro pelo dinheiro, porque é um cartel, todo mundo cobra uma exorbitância. Aí quando o BB tenta forçar uma redução, chove artigo dizendo que o Estado está expandindo seus tentáculos. É claro que está, quando o mercado burla as regras da competição, com um cartel, é hora de o Estado agir! Essa, aliás, é a regra que os capitalistas deveriam defender, a de que o Estado aja a favor da competição real. Enfim, obrigado por levar esses pontos em consideração na sua matéria!

  • Pato de paris

    Muitos consideram o bairro mais “fofo” de Paris o triângulo de ouro (8ème), onde o pato é vendido a mais de R$150, bem mais caro que os R$70 de São Paulo.
    Meus amigos que visitam Paris se surpreendem como supermercado custa carissimo : 1kg de carne é mais de R$60,00 podendo chegar a R$120,00 para quem compra filé.

    De qualquer forma, excelente reportagem, se o ritmo continuar assim, o Brasil sera em breve o pais mais caro do mundo.

    • Alexandre Versignassi

      Oi, Alexandre. A Paris de classe média é bem mais em conta que a Paris milionária, onde uma porção de caviar não sai por menos de R$ 3 mil. Mas aí o assunto já é outro.
      Seja como for, acho que está na hora de uma matéria sobre esse mundo, o das coisas INACREDITAVELMENTE caras.
      Abs

    • Camilla

      Mas se você for comparar o preço de tudo, uma das pouquissimas coisas mais caras na Europa que no Brasil é justamente a carne de gado

  • Eduardo

    Vale uma reportagem para tentar “mostrar” aonde chegam os impostos no brasil..

  • Djalma

    É simples, NÃO COMPRE! Quero ver se não vão baixar os preços! O Americano boicota quando se sente prejudicado, e funciona! O brasileiro bobao compra em 12x “sem juros” e acha q esta no lucro!

  • Júlio Leal

    O Brasil está seguindo o mesmo rumo dos países que afundaram quando a bolha imobiliária estourou. Aqui na Espanha os efeitos são os piores possíveis, desde desemprego, evasão de mão de obra qualificada, aumento de impostos e da violência urbana, entre outras coisas. Espero que até lá, no Brasil, ALGO OCORRA para mudar o rumo desta locomotiva ensandecida que avança velozmente rumo a um tenebroso precipício…

  • Pedro Ivo

    Parabéns pelo texto, bastante didático.

  • Albano

    Excelente Texto !!!! Parabéns para Alexandre Versignassi e Felipe van Deursen.
    Como é bom saber também que há pessoas esclarecidas como o Fernando Pinheiro, a Alice, e os demais que fizeram seus comentários. É por isso que ainda sou otimista, mas com essa roubalheira no Brasil a situação é revoltante e o futuro deste país é incerto …

  • Fernando

    Um outro motivo que estimula o preço do veículo aqui ser mais alto, é compensar o custo do produto exportado (por um menor valor do que é vendido aqui) pelo do importado (acrescentando valor nele). Ex: o Brasil exporta 2 gols (37 mil sem os imposto) que no México serão vendidos por 46 com imposto, em contrapartida, trás de lá um Jetta que lá custa os 29 mil sem impostos e vende aqui por 65 mil com impostos. O valor que ela perde na venda do gol (9 mil) ela recupera na compra do jetta pois sendo fabricado no Brasil o custo do carro seria em torno de 40 mil.

  • João José de Oliveira Negrão

    Boa matéria. Mas creio que faltou falar das políticas econômicas adotadas. Boa parte do sistema ferroviário – que já não era lá grande coisa – simplesmente foi a pique depois da privatização. No mesmo período (Sarney, Collor/Itamar e FHC), de política econômica deliberadamente recessiva, praticamente não houve política imobiliária, agigantando o déficit habitacional, seja o das classes populares, seja o dos setores médios. E não sei se o Gustavo Loyola, um dos FHC boys responsáveis pela recessão – assim como o Maílson da Nóbrega, sob cuja gestão como czar da economia brasileira a inflação chegou a 89% AO MÊS – merecem ainda figurar como fontes em matérias de jornalismo econômico que queira ser sério. A ideia do “Lucro Brasil” (taxas bem elevadas) é interessante e desmascara certos mitos.

    • Jorge Caldeira

      Oito anos de governo Lula, quase três anos de governo Dilma e o senhor ainda vem falar de FHC?
      Se o que foi feito pelo FHC foi tão ruim, porque tanto Lula quanto Dilma – que tiveram e ainda tem – as maiores bancadas no Congresso Nacional, não fizeram nada contra isso??

      Esse fla-flu político chega às raias do absurdo. Ou da burrice.

    • Luiz Carlos

      Amigo, acho sua memória um pouco curta ou talvez tenha faltado a algumas aulas de história contemporânea. Em nenhum mês após 1994 (era FHC) houve inflação de 89%.
      Além do mais, antes de 1994 viviamos num pais sem perspectiva nenhuma e sem condições de pegar US$ 1,00 emprestado no FMI. Graças a política monetária implantada naquela epóca, hoje os milhonários brasileiros podem comprar apartamentos de 45m2 por R$220mil.

      • Alexandre Versignassi

        A matéria não diz esse absurdo. Não diz que após julho de 1994 ouve inflação de 89% ao mês.

  • Ramico

    A França conseguiu resolver o problema com a guilhotina.
    Não tem outra maneira ou vocês acham que a turma no poder, quer consertar alguma coisa?

  • José

    Sem dúvida é um texto bastante elucidativo para muitos, embora penso que algumas informações fazem parte do censo comum e deveriam ser (mas infelizmente não o são) do conhecimento da maioria dos brasileiros, principalmente na hora de fechar um crediário (vide ex.: do transporte de bens por rodovias em detrimento do custo x benefício de um transporte por ferrovia ou mesmo hidrovia) e seu impacto para a economia de um país. Retornei há pouco depois de alguns anos de estudo em um país europeu e senti na pele a diferença do poder de compra dos consumidores de lá (mesmo com toda a crise) na hora de adquirir um produto qualquer quando o assunto é tributação (já que este foi o assunto dominante no texto). No caso dos benefícios que são gerados para a população de alguns países daquele continente (na saúde, educação, infra estrutura de transporte, segurança, etc.) por conta dos tributos que ela paga, aí seria covardia fazer qualquer comparação com a realidade brasileira e o seu famigerado “custo Brasil”…

  • João

    Excelente texto! Sou economista e não tenho mais como concordar com o que foi escrito.
    Não sou ingênuo de pensar que nosso problema é incompetência política, acredito em má-fé dos representantes do povo, e ignorância popular na escolha destes.

  • Sergio Silva

    Uma coisa importante a ser reforçada é o fato do Brasil ter uma peculiaridade que é a estatização dos investimentos e a privatização dos lucros.

  • http://naotem Pedro Luiz

    tudo isso para explicar?

    no brasil tudo é caro porque o povo paga.

    só por isso.

  • eduardo

    Os empresários não investem porque são protegidos por barreiras tarifárias e logísticas, que impedem a entrada de concorrentes importados. Assim, não precisam buscar eficiência. O comércio exterior brasileiro (importação + exportação), como proporção do PIB, é menor do que o de Cuba!!! O Brasil é um dos países que menos importa no mundo. Essas barreiras garantem a eles lucros gordos e fáceis. Garantem a nós, consumidores, os preços mais altos do mundo. E garantem ao governo federal as doações para campanha dos setores a serem protegidos.

  • JP

    Vergonha de ser brasileiro…

  • Maria

    algumas coisas são bem relativas, né? apartamentão nos Jardins tem um preço, mas vc tb pode comprar um castelo, uma fazenda, uma vila, pelos mesmos valores citados nos exemplos europeus, no interior do Brasil… e qto ao apto em Manhattan? Façamos o exercício de comparar o preço de um apto no ponto mais barato da Zona Sul carioca ao mais caro da ilha new yorker… Saiu uma matéria parecida nO Globo há uns meses, comparando o preço do croissant no Leblon com o dos lugares que mais vendem croissants na França… é claro q vai ser mais caro! Tentem comparar o preço do acarajé numa barraquinha de Salvador com o acarajé vendido num restaurante baiano em Manhattan, qual vai ser mais caro, o do local tradicional, com farta mão de obra especializada em fazê-lo e farta oferta de ingredientes ou no restaurante que só homenageia a culinária brasileira??

  • Davi

    texto muito bom, “preço justo como atração turística do exterior” é uma realidade, é de assustar, viajar para o exterior deixou de ser um luxo, o que se gasta nessas viagens é mais barato do que viajar pelo Brasil, e se descontarmos a hospedagem, sai mais barato do que ficar em casa.

  • http://quemsabedia.blogspot.com.br/ Álvaro

    Em resumo, o que todos sabem: tudo é caro no Brasil porque sempre tem quem pague.

    Mas, como também é típico no Brasil, para tudo joga-se a culpa no governo. Substituíram a justificativa dos impostos pela falácia do crédito farto.

    E por que falácia? Primeiro porque crédito no Brasil, apesar da melhora dos últimos anos, continua caríssimo e pouco acessível sob qualquer parâmetro civilizado. Segundo que o crédito já foi ainda pior e mesmo assim tudo também era caro – ou alguém achava justo pagar 15 mil dólares num Corsa ou 30 mil num Kadett?

  • André Vinícius Pedro

    Excelente matéria, uma ótima leitura pra quem quer entender o por que de tudo ser tão caro. Com certeza comprarei seu livro.

  • http://bcnop@hotmail.com Bruno

    Excelente texto, mas faltou o ponto crucial.

    O gasto governamental, que realmente explica a grande parte destes problemas.
    O problema mais grave não é a arrecadação de 40% do PIB e nem sua complicação, e sim que este dinheiro vai para o ralo, pagamos estes impostos absurdos e não recebemos nada em troca. (Saúde / Educação / Estradas…). Se nos sobrassem o dinheiro do plano de saúde, da escola particular, do seguro e do concerto do carro por causa das estradas e roubo… teríamos como poupar mais, investir mais, crescer mais.

    Quanto ao lucro Brasil, entendo que como as coisas custam mais caras aqui do que lá fora, então o lucro em reais também tem que ser maior, as empresas também sentem o custo elevado na hora de comprar e investir.

  • Gustavo

    É! Está bem caro ser rico no Brasil…rs

    • jose wilson

      na verdade ser rico estar barato, caro estar para ser pobre, que tudo que ganha durante o mês não da nem pra pagar as contas. mas fora isso esse artigo é um portfólio de conhecimento maravilhoso, ele aborda varios temas em um só lugar, por tudo que esta escrito ai, nos leva a entender que o brasil não é o lugar certo para que deseja levar uma vida honestamente e com muito trabalho, mas se fora assim, porque tanta gente que vim morar no brasil?

  • Carlos Eduardo

    Excelente texto. Bem que seu livro poderia estar disponível em formato digital na Play Store.

    • Alexandre Versignassi

      Valeu, Carlos. Mas ele está na Play Store, não?
      Abs

  • Cristina Almeida Santos

    O Brasil vive uma grande especulação em todas as áreas.
    Os preços são altíssimos. E a quallidade? O que temos de melhor? Como anda a qualidade de vida dos brasileiros?
    O Brasil é o país das utopias.

  • Bruno

    O autor jogou toda a culpa dos preços altos na própria população brasileira e deixou de falar o mais importante de tudo que é o excesso de gasto público.
    Nem os preços nem a inflação seriam tão altos se o governo tivesse controlado os gastos nos últimos anos e promovido a liberalização comercial e regulatória.

    E mais, IR mais CSLL dá 34% e não 3,4% apenas sobre o lucro líquido.

    A culpa é muito mais do governo do que da população, porque em vez de promover investimento, o executivo abaixa impostos e a taxa de juro e estimula o consumo.

    Quase imposível o Brasil sai dessa situação com a equipe econômica atual

  • Tricolor dos Pampas

    Como diriam no seriado do Chapolim Colorado: ” E agora quem poderá nos defender???”. Falando serio. Desde inicio de 1990 tomei uma atitude. Anulo meu voto. É uma forma de protesto sem quebrar nada, sem matar ninguém ou explodir alguma coisa. Meu sonho é ver, enquanto essa “quadrilha de políticos”, “legisladores” não verem que estão acabando com o próprio pais onde nasceram, uma eleição cancelada, por unanimidade, por excesso de votos anulados. Mostrar inicialmente que não estamos contentes com o que fazem com leis que protegem bandidos, estupradores, assassinos. Mostrar que não aceitamos pagar muito barato a gasolina “pura” na Argentina e saber que essa gasolina saiu daqui do nosso país. É muito triste ver o empenho de vários setores do governo pra construir estadios, arrumar ruas, planejar para desafogar o transito, SÓ PARA ESTRANGEIROS , desembarcarem no NOSSO PAÍS e ver um ou outro jogo da copa. Chegaram ao ponto de multar alguem se for pego jogando lixo no chão no RJ e SP. Tudo isso , por que a imprensa de todo o mundo vai estar aqui, e certamente , vão mostrar o que temos de bom. mas tambem tudo de ruim que há por aqui. Somos um povo da PAZ, não entramos em conflito com ninguem para defender por um imposto mais juasto, uma educação mais digna, uma saude mais eficiente, etc.. Mas se chegarem a roubar um penalti do meu time favorito e na minha escola de samba, aí eu viro um bicho. Quebro tudo. Chego ao ponto de “MATAR” um torcedor do time adversário. Chego a invadir o local da apuração e rasgar os votos por não concordar com a pontuação. Resumindo: o Brasil começou errado, onde foram enviados para nossa colonização em meados de 1500 , somente bandidos e gente do mal da Europa. Não é de agora que levam nossas riquezam e ficamos de braços cruzados. Estamos trabalhando como escravos para outros paises. Vivemos num país corrupto e que para os outros somos o “PAÍS DO FUTURO”, futuro que nunca chega, pois a realidade é outra. CADA POVO TEM O GOVERNO QUE MEREÇE.

  • Gustavo

    A principal explicação para as margens cobradas pelos empresários serem tão altas é a falta de concorrência real ou potencial. Tal falta de concorrência é devida a políticas governamentais. Por exemplo, suponhamos que o governo decide que a tarifa de importação de determinado bem é de 30%. Se o produtor nacional tiver produtividade equivalente ao internacional, ele poderá colocar uma margem de 29% e ainda assim se ver livre de concorrência estrangeira. Se ele for menos eficiente terá que maneirar um pouquinho. Além disso, a burocracia e os custos financeiros de abrir uma nova empresa dificulta a entrada de novos competidores nacionais. Sabendo que nem estrangeiros nem empreendedores nacionais podem oferecer grande perigo a suas vendas, os oligopólios nacionais se sentem à vontade para fixar preços abusivos. Isso inclusive explica porque os carros nacionais são mais baratos no México. Quando as montadoras tentam vender seus carros lá, enfrentam uma feroz concorrência e acabam por baixar os preços. Se houvesse livre importação os preços dos produtos jamais poderiam passar de preço internacional+frete. Concluindo, não se deve pensar que isso é um erro de cálculo do governo, pelo menos não na questão do protecionismo. A ideia por trás da política de proteção é justamente aumentar margens de lucro a fim de estimular o investimento. Se os cidadãos tem alguma culpa em relação aos preços altos, essa culpa é de votar em políticos com ideias (ou interesses) protecionistas. Uma revista tão respeitada como a Super deveria começar o movimento pelo fim dos mitos economicamente infundamentados que surgiram recentemente em relação ao “lucro Brasil”.

  • Pingback: Caro x Barato | brasilidansk - Brasileira na Dinamarca()

  • http://cicnos@uol.com.br Alex Sredeil

    Por esses e outros motivos existem sites como packmule.it que estão revolucionando a forma como compramos e importamos produtos. A economia de colaboração é produto dessa loucura que é o preço Brasil.

  • Ricardo

    Tem um detalhe nisto tudo…o preço do pastel: 4,00 caray!!!!!!!!!!

  • Gabriel Alan

    O problema apontado pela matéria ao meu ponto de vista é a falta de investimentos pelos empresário sobre suas altas margens de lucro aqui no Brasil e a falta de insentivo à “órdem e progresso” pela população e principalmente pelo governo.

  • Rayner

    Só uma coisa a dizer…pobre de nós brasileiros.

  • Pedro Gomes e Souza Dabés

    Só faltou falar do “Custo Corrupção”…

  • Rafaela Marraschi

    Parabéns pela matéria, muito clara, objetiva e esclarecedora, a melhor sobre o assunto que li até hoje. Infelizmente retrata essa realidade muito cruel: como está caro viver no Brasil!

  • Roberta Brum

    Moro há 10 anos na Europa. Quando me mudei pra Londres, com a libra a 6 Reais, já era mais barato comprar roupa, sapatos, bolsas e celular por aqui (Nao era iphone, mas era Startak… ah big mac tb era mais barato)… Agora, entre o que eu “perco no cambio” e o caro que o país ficou, só dá mesmo pra pagar as férias no Brasil à base de levar muito iphone pra vender!!!! Jantar em um bom restaurante em Sao Paulo ou Rio é imensamente mais caro que na terra da Rainha, ou no EL BULI!!!
    Parabéns Alexandre pela excelente matéria. Há muito tempo nao lia um texto com tanta análise, dados, verdade e bom humor juntos! Você daria um ótimo cronista da crise européia…. Mas nem te conto: jornalista que vive aqui, como eu, já nao pode passar férias no Brasil!!! um abraço

  • Roberta Brum

    Moro há 10 anos na Europa. Quando me mudei pra Londres, com a libra a 6 Reais, já era mais barato comprar roupa, sapatos, bolsas e celular por aqui (Nao era iphone, mas era Startak… ah big mac tb era mais barato)… Agora, entre o que eu “perco no cambio” e o caro que o país ficou, só dá mesmo pra pagar as férias no Brasil à base de levar muito iphone pra vender!!!! Jantar em um bom restaurante em Sao Paulo ou Rio é imensamente mais caro que na terra da Rainha, ou no EL BULI.
    Parabéns Alexandre e Felipe pela excelente matéria. Há muito tempo nao lia um texto com tanta verdade e bom humor junto! Voces dariam ótimos cronista da crise européia…. Mas nem te conto: jornalista que vive aqui, como eu, já nao pode passar férias no Brasil!!!

  • http://livia_hoffmann@hotmail.com Livia Maria Hoffmann

    Brasil o país dos impostos e políticos corruptos

  • Fabio

    A situação é vergonhosa..
    Dá para mudar isso? Como mudar? Por onde começar?
    Alguém tem uma sugestão de artigo ou matéria que aborda possíveis soluções de forma realista?
    Abs,

  • Lilian Souza

    Discordo de algumas coisas. A política de crédito foi o principal fator de valorização imobiliária e da inflação. A economia está vulnerável sim, o preço das commodities vai cair e a base do nosso crescimento foi o crédito. Vejam no google o artigo As fragilidades das commodities brasileiras, do crédito e da especulação imobiliária..

  • http://juliomandai@gmail.com Julio

    Texto de fácil leitura e entendimento, o Alexandre tem a manha de escrever sobre economia e deixar o texto interessante para qualquer um.
    É realmente triste ver como estamos tão longe de alcançar um nível razoável para o desenvolvimento do nosso país, e ainda ter que ouvir políticos tentando dizer que está tudo bem.
    Já li o livro Crash e recomendo a todos, bastante contextualizado aos nossos temas atuais.

  • ana

    Muito boa a materia, mas pode explicar tbm porque de R$ 9,00 que pagava no ano passado pelo exemplar da super, hj está R$13,00??? Gente quase 50% de aumento, pra ficar informado não custa nada barato!

  • http://claroquepoggi.blogspot.com Rafael Poggi

    Perfeita a matéria. Pena que o brasileiro, quando lê, esquece o que leu, “desaprende”. Então vai continuar a comprar carro e apartamento (só para citar os bens mais caros) supervalorizados só para dizer que tem.

  • Rodrigo Teixeira

    Boa reportagem. O segredo principal então é nós consumidores não aceitarmos esses preços altos. Pois não aceitando tais valores, estaremos ao mesmo tempo dizendo aos empresários que não aceitamos pagar o lucro que eles querem e ao governo que não concordamos com a carga tributária excessiva sobre os produtos/serviços que consumimos, tendo em vista que não há qualidade nos serviços públicos oferecidos para nós.

  • José Carlos da Costa

    Nada tenho contra o humor, pelo contrário. Assim, o texto rola solto do começo ao fim. E de forma concatenada, unindo uma coisa em outra. E esse amontoado de “coisas” é o que, de fato, constitui a tal de economia real. Que vai bem por um lado, mas que, do outro, apunhala as costas de segmentos importantes da sociedade. Desta última facção, obviamente, governo e as antigamente chamadas classes dominantes não estão incluídos.
    Sim, mas como começar a enfrentar este estado de coisas? Como muitos expressaram, também penso que a educação financeira das pessoas é fundamental. E o cultivo de um sentido de contestação, de não aceitação do que nos é imposto (sic) goela abaixo, coisas como esse preço hilário do carro nacional, o imposto (tributo) diário, os serviços sociais que em troca nos são entregues e por aí vai. Consciência. Cidadania. Não vejo outro caminho.

  • http://SãoPaulo Chacal & Bladerunner

    Ou seja, nós brasileiros somos todos burros e explorados e continuamos a ser governados por ladrões ignorantes e parasitas. Quando estourar a “bolha imobiliária”, quando estourar a “bolha do crédito fácil”, ou quando a economia chinesa crescer menos, vamos regredir uns 30, 40 anos.

  • Antonio Zayat

    Muito bom!! O artigo é esclarecedor. É uma pena só que esse processo continua gerando uma das sociedades com a mais alta concentração de renda do mundo. A remuneração financeira nos anos de inflação enriqueceram muita gente e continua remunerando, atualmente, com as taxas de juros mais altas do mundo.
    Me parece que quem gasta os US$ 22 bi por ano no exterior são as mesmas pessoas.
    Abcs

  • lucimar

    Boa reportagem.Pagamos porque somos cordeiros,naõ discutimos e nem brigamos por nada.Pais belo,um povo maravilhoso.Mas a corrupção nos mata.

  • http://www.facebook.comdiogocosmo Diogo

    Acho que o problema não é só o imposto: é o retorno desse imposto!

    Na Suécia por exemplo, tem uma carga tributária maior que o Brasil, porém, lá você tem até internet banda-larga de graça, excelente serviço de saúde pública, educação, alimentação e moradia bancado pelo governo… afinal, é um dos top 5 IDH do mundo.

    Talvez o preço dos produtos não sejem dos melhortes também… mas a população vive bem, não tem fome, miséria, violência…

    Ao contrário do BRasil, você paga uma carga tributária a nível dos países escandinavos MAS NÃO TEM RETORNO.
    Ou quer dzier, você paga 40% de imposto: mas tem que comprar um carro porque o transporte público é ruim, tem que pagar plano de saúde, escola particular, colocar cercas elétricas… e mesmo assim ser assaltado nas ruas…

    Enquanto o sueco não: mesmo os suecos de classe média, colocam seus filhos na escola pública, usa transporte público, não tem medo de ser assaltado e se trata em hospitais públicos, usa internet pública, ganha comida do govenro, moradia, etc…

  • fernando albuquerque

    Genial a reportagem, em poucos parágrafos, destrinchou bem os maiores problemas do brasil.

  • Pingback: Por que tudo custa tão caro no Brasil | Blog do Boxixo()

  • Guilherme

    Parabéns pelo artigo! Excelente conteúdo e estilo agradável, fiquei interessado pelo livro também, ótima forma de divulgação. Abraço

  • http://www.diferencie-se.com.br Vanessa Versiani

    Excelente texto. Tudo no Brasil custa caro e as pessoas perdem a noção de valor, não pensam em custo x benefício na hora da compra, só em preço absoluto. E aí acham lindo e glamouroso vestir Zara, que usa de mão de obra escrava no Brasil para produzir parte das peças que vende.
    Para melhorar o país, precisamos consumir direito e também investir em qualificação profissional, em oferecer bons salários a quem busca aprimorar-se, valorizar profissionais que têm valor.

  • Marcus

    Informação de primeiríssima qualidade.
    Adorei entender o porque das coisas serem tão difíceis para nós brazucas.
    O problema e a solução estão aí, preto no branco. Basta o governo investir onde deve investir.

  • Gilson

    Brasil acorda para a realidade e so merda com merda, tem uma cara que já fala isso faz tempo assitam o canal do otário no youtube

  • rosenbauer

    É, acabei de chegar ao Brasil depois de anos no Japão, e realmente deu para constatar que o custo de vida aqui em São Paulo é exorbitantemente caro, afetando o poder de compra também.

    Gostaria de deixar registrado essa comparação só para termos noção do custo de vida em Tokyo, uma das cidades mais caras do mundo.

    Se fizéssemos de conta que 100 yen fosse 1 real:

    • uma pessoa ganha um salário entre 200,000 e 300,000 (2.000-3.00o reais) que é o que a vasta maioria recebe lá;
    • 1 litro de leite custa 130-180 yen (1,30-1,80 reais);
    • um almoço em horário comercial pode variar desde 600-1,200 yen (6,00-12,00 reais);
    • uma bicicleta básica com cestinha na frente, uns 15,000 yen (150 reais);
    • 1 garrafa pet de água, 150 yen (1,50 reais);
    • ingresso de cinema sem promoção: 1,800 yen (18 reais).
    • 1 latte no Starbucks, talvez uns 380 yen (3,80 reais)

    Corrupção também existe lá, como em qualquer parte do mundo mas acho que não tão descaradamente a ponto de prejudicar o custo de vida dos cidadãos de seu país.

    • Fernando Gama

      100 yen = 2 reais e não 1 real. Por isso, todas as contas estão erradas.

      • Alexandre Versignassi

        Oi, Fernando. As contas do Rosenbauer continuam fazendo sentido: as despesas dobram com o yen a R$2, mas o salário dobra tb. Nas contas dele, mesmo mudadas pelo yen a R$2, aparecem coisas como almoço a R$ 12, coisa que ficou rara por aqui.
        Abs

  • http://guigoecv@gmail.com Rodrigo

    Uma correção..
    “Por que não tem nada assim no Brasil, então? Porque os empresários e o governo gastam pouco para melhorar seus meios de produção, não investem o que poderiam em máquinas mais modernas e novas fábricas (como usinas de placas de concreto)”
    Na verdade o problema é tributário… Se você fizer a parede pré fabricada (numa linha de produção, como nos EUA) mesmo que o destino seja ao lado da fábrica, é aplicado uma carga tributária maior do que se essa parede fosse feita em obra… Então na ponta do lápis, o imposto tira a competitividade dos métodos modernos de fabricação.
    Porque se mistura cimento diretamente no caminhão betoneira? Porque o Brasil é o único país do mundo que faz isso? Porque se a mistura di concreto for na usina e depois despejado no caminhão betoneira, o imposto é muito maior… Para o estado é outro produto com impostos diferentes… Então o estado é culpado, ele quer que continuemos primitivos… Não os empresários

  • Fernando Gama

    Reportagem boa.

    Mas, dois detalhes para ficar perfeita.

    1) O banco pode vender o apartamento de R$ 380.000 por R$ 1 milhão, como disse o autor, mas o que exceder o valor da dívida deve ser devolvido ao mutuário inadimplente. É o famoso brocardo do Direito – “não se pode enriquecer sem causa˜. Se a dívida for de 190 mil e o imóvel de R$ 380 mil tiver sido vendido para liquidar a dívida por 1 milhão, ao banco caberá os 190 mil mas as despesas honorárias e de leilão e deverá receber a diferença, 800 mil.

    2) A diferença do Honda City não é só 6.500. Além de considerar os preços sem tributos, devemos pensar que há o custo do frete. Se for uns 3.000 por unidade, a diferença chegaria a quase 10.000 de lucro brasil. Ou 33% do preço do carro. Sem contar o ágio.

    • Alexandre Versignassi

      Oi, Fernando. Não é isso. Vai a resposta da Ana Carolina Salomão Queiroz, a advogada que eu consultei:

      “O imóvel financiado é a garantia real do próprio mútuo. O inadimplemento da obrigacão garantida (no caso o financiamento de imóvel) dá causa à execução da garantia (seja ela qual for, não necessariamente tem que ser o bem financiado, pode ser desde uma fiança ate outros bens, tem ate quem penhore safra futura pra garantir empréstimo pra aquisição de maquina de colheita),o que no caso concreto ensejará a transferência da propriedade do imóvel ao credor – que faz com ele o que bem entender, inclusive vender por 1 milhão.
      Enriquecimento sem causa não é isso. Enriquecimento sem causa eh por exemplo aceitar duas vezes o pagamento de um mesmo crédito. Ou seja, uma situação que gera a alguém uma riqueza injusta. Nada a ver com a situação do imóvel financiado dado em garantia. O cara correu o risco, tomou um calote, nao vejo enriquecimento sem causa.”

      Abraço

  • Marcus

    Que textaço, Versignassi!

    De longe o melhor que você escreveu aqui. Não é a toa que parece ter batido o recorde de comentários e provavelmente de leitores.

    Acho que já deu pra perceber que o mercado de informação econômica simples tá superaquecido, né!?

    Keep going!

  • Alan Paes

    É uma pena que que nós brasileiros nos contentamos com tão pouco, já são 10 anos de uma politica que empurra com a barriga e maquia a economia, enfia crédito na veia do povo, o dinheiro cada vez está mais caro os juros são incontroláveis e nos fazem reféns, muitas coisas precisão mudar como política tributária, taxa de juros, reformulação da balança comercial entre outras atitudes que podem fazer resultado apenas a longo prazo.

  • Pingback: Os carros no Custo Brasil « Datti()

  • Pingback: Os carros no Custo Brasil - O Carro Dela()

  • Bernardo

    Não há como deixar de parabenizar o autor do texto. Além de muito bem redigido, conseguiu pegar um tema complexo (economia, em geral) e transformar num adocicado aprendizado. Parabéns, amigo! Só faltou mencionar o dinheiro que gastamos em corrupção rs

  • Pingback: Por que tudo custa tão caro no Brasil | mais enredos...()

  • Leila Rodrigues

    Excelente matéria! Uma verdadeira aula de macro economia. Um país que gasta desenfreadamente sem saber com o quê. milhões de crianças em um parque de diversão, se esbaldando em guloseimas… essa é a realidade do nosso país. Não adianta aprender ganhar dinheiro se não aprendemos como gastá-lo. terminaremos pobres do mesmo jeito. para ficar melhor ainda a matéria, fechou com chave de ouro com a Mestra no assunto, Prof. Virene Matosco. Muito bom. Parabéns!

  • Washington

    Muito boa, didática e objetiva a reportagem. Parabéns.
    Achei que faltou apenas comentar mais sobre as causas do “Lucro Brasil”, principalmente a insegurança jurídica, tributária, trabalhista e econômica que faz com que empresários tenham que lucrar mais, pois nunca sabem o passivo que vai “aparecer” mês que vem.

  • http://www.vibramasshop.com Laura

    Dios mio! Sou brasileira, moro na Espanha, e relamente me assusta os preços no BR, tudo é muito caro, fico chocada. Tenho uma empresa, queriamos enviar ao BR, mas é impossivel, os impostos são absurdos, que nem pensar, não enviamos. Prefiro enviar a outros paises de AL ou de Europa, e mercado brasileiro fora. Além do que, pensava em morar no BR, mas o custo de vida é altissimo, vivo super tranquila no centro de BCN (que é cara), ñ preciso de carro, uso transporte público, tenho segurança, tenho acesso a saúde pública, a lazer…..e me assusta pensar em voltar ao BR. Pra ter isso, necessitaria muito mais dinheiro o que tenho hoje. 😉

  • Pingback: Os cinco melhores trechos da matéria “Por que tudo custa tão caro no Brasil”, da Superinteressante | RemoveWAT SP1()

  • Marcelo Santos

    Sensacional artigo! Já colei o link no face. Agora, vem a pergunta do milhão: como mudar isso, como reverter?

    O que podemos fazer a respeito?

  • antonio licio

    mas aqu nós “temos” que pagar algumas contas tais como:
    1) mensalão;
    2) salarios astronomicos para os funciionarios do Legislativo;
    3) R$5.000 / mes para um soldado da`PM em Brasilia;
    4)construir termeletricas porque as hidreletricas são “proibidas” pelos ambientalistas
    5)fazer uma ferrovia de 1000 km em 25 anos( Norte-Sul) de tanto pagar propinas a seus “donos” maranhenses
    6) “investir” R$15 bilhões em estadios que ficarão desertos no pós-copa, enquanto as ferrovias, hidrovias e portos claudicam
    ACORDA BRASIL !

  • Marco Antonio

    A reportagem é uma fotografia do nosso cenário histórico e atual. Sensacional!

  • http://www.miamihoje.com Cesar Barroso

    Artigo feito por gente inteligente, que não tem medo de meter a mão na chaga. Brasileiro, jornalista, moro há muitos anos em Miami, e posso ver daqui, de longe, como é verdadeira a afirmação da vaidade acima de tudo dos brasileiros.
    Parabéns, Alexandre e Felipe.
    Abraço,
    Cesar Barroso

  • Bruno

    É isso aí. Ta tudo muito caro mesmo.

  • Doutor Manuel Joaquim

    Crédito fácil é um déja-vu. Isso é Portugal à 10 anos atrás. Em 2023 o Brasil vai ter de reestruturar a dívida como aconteceu aqui.

  • JTiburski

    Realmente é muito bom ver a quantidade de comentários nesta pagína. Porém o mais importante é verificar que a discução nestes comentários são construtívas.
    E acrescentando:
    “O Brasil é o país do futuro” Chega né? Vamos parar de postergar essa balela, porque como da para se entender neste artigo, esta frase esta ajudando e muito os governos desonestes e ineficientes, assim como os lobistas, os parasítas e nossos políticos (se é assim que se podem achar representantes de eles mesmos) desonestos.
    Parabéns pelos comentários! E vamos compartilhar este artigo!

  • http://www.miamihoje.com Cesar Barroso

    Caros Alexandre e Felipe,
    Texto excelente, ideias concatenadas de forma clara e concisa. Parabéns pelo artigo.
    O óbvio, que economistas de qualidade vêm apontando há décadas, é que não se aproveita o momento propício para se investir em infra-estrutura. Não apenas não se constroem novas ferrovias, mas muitas delas foram destruídas na década de 70, trilhos arrancados para serem vendidos em ferro-velhos. Infra-estrutura faria o Brasil bom para todos, mas os que se alimentam nos esquemas de corrupção não precisam de infra-estrutura – para eles está muito bom do jeito que está.
    Abraço,
    Cesar Barroso

  • Ivan

    A estrutura do prédio chinês é toda de aço. É mais barato e rápido pra levantar, mas a manutenção daquilo é muito mais cara. Aquela estrutura, do jeito que foi feita é praticamente impossível de manter. Depois do fim da vida útil, ou mesmo antes, é bom sair daquele prédio MESMO. A cura do concreto continua sempre, e com o passar do tempo, ele fica mais duro, se foi bem feito. Então, do jeito que foi feito, em 15 dias aquele prédio chinês não é exemplo. O resto, eu concordo.
    Imposto é alto ? Com certeza. Mas aí existem vários deputados que são eleitos por empresários por que não mudam o perfil de imposto de “sobre consumo”para sobre “lucro” ? É assim que funciona nos EUA onde a carga tributária é similar a nossa mas sobre os ganhos, não sobre consumo.
    O brasileiro sempre foi acostumado com preço alto, sempre, desde sempre. Ele não paga mais barato porque não pode, não existe concorrência. Em todos os setores no Brasil o que mandam são grande cartéis, sempre foi.
    As revistas impressas, por exemplo, se pagam só com os anunciantes. Por que não dão descontos na assinatura anual ? Normalmente , um exemplar é vendido a preço de banca. Casa de ferreiro, espeto de pau.
    Reportagem superficial e tendenciosa.

  • Gumercindo Vieira

    ótima reportagem, mas o autor viajou legal no preço do Galaxy SIII, jamais que você paga o equivalente a 650,00 lá fora, há não ser com contrato, mas ai não tem como comparar….

  • Pedro

    Muito bom o texto, parabéns. Informativo, divertido e sem agenda política por trás. E fico feliz de ver que alguns comentários ao artigo acrescentam alguma coisa, o que tem sido cada vez mais raro na internet.

  • Claudio pegoli

    Ja vi este mesmo consumismo desenfreado aqui em Portugal no começo dos anos 2000. Qualquer um comprava casa nesta época. Agora estão devolvendo tudo pros bancos. No Brasil hoje em dia qualquer um compra casa e terreno em 25 anos pra pagar. Se algum dia quebrar a economia como na Europa, vai ser um “Deus nos acuda”. E o Goldman Sachs vai voltar a lucrar milhões……

  • Gisele Oliveira

    Parabéns pela matéria Alexandre, você foi claro e objetivo ao explicar nossa realidade econômica.

  • MarcioAB

    O nome disso é TOLERANCIA. Temos um altissimo grau de tolerancia. Somos bonzinhos (a maioria). Para mudar isso é necessario vir uma geracao com tolerancia ZERO e bem mais inteligente. Naturalmente o pau vai quebrar, quebrar feio, mas é dificil sair dessa sem passar por isso … boa sorte a todos.

  • http://www.conjuntura.uff.br Rodrigo Fernandes

    Enquanto isso nosso governo gasta equivalente a 21% do PIB, infelizmente não em investimento e sim em gastos correntes, enquanto isso temos filas nos portos aumentando ainda mais os custos, é parece que gostamos de ser o país do futuro….

  • Francis

    Eu sou norteamericano residente em Brasil já nove anos. Em Estados Unidos, compramos qualquer ferramenta que facilite e da rapidez ao trabalho. Mas, em Brasil tem muitos pedreiros sem furadeira, que nunca tornaram um parafuso com máquina elétrica. Claro, o trabalho demorra mais.

    Só agora, na construção de lojas, estão começando em Brasil usar “sheet rock” (folhas duras de gesso prefabricado) em vez de tijolos e reboco.

    Mas, NÃO é mais em conta construir casa em Estados Unidos. Só profissionais com muito grana guardada podem sonhar com a construção de uma casa propria nos Estados Unidos. A mão de obra do eletricista para construir casa em Estados Unidos custa uns dez vezes mais do que salário mínimo. Então como um operário vai pagar isso?

    Uma simples cozinha em Estados Unidos custa a partir de vinte mil reais, com pedreiro, electricista, pintor, e canalização de agua. Aqui, o mesmo cara faz tudo e pode demorrar mais sai bem mais em conta.

    Prefiero Brazil. Em Brazil, pessoas com pouco (por exemplo operários) podem construir uma casa propria. Lá, nem pensar.

    • Oquefazer

      Olá Francis, tudo bem?

      Muito interessante o seu ponto de vista e sua opinião.
      Ela é muito semelhante a de muitos outros estrangeiros que buscam asilo em nosso país.
      Mais SUPER Interessante ainda é como ninguém notou o seu comentário até o momento.
      O maior problema mesmo será a imigração quando ela se voltar para o nosso país.
      Será o segundo descobrimento do país: descobriremos o quão bom é morar aqui.

  • http://www.questoaudio.com.br Renato Yamane

    Esqueceram de um detalhe:

    Ao exportar um produto (como um carro) a empresa pode se enquadrar no regime de DRAWBACK, no qual o governo isenta a empresa de alguns impostos.

    Isso faz com que o produto exportado seja mais barato no exterior.

    Att,
    Renato Yamane

  • Maba

    Tudo que foi dito, pela matéria ou pelas opiniões, chegamos a conclusão que nosso Brasil pode entrar num parafuso e afundar qualquer hora.
    O Brasileiro tem que mudar urgente. Nossa política esta errada, temos que começar a mudar o mais depressa possível. Não dá para continuar as coisas do jeito que estão!!!!!!!!!!
    Todos temos que assumir postura de fazer e exigir mudanças urgente!!!!!!!!!!!

  • http://mobground.net Thiago Chaves

    Parabéns e obrigado por esse excelente matéria, caras. Muita informação regada a um humor bem distribuído.

  • Amaury

    A culpa é do PT,esse partido canalha, que dizia que iria resolver todos os problemas do Brasil. 12 anos e nada! 12 anos! Canalhas!

  • Thiago

    Excelente matéria!

  • Marcos

    Devemos mudar hábitos:
    Compartilho uma ideia bem difundia. NÃO COMPREM CARRO ZERO!!!!
    A economia JUSTA agradece e seu bolso também. Se o carro é imprescindível em sua vida, compre um usado, caso não seja, busque outras formas de locomoção.

  • Luciano

    Resumindo somos completamente medíocres.

  • Fabricio Carvalho

    Texto excelente!
    Didático, inteligente e real.
    Porém já passou da hora de partirmos para atitudes que nos façam sair dessa situação.
    Ideias concretas, que não dependam tanto dos nossos governantes…essa de “a corrupção tem de acabar” já faz tempo que dissemos e nada mudou…temos de fazer algo novo…iniciativas como aquela das redes sociais, que colocavam na internet os lugares que cobram preços exorbitantes…temos de forçar alguma coisa…
    ACORDA BRASIL

  • Edmara

    Reforma tributária. Há pelo menos trinta anos ouço discussoes sobre o assunto, sem que nada seja feito. Falta vontade política. O Brasil é um país onde nada funciona sem uma “caixinha”. Se voce quer ganhar uma licitação, tem que pagar uma parte da bolada para o sujieto que aprova o contrato, e para o sujeito que executa o contrato, e para o sujeito que paga o contrato, e por aí vai… A CPMF foi criado e foi paga por nós para que o governo tivesse caixa para investir na saúde pública. Trilhões foram arrecadados, e nada foi investido. A saúde continua sucateada, e o dinheiro sumiu pelo ralo. Nós, brasileiros, pagamos essa conta e não cobramos nada! Absolutamente nada! Com a graça de Deus a taxa era por prazo determinado, e o LULA, embora tenha tentado, não conseguiu prorrogar a cobrança. Ou estariamos ate hoje pagando a CPMF sem reclamar nem receber nada em troca. , como acontece com o IPVA, PEDÁGIOS, MULTAS, e outros impostos que pagamos e que deviam ir para as nossas estradas (em petição de miséria) e para a malha viária dos estados (em situação precaríssima!). Posso sitar aqui outros inumeros impostos e taxas como IPTU, IR, e outros mais, que são arrecadados pelos governos sem serem revertido para a finalidade a que se propõe. Muito, mas muito mais do que os miseros 1/3 citados por alguns leitores cai no ralo da corrupção, sem que esses LADRÕES do povo sejam molestados. Infelizmente o Brasil, que tem potencial e recursos para ser uma nação do primeiro mundo vai acabar engortando o rol dos países do terceiros mundo unica e exclusivamente pelo mal que o assola desde o império: a CORRUPÇÃO. Não vivemos uma democracia, vivemos uma ditadura. A ditadura da corrupção do poderes públicos. Enquanto isso não mudar, enquanto o povo não protestar e parar de consumir descontroladamente, isso não vai acabar. Há pouco ouvi de novo a velha história da nota fiscal discriminada, com o valor da mercadoria e o valor dos impostos cobrados em separado. Claro que isso não vai acontecer nunca no nosso país. Porque abrir os olhos do povo, educar o povo, melhorar de verdade a condição do povo não interessa, nem ao governo do PT, nem a governo nenhum. Tenho alguma esperança ainda na MARINA SILVA, e nos seus seguidores. E no ministro Joaquim Barbosa, que está tentando desesperadamente moralizar o Judiciário. Um pequeno passo, mas quem sabe o primeiro para a total moralização dos três poderes do nosso país!

  • http://guims.net Guilherme

    Faz sentido falar “os empresários querem lucrar demais”? Todos nós não queremos lucrar o máximo possível? Se os brasileiros compram tantos carros, que motivação teriam as montadoras a abaixar o lucro delas?

    • Alexandre Versignassi

      Concordo. As pessoas lucram o que é possível lucrar. E isso é ótimo para a economia. O problema, no caso dos automóveis, foi o fato de as montadoras terem convencido o governo ter matado a concorrência com os chineses no momento em que ela estava nascendo.
      Abs

  • Marco

    Ótima matéria , e o anuncio nas redes é, um governo para todos, nesse caso 1/3 do governo já seria mais que suficiente para todos…

  • http://fmpait.blogspot.com F Pait

    Explicação perfeitamente incorreta. Todos estes custos Brasil explicam porque a produtividade do trabalho e renda do capital são baixas: porque existem entraves à produção, e porque a produção industrial paga impostos que sustentam uma série de serviços, podemos dizer que alguns desejáveis socialmente, outros não.

    Isso não tem relação ABSOLUTAMENTE NENHUMA com os preços relativos, ligados ao câmbio. O real brasileiro está valorizado porque há oportunidades de investimento no Brasil e há poucos investimentos bem remunerados nos países ricos. O fluxo de capitais valoriza o real, até que um ponto de equilíbrio seja alcançado. Esse equilíbrio envolve importações pelos brasileiros, então os preços no Brasil ficam maiores.

    A TREMENDA CONFUSÃO que o texto monta entre produtividade e câmbio é sim um problema, porque quando as pessoas não entendem a economia, propiciam o desperdício. Diga-se de passagem que o desentendimento sobre economia das otoridades brasileiras hoje só é superado pelo desentendimento das otoridades europeias, que no momento é muito mais profundo e está criando na Europa a possibilidade de um risco muito maior.

    • Alexandre Versignassi

      O ponto da matéria foi justamente relacionar preços relativos a câmbio com baixa produtividade. A maior parte dos leitores não achou isso confuso depois de ler.
      Abs

  • Gisele

    Excelente matéria, uma das melhores que já li, e infelizmente é verdade o que está nela…..

  • tiago oliveira

    excelente reportagem, sintetizou a parafernalha que é a economia brasileira

  • José Eduardo Guimarães Medeiros

    Achei o texto tendencioso demais. É muito exemplo para pouco conceito. Além disso, ele não enxerga nada de bom no Brasil atual. Ele poderia ter citado algumas coisas boas, pelo menos para fingir que é um texto imparcial. Parece até que ele foi escrito na década de 80, quando, com a licença da palavra, o país estava realmente uma merda. Naquela época, ninguém construía nada, os engenheiros trabalhavam como bancários (na melhor das hipóteses), a inflação era de 200% ao ano, pelo menos, e algumas dezenas de milhares de pessoas morriam de fome todos os anos.
    Antigamente, quando Nova Iorque era a cidade mais cara do mundo, ninguém atribuía esse fato a um gravíssimo problema econômico pelo qual passava os Estados Unidos. Diziam simplesmente que era um efeito do crescimento do país. E, de fato, essa é a explicação. Simples assim. Onde está rolando dinheiro, as coisas encarecem. É por isso que um hambúrguer na cidade de São Paulo é muito mais caro do que na cidade de Lavras da Mangabeira, no Ceará. Se o Brasil quebrar, aí os pessimistas podem ter certeza que os preços cairão.
    Em algumas coisas eu até concordo com ele. A política tributária maluca, a falta de transporte ferroviário, isso é totalmente correto criticar. Mas, em outras coisas, ele esqueceu o essencial e se limitou a citar o menos importante. Por exemplo: que o mundo viveu um período de prosperidade a partir do ano 2000 é verdade. Mas, ele esqueceu de dois fatos importantes, com relação a isso. Primeiro: se ele acha que o Brasil “perdeu o bonde da prosperidade” dessa época é porque ele acha que os pobres não merecem embarcar nesse bonde. Ele não enxerga que o Brasil nunca teve uma redução tão forte na miséria quanto nesse período. Isso não pode ser atribuído à sorte. Isso é política pública. Não posso deixar de me lembrar da década de 70, outra época de enorme prosperidade, o chamado “milagre brasileiro”. Ficou famosa naquela época a frase do governo, de que “precisamos primeiro fazer crescer o bolo, para depois reparti-lo”. O bolo cresceu, murchou, e os pobres não comeram nenhuma fatia.
    E, o segundo fato que ele esqueceu, com relação ao período de prosperidade iniciada no ano 2000, foi o que aconteceu em 2008, quando a bonança acabou. O famoso “day after”. Os Estados Unidos quebraram, a maior parte da Europa quebrou, e o Brasil resistiu bem (perdeu crescimento, mas está sobrevivendo). Mais uma vez, isso me faz lembrar a época de bonança da década de 70. Quando ela acabou, o que vimos foi a tragédia da década de 80, que eu já citei aqui.

  • http://silviamedina.wordpress.com Silvia Moreira

    Gente, “pelamordedeus” vamos poupar!

  • Manoel Pinto

    A matéria é excelente, faltou dizer apenas (mas não podia) que parte deste valores astronômicos servem para as maracutaias dos governos, o caixa dois da política, etc. Um político gasta 10 milhões na campanha, só que em todo seu mandato não ganhará nem perto deste valor, sem falar nos roubous conhecidos em que a legislação brasileira não prende ninguém.

  • Marcela

    Excelente matéria! Parabéns

  • Fernanda Barone

    Há uma informação muito errada aí um Big Mac custa R$17,50 no Brasil… Bons tempos em que custava R$11,50…

  • Gilmar

    Pra ser sincero não consegui ler a materia toda, fico logo enervado, deprimido, a algumas semanas atras vi um comentário do ministro Guido a jornalista Mirian Leitão dizendo o seguinte, os remédios vão aumentar para que a industria farmaceutica nao demita, porque com as demissoes existe um efeito cascata onde o consumo nas outras areas tambem é afetado, eu pergunto é mais facil aumentar o preços dos podutos e serviços do que dimiuir a carga tributaria sobre eles, é zombar da nossa inteligencia.

  • Victor Marconi

    Tão bons quanto a reportagem, são os comentários. Há gente inteligente no Brasil.

    Eu acho irreal conseguir convencer o povão a boicotar os preços altos. Mas pode ter certeza que se nós fizermos nossa parte, eles sentirão a diferença.

    Nós aqui devemos reduzir a maior parte do que não for essencial.

  • Isabel

    Excelente texto. Tanto em informação como na redação, clara e descontraída.

    Mas não devemos nos esquecer que temos nossa parcela de contribuição em tudo isso. Estamos culpando o governo, os empresários, etc. Mas o que fazemos? Nada. O comentário do Rogério em 30/04, sugere transformar a informação em ação com um: FAÇAM … Nossa postura é sempre essa, queremos que os outros façam, mas nós temos sempre uma boa desculpa: “não adiante fazer nada, porque as coisas não vão mudar” ou “se ninguém faz nada, eu é que não vou fazer”.
    Enquanto pensarmos assim, as coisas continuarção do mesmo jeito. Isso, é claro, sem falar do consumismo desmedido que tomou conta do país, em todas as classes sociais, para garantir um status.

  • http://uol.com.br Antonio Vicente de Lima

    Pronto!! Se algum candidato a Presidente, que queira dar uma chacoalhada geral no Brasil e não sabe como, é só pegar essa matéria – Ou seria uma tese de Doutorado? – e aplicar como programa de governo. Linguagem simples, divertida e altamente didática… Maravilhosa – mas ao mesmo tempo desoladora… Não precisa desenhar p/ explicar por que… – a matéria! Merece comprar a revista e o livro só p/ prestigiar esse maravilhoso trabalho jornalístico. Valeu!

    • Alexandre Versignassi

      Valeu você, Antônio!

  • Yeddi

    Realmente matéria exemplar, de fácil absorção e leitura.
    Será que há jeito de se reolver o problema da nossa pseudo-economia? Ou realmente
    (políticos, empresários e mamadores do cofre público) não o querem?

  • Marcelo

    O problema também é a enorme corrupção a revista Veja publicou uma vez que perdemos 80 bilhões por ano no Brasil com a corrupção

  • Batista Filho

    Ótima matéria, infelismente isso é o nosso Brasil , Ordem e Progressoooo………..

  • José Infante

    Parabéns! A quem interessa menos ferrovias e mais rodovias, com mais veículos rodando e consumindo combustível e cobrança abusiva de pedágio? Nada é por acaso! Sem falar no financiamento de campanha política eleitoral!

  • Myriam Lopes

    Excelente, adorei! Parabéns. Brilhante.

  • Claudette

    Moro em Belo Horizonte, e está tudo cada vez mais caro, banana a R$5,00 um penca?? Me assusta, pois venho do interior onde banana se comprava em cachos; estamos precisando começar a boicotar esses abusos. Quem mora em BH sabe por exemplo que a padaria do super mercado Verde Mar é simplesmente um absurdo!! passo longe!!
    Tudo cada vez mais especial e mais caro!!!

  • Paula

    Maravilhosa reportagem.
    É por isso que eu eu meu marido vamos 1 vez ao ano pelo menos aos EUA renovar o guarda roupa.
    Só a nível de curiosidade, hoje fui ver o preço de uma babá eletrônica na Amazon e na Americanas.
    O mesmo produto custa na Amazon R$ 315,00 e na Americanas.com 1.169,10.
    Será que são só impostos mesmo??
    Ou seja, com o preço que gastaria aqui, já pago minha passagem para lá, me divirto, faço minhas compras, compro mais do que aqui e gasto menos!

  • http://ReynaldoGuimarães Reynaldo Lamarque Guimarães

    Extremamente lúcida a matéria. Parabéns! É ultrajante e revoltante principalmente quando comparamos a renda do trabalhador aqui e lá fora. Mais grave ainda é não perceber uma saída, pois além da falta de vontade do governo em mexer na tributação, esbarramos na ganância do empresário brasileiro.

  • João

    Me parece que a “educação financeira” ensinada nas escolas seria o 1º passo para tentar amenizar esse problema. O fato é que para os governantes achar a solução não parece ser o mais interessante, até porque tem muita gente ganhando bastante com essa brincadeira.

  • http://super.abril.com.br/blogs/crash/pagina-exemplo/ gustavo

    le ai

  • renata

    Nossa, tem gente que acredita nas propagandas que a Dilma e o PT falam na TV .. vi até que falaram de inflação do governo FHC.. a verdade é que a inflação existe hoje.. só não está divulgada.. tudo ta lindo, maravilhoso.. todo mundo gastando e morrendo em assaltos.. o problema é que somos omissos … a qualquer hora a bola estoura…

  • http://super.abril.com.br/blogs/crash/pagina-exemplo/ gustavo

    comentario obrigatorio

  • Raphael Santhiago

    Essa matéria merece ser publicada em um veículo de maior atingimento junto ao grande público, sem tirar os méritos da SUPER. Parabéns pelo aprofundamento da análise e pela leveza do texto.

  • BBS

    Excelente a matéria!
    E parabéns aos leitores e a todos que comentaram, pois a discussão está de altíssimo nível.
    O que falta para reduzir os preços?
    Devemos nos organizar e sair às ruas! A última vez que fizemos isso derrubamos um presidente!
    É preciso organizar manifestações no país inteiro, sair às ruas e exigir as reformas, exigir salários menores para os políticos, exigir um melhor uso do dinheiro público, exigir impostos mais baixos… O povo tem esse poder! Nós temos esse poder, mas precisamos ir às ruas e mostrar nossa indignação! Só assim se consegue resultados! Precisamos, e devemos agir para mudar essa realidade!

  • Gilda Delgado

    Excelente artigo! Claro, no tom certo para prender a atenção, rico em informação, bem fundamentado. Parabéns. Aguardo outros de igual qualidade. ++++++

  • Maruti Blue

    Sou mais uma leiga em Economia, e só o que sei é o que sinto na pele todos os dias: uma sensação de vulnerabilidade e de estar sendo desrespeitada. Tal como muitos Brasileiros que leram este artigo, sinto que pela primeira vez alguém levantou a voz para expressar e expor a verdade.
    Sei que é uma utopia, mas seria maravilhoso ter este texto espalhado por todos os cantos do Brasil em “outdoors”. Está na hora de acordarmos e enxergarmos nossa dura realidade. Vivemos num País onde a sensação diária é de que estamos jogados às traças, e estas são os nossos governantes.
    Obrigada pelo artigo.

  • Leonardo Soares

    Ótima reportagem, esclarecedora e de um certo modo revoltante, aqui no Brasil paga-se imposto demais, lamentável, que boa parte deles vão para o bolso de nossos governantes e não para recursos básicos como saúde, educação e segurança.

  • http://www.indiceinvestimentos.com Denys

    A culpa disso tudo é do governo. Não digo o governo petista e sim do ESTADO brasileiro como instituição.

    Se falta investimento é porque não existem incentivos para isso. E qual é o melhor incentivo para o investimento? É o governo deixar de ditar as regras da economia. O empresário e o brasileiro não precisam de um estado dizendo onde e como investir.

    Quanto mais o governo interefere na economia, nas regras, leis e impostos mais o empresariado fica receoso em investir. Entre 2003 e 2007 sobrou dinheiro e foi canalizado para itens de luxo. Por que? Isso aconteceu porque todo mundo sabe que não existe segurança institucional para a iniciativa privada. Você investe, trabalha, se arrisca, para quem sabe lá na frente, depois de pagar 50% do teu trabalho em impostos, talvez sobrar alguma coisa.

    Livre iniciativa privada e livre concorrência. É disso que precisamos. Para que hajam investimentos é necessário ter perspectivas de lucros. E isso no Brasil, nenhum produtor tem.

    O Estado brasileiro acha que o capitalismo é feito dando-se benésses a grandes grupos. Desde o mercado bancário até o mercado de energia elétrica; todos eles são arquitetados para os grandes continuarem grandes.

    Os impostos são altos para sustentar uma máquina estatal gigantesca. É um empulhado de gente sugando as tetas gordas do governo. E quem paga tudo? A classe média e o empresariado que não tem loby no governo. Ah e porque não há investimento mesmo? Porque quanto mais você trabalha e produz nesse país, mais você é sugado e expropriado de seus bens.

    A própria democracia se tornou uma mentira. “Podemos mudar o país com o nosso voto”. Mentira!!! Ninguém pode mudar o país através do voto. Digo isso porque não há incentivo nenhum para o brasileiro pesquisar bem antes de votar. Votar bem significa abrir mão de tempo que poderia ser gasto em outra coisa. E qual é o meu benfício ao votar bem, sendo que os outros 99% estão votando mal? Não há incentivo algum para isso. No atual estado democrático a gente está tendo uma perpetuação do incentivo ao servidorismo público ineficiente. Nenhum jovem quer trabalhar na iniciativa privada porque lá simplesmente vai ter que produzir. “Trabalhe para o governo que terás alem de estabilidade, várias mordomias. Dentro de pouco tempo nem trabalhar é preciso”.

    O Brasil precisa de concorrência em todos os níveis. É preciso que o Estado deixe a economia livre para crescer. Onde o Estado mete a mão temos ineficiencia. Não há um investimento sequer que o Estado possa fazer bem feito. As leis dentro do estado público não são orientadas para o lucro e para a eficiência. É por isso que tudo não funciona. É por isso que todos querem meter a mão na coisa pública. Porque o Estado não precisa dar lucro e não precisa ser eficiente.

    Toda essa inefiência estatal é perpetuada por uma velha conhecida aliada de todos os Estados Nacionais: a máquina de imprimir dinheiro. O brasileiro nao aguenta mais pagar impostos mas a cada ano que passa é expropriado de mais patrimônio pessoal.
    O governo gera inflação através da pura e deslavada impressão do dinheiro o que beneficia os grupos ligados ao estado e prejudica as camadas mais periféricas. A impressão de dinheiro é um jogo de soma zero, independente da onde o governo colocar o dinheiro. Nesse jogo os primeiros ganham o dinheiro dos últimos. E quem é o primeiro a gastar o dinheiro recém impresso? O governo, sugador e expropriador de riquezas. (a impressão de dinheiro, hoje, se dá, através dos bancos e reservas fracionárias).

    Enfim, estamos assim pelo próprio desenvolvimento de nosso estado democrático. E todos os países do mundo passam pelo mesmo problema. Em países onde o tamanho do governo é menor ainda se pode respirar um pouco.
    Mas, especificamente no Brasil, todo trabalhador, produtor e empresário que não tem ligação com o governo é roubado diariamente para sustenar uma massa de falidos, ineficientes e sugadores. E o preço disso tudo quem paga? Quem produz!

    Enfim, joguei uma série de argumentos desconexos porque o grau de indignação é muito grande. Eu poderia escrever 100 páginas explicando o porque do alto preço das coisas no Brasil. Mas se for resumir em uma coisa só seria: o Estado Brasileiro, expropriador de bens e suor dos que produzem.

  • Pingback: Por que tudo custa tão caro no Brasil | Projeto Crer()

  • SANDRO

    obvio a petralhada se nao rouba nosso dinheiro gasta tudo em bolsa pra vagabundo gastar com cachaça!!

  • Patrick Nascimento

    No exemplo do Camaro alí, é possível eu ir até o México, comprar um e vir dirigindo ao Brasil? A quantidade de impostos para importar um carro deixa o valor final dele mais alto que o valor vendido no Brasil?

    Ou nem é permitido comprar um veículo no exterior?

    • Zaqueu

      Patrick, você pode comprar e trazer um camaro pra cá, do exterior. Todavia, antes de você curtir seu novo automóvel, atente-se que você deverá pagar impostos, principalmente o de importação.

      • Alexandre Versignassi

        Dá pra não pagar o IPVA (já que ele não tá comprando o carro pra vender). Mas só entrando na Justiça. Franz Kafka total.

  • Célio

    Fantástico artigo, soube colocar muito bem um resumo da ‘roda econômica’. Partilhei com muitas pessoas, por sua clareza esclarecedora, afinal a massa da população não consegue enxergar (e muitos que leram, não conseguiram entender), fruto de um sistema falho desde sua criação.

    Fiquei curioso para ler o livro inteiro, tinha um vale da Saraiva, e resolvi prestigiar: Comprei 1 para mim, e 2 para dar de presente, devem chegar em alguns dias. Boa sorte Alexandre, e continue com o excelente trabalho.

  • Cotta

    Sera que o PSDB encomendou esta materia? houve revoluçao no Brasil depois de 10 anos gov.coalizao? quem manda e tem grandes lucros no pais?nao sao os banqueiros?! a rede globo que imbeliciza metade da pop.com seus programas e jornais idiotizantes? e os usineiros? o agro-negocio da monocultura soja/citricos/cafe? ou seja, quem manda e’ a classe burguesa , dona dos meios de produçao! Portanto, e’ ela quem ainda da’ as cartas e tenta limitar inflancionando (despedindo trabalhadorexs) e/ou aumentando seus lucros e minimalizando as perdas e,por mais que o governo subsidisie estes bandidos kapitalistas apatridas, fazem estes junto com kapitalistas internacionais neste mercado interno/externo globalizado e neo-liberal um jogo so': exploraçao.

  • http://anajorn@gmail.com Ana Paula

    Nunca vi uma reportagem conseguir passar tanta informação, de forma clara, em linguagem fácil e acessível a todos. Parabéns pelo texto, excelente! Provavelmente a melhor reportagem que já li sobre o assunto.

    Ótimo trabalho!!
    obrigada

  • Brar Soler

    Matéria excelente.

    O pior é que já passamos por tudo isso antes. Sofremos muito até perceber que a única coisa que “congelaria” os preços aqui dentro seria a abertura das barreiras comerciais e nossa inflação passou a ser controlada pela competição com o preço lá fora, que impede o preço de aumentar indiscriminadamente aqui dentro, apanhamos muito até aprender isso, na marra, que temos que ser produtivos e que a receita de ficar parado e ultrapassado e caro é nos fecharmos ao exterior.

  • Rafael Braguini Bevacqua

    Apesar de já conhecer a maioria destes problemas, cada vez que me deparo novamente com estes mesmos problemas, fico muito triste e decepcionado com o nosso país. Sinceramente não consigo ver uma saída a curto prazo, infelizmente.

  • Simone

    Então vamos ler, entender, elogiar o texto e continuar tudo do mesmo jeito, não vamos fazer nada? Temos que agir.

  • http://www.facebook.com/lucianofdelima Luciano Ferreira de Lima

    Brasil a eterna Colônia de Exploração!

  • Thiago Oliveira

    Parabéns pela excelente matéria Alexandre! Acabei de comprar o livro no Kindle também!

    E eu estava pensando aqui, seria muito interessante se alguem fizesse um filme/documentário sobre esse assunto, mostrando esses absurdos!
    Já passou pela sua cabeça essa ideia?

  • Cleber

    Muito bom o texto, só que ele não adianta nada se não mudarmos a mentalidade ufanista ultrapassada, o governo surfou na onda, ñ fez as reformas, e ainda incentiva o consumo adoidado, e o PIOR, ano que vem Dilma em seu programa com toda certeza vai falar mal das privatizações e blah blah blah, sendo que essa é uma das soluções pra diminuir os gastos estatais, valorizar a livre iniciativa e aumentar os dividendos para o países, como ocorreu na Vale só pra citar um exemplo.

    Ou seja, não adianta achar tudo isso ruim e continuar votando em partidos que ñ tem coragem de fazer as mudanças que não valorizam a livre iniciativa, com todo o pragmatismo do PT seu lado socialista mostrou e mostrará sempre as caras prejudicando cada vez mais o Brasil. PSDB pode se dizer que é menos pior nesse caso, ainda estamos colhendo frutos da gestão FHC na economia.

  • Rogério

    Por que vcs não citaram o vídeo do Canal do Otário? Os exemplos que vcs utilizaram é exatamente o que ele falou no vídeo sobre o GOL.

  • Anderson Lira

    Matéria excelente! Gostei da maneira simple, clara e direta com que o artigo foi escrito. Observei alguns comentários falando sobre omissões. Certamente um artigo para abordar todos os temas relevantes em um assunto tão complexo se tornaria um livro. Elogios aos membros da equipe que pesquisou, redigiu e revisou esse excelente trabalho.

  • Lucas

    Excelente reportagem! Sempre quis alcançar essa linguagem para falar com as pessoas com quem lido, mas é realmente complicado explicar tantos fatores sem se comprometer emocionalmente. Normalmente eu travo no meio da explicação e começo a querer explodir essa joça. Muito boa mesmo. O autor e os colaboradores estão de parabéns.

  • João Neves

    A culpa é do governo… a culpa é dos grandes empresários… mas e o consumidor brasileiro? também não tem seu dedo de culpa não?

    Aposto que muita gente que está batendo palmas aqui, se tiver a “oportunidade” de pagar “cinquentão” naquele carro em suaves prestações pelo resto da vida, não vai deixa-la passar só para tirar uma onda com vizinhos e amigos.

    Apesar de toda essa carga ridícula sobre os preços dos veículos o que vejo a cada dia são mais carros nas ruas e o mais estranho: carros maiores. Tenho aguns amigos solteiros que moram no meio urbano e comprometeram mais da metade do salário só para manter aquela “picape” que só serve para ocupar espaço nas ruas.

    Será que é mais vantajoso comprometer boa parte da sua renda durante toda a vida do que exigir um transporte público mais efetivo? Será que somos tão individualistas assim?

    Me foquei nos automóveis porque acho a situação mais extrema e paradoxal na realidade brasileira mas com certeza poderia adicioar outros artigos de consumo na conversa.

  • Claudio Tavares

    Excelente texto, muito didático e fácil de entender. Seria ótimo se todo brasileiro pudesse lê-lo, primeiro para entender um pouco dessa loucura que é a nossa economia e segundo para criar consciência e mudar o rumo do nosso país.

  • paulo PEREIRA PASSOS

    Comprar um imóvel no Brasil é uma vergonha ainda pior do que ocorre com os automóveis. O padrão das construções no Brasil é ridículo, a classe média está se endividando em 30 anos para pagar por COHABS enfeitadas em localizações muito piores do que a das COHABS e dos CINGAPURAS. É o exemplo máximo da improdutividade. Não havia financiamento, quando o financiamento chegou, todo o ganho foi capturado pela dupla construtor+bancos, SEM QUE NENHUM BENEFÍCIO CHEGASSE AO CONSUMIDOR e o povo continuou na mesma. O Brasil é um país de mentira e uma barbárie de verdade.

  • Walter

    O Brasil tem várias heranças malditas, mas duas se destacam: o Carnaval e o Futebol.
    Isso mesmo. Brasileiro fica sem qualquer coisa, menos sem Carnaval ou Futebol.
    Países desenvolvidos também gostam de futebol, mas eles não param por causa de uma copa do mundo. Eles dão ao futebol a importância correta.
    E o Carnaval, então?? Pode tirar a comida, a água, a segurança, a escola, a saúde, qualquer coisa do brasileiro; ele vai reclamar, mas logo vai esquecer (pelo menos, na próxima final de campeonato, ou no máximo no próximo mês de fevereiro). Agora, experimenta tirar o Carnaval… é revolução na certa!
    Toda vez que mostramos nossa cara lá fora, tem que ser uma única cena: um monte de gente vestindo plumas e paetês na Marquês de Sapucaí. E queremos ser levados a sério??? Bem, pelo visto nós não somos sérios mesmo. Quem sabe tenhamos que continuar eternamente uma República das Bananas…
    A Copa do Mundo e as Olimpíadas são outra ilusão. O brasileiro está achando que porque estes eventos serão aqui o país ganhou na loteria. Não precisa fazer mais nada, com estas coisas e com o petróleo ficaremos ricos! Que ilusão de terceiro mundo!
    Nenhum país fica rico formando craques de futebol e dançarinos de samba. Os países ficam ricos formando cérebros — investindo, não só na modernização da produção, quanto na infraestrutura e, especialmente, em educação! Mas o nosso Q.I. continua bem atrás do dos argentinos, por exemplo… Vamos longe assim…
    Vai aprender com a China, Brasil! Pois já estamos perdendo o trem (e nem trem nós temos direito). Caso contrário, a música do Ultraje a Rigor continuará válida eternamente em nosso berço esplêndido: “Inútil! A gente somos inútil!!”

    • paulo PEREIRA PASSOS

      Colega o Samba cresceu e se profissionalizou graças à luta de muita gente, povo e elite juntinhos! O povo não se importava de criar os filhos em vielas fétidas com o esgoto a céu aberto. Ás vezes nem se importava em reconhecer os filhos que havia feito, preferindo deixá-los nas costas do primeiro otário que aparecesse. Mas com samba a coisa era(é) séria! Os favelados são capazes de lutar por escolas de samba e ganhar, já contra a violência precisaram de favor bilionário do governo (que como sempre está fazendo cosmética embora venda como “solução”). Não é possível ver a realidade brasileira sem ser politicamente incorreto.

  • francisco

    esclarecedora, parabéns ! acredito que nós brasileiros conseguiremos reverter este quadro absurdo, quando por exemplo a maioria da população tiver mais acesso á informações como estas por exemplo.
    o colega acima cita a revista veja como referencia ! só rindo né ?

  • Jotazêr

    Comprei a revista por causa da matéria, sabia que seria excelente, e foi. Diria que esta é a melhor matéria que já li falando sobre economia. Mesmo!

  • Carolina Dkias

    Ola!

    Gostei muito da materia e gostaria de pedir ao autor se ele teria a materia em ingles!

    Obrigada
    Carolina

  • Rodrigo Mietti

    Não posso deixar de opinar nesse fantástico artigo. Realmente esta sendo uma tarefa díficil viver neste país consumista e acéfalo. E digo o porque. Falta inteligência, e não é inteligência para os pobres “burros”, falta inteligência para os “burros” da classe média e alta. Eles (nós) é que devem ter a consciência dos estragos que podemos mobilizar com um boicote, parar de comprar carro zero, não comprar apartamento superfaturado de 30 mts quadrados, não comprar roupas de grife (duvidosa) no shopping, etc…
    O boicote tem que ser feito já, tem milhares de empresários (a maioria de fora) dando risada da nossa cara, gastando os milhões deles enquanto pagamos nossas “suaves” prestações com o suor do nosso trabalho diário.
    Eu me decidi, nos próximos 3 anos não vou comprar carro zero (poderia), não vou comprar apartamento (poderia e sonho com isso), não vou ser consumista, vou ser inteligente financeiramente e vou poupar cada centavo possível.
    E quero que a turma do PT se lasque, eu sou um consumista a menos, pra mim a economia vai estagnar, só vou gastar com o necessário como muitos amigos estão fazendo e veremos o que vai acontecer.
    Um dado importante: em SP já temos 9 corretores de imóvel para cada comprador, ou seja, a demanda está diminuindo, o pessoal tá se conscientizando e temos menos pessoas fazendo loucura.
    Fé no boicote, essa é sem dúvida, a salvação do brasileiro.

  • João Pedro dos Santos Bif

    Lindo! Muito bem escrito.

  • Renato Nunes

    Parabéns aos autores pela matéria! Muito clara, objetiva e informativa!

  • Nero Diemerson

    Parabens Alexandre Versignassi gosto de ler muito a super interessante, aprendi a gostar mais de economia atraves das suas referencias comicas, torna o assunto tão complexo como economia um assunto facil e de facil entedimento para as pessoas leigas que não entendem muito dessa area, Parabens pelas materias, Excepcionais!

  • Wellington

    Tudo que eu pensava!! e mais um pouco que nao conhecia!! passei para minha noiva ler para ver se ela economiza um pouco…rs..rs..
    Estao de parabens!!

  • Jorge Nei

    Ótima matéria. Pena que a leitura no Brasil é para poucos. A maioria dos brasileiros não se interessam por este tipo de matéria. E dos que lêem, a maioria fica no primeiro parágrafo. Parabéns!

  • ali

    Boa.

  • http://patriciadromero.blogspot.com Patricia Dantas

    Alexandre Versignassi e Felipe van Deursen, com essa matéria vocês resumiram o que seria “a excelente prestação de serviço público” através do jornalismo. Brilhante, fantástico, emocionante. Parabéns!!!!!!

  • Raul Nina Guterres Soares

    Dá tristeza ler essa matéria.Estou com 87 anos e perdi a espernça de ver uma mudança séria em nosso país. Getúlio Vargas suicidou-se em meio a um mar de lama (como dizia Carlos de Lacerda) e, agora, vemos outro mar de lama envolvendo Lula.
    Juscelino, endeusado pelos que encheram o bolso em seu governo, criou a maior espiral inflacionária em nosso país com suas idéias megalomaníacas e ainda deixou o país dependente da indústria automobilística que nos asfixia. Acabou o sistema ferroviário em um país de dimensões continentais, como se costuma dizer. Como bem diz o artigo, quando as coisas melhoram, o brasileiro vai torrar dinheiro no exterior, contribuindo para aumentar mais o preço dos artigos aqui dentro, pois os comerciantes precisam vender mais caro para quem não viajou a fim de manter seus lucros. gostei do artigo.

    • Alexandre Versignassi

      Pois é, Raul. Pensei em escrever aqui nos comentários, numa outra ocasião, que a geração de hoje dificilmente veria alguma mudança substancial. Mas deixo a palavra com você, que já passou por várias gerações.
      Obrigado pelo elogio.

      Abraço

  • Eldno Pires

    Como diria o grande Raul Seixas, “falta é cultura pra cusir nas estruturas!”

  • http://DANIELPAULA@GMAIL.COM DANIEL PAULA

    Parabens pela reportagem. Moro nos EUA ha 10 anos (realizado e nao pretendo voltar). Sempre comentei isso com todos na minha esfera de influencia. Perdi a conta de quantas vezes a resposta foi “no Brasil eh diferente”, ocasiao em que a minha resposta sempre foi “diferente em qual sentido?”. No fundo nao existe diferenca. O que existe e desperdicio e excesso de governo. O fato de tudo ser mais caro (desde uma caneta, um chinelo, passando por um carro e uma casa) eh um reflexo de tres fatores (1) os impostos necessarios para sustentar milhoes de funcionarios publicos estaveis, concursados e carissimos que produzem pouco (2) a cultura de arrogancia e exibicionismo que idolatra um Honda Civic e permite que industria cobre o que quiser e (3) o baixo nivel educacional comparado ao resto do mundo que dificulta a compreensao dos pontos 1 e 2.

    • Alexandre Versignassi

      Se eu fosse resumir em três frases, resumiria assim também, Daniel. Boa.
      Abraço

  • Juan

    Achei interessantíssima a matéria, apesar de não concordar com tudo. Acho que o principal que tem que debate é o “lucro Brasil”. Os empresários e bancos estão acostumados à taxas obscenas de lucratividade no Brasil e cobram preços muito mais altos do que cobram lá fora.
    Existe muitos impostos? Existem. Mas outros países se pagam muitos impostos e no Brasil quem paga são os trabalhadores. Os empresários colecionam diversas isenções (dinheiro que depois falta para saúde, educação) e não precisam compensar em nada, como diminuir os preços obrigatoriamente. Os IPIs são zerados e ainda pagamos preços astronômicos pelos automóveis. O governo, é claro, continua premiando os empresários com isenções e não intervém nas altas de preços, que puxam a inflação, em nome do Deus do livre-mercado.

  • Aberto Sergio de Carvalho Onofre

    Excelente artigo e de fácil compreensão como o governo do PT esbanjou nossas divisas nos anos da maré alta da economia mundial e agora, pela falta de acumulação e investimentos, o Brasil está em dificuldades para acelerar a economia.

  • Bruto

    Boa!
    No meio da matéria já estava esperando você citar o Lucro Brasil, li uma frase que representa bem isso:“O porquê dos preços serem tão caros no Brasil, é porque o brasileiro paga“. Simples assim! Quanto aos imóveis, o crédito, a demanda reprimida e a falta de investimento explicam muito, mas faltou, a meu ver, falar dos especuladores, comprar 10 apartamentos na planta, almejando a alavancagem antes de fechar o financiamento, é um fator importante que não deveria ser deixado de fora da matéria, aliás, o Brasil tem tantos tributos, mas falta um muito importante, já que moradia é um direito, imóvel não deveria ser investimento, instituindo através de Lei Complementar, o imposto sobre segundo imóvel. Alexandre Versignassi, meus cumprimentos, você desenvolveu uma excelente técnica para explicar economia as massas, e fiquei contente por citar Samy Dana, sou fã de vocês dois! Abs.

    Bruto – Tókyo, Japão.

    • Alexandre Versignassi

      Valeu, Bruto!
      E vc tem razão. Qualquer sistema em que os preços sobem num ritmo aluciante é retroalimentado por especulação. E no nosso caso, além dos especuladores comuns, que compram um prédio todo na planta pra revender, tivemos o boom dos fundos imobiliários, que viraram o investimento da moda por aqui.
      A parte boa é que o Brasil não cometeu o mesmo erro dos EUA – picotar esses fundos de modo que eles virassem um produto financeiro de massa, ou que bancos passassem a ter boa parte de seu ativo nesses fundos. O risco está concentrado. Se o preço dos imóveis despencar, não vai machucar tanto a economia quanto machucou nos EUA.

      Abraço!

  • Paulo

    Excelente, muito boa a matéria, parabéns. To pensando até em sair do país

  • Fernando Andrade
  • Kelly

    Viciei. Vou ter que ler o livro.

  • http://super.abril.com.br/blogs/crash/pagina-exemplo/ paulino

    matéria maravilhosa, pra mim uma das melhores da revista.
    fico triste pq a soluçao pra tudo isso mudor ta dificil,pq brasileiro nao sabe votar!!!!

  • Bruno

    Parabéns pelo excelente artigo! Foi a matéria que explica de maneira mais simples e melhor o porque as coisas no Brasil são como são.

  • Edinaldo de Souza Teixeira

    Parabens, muito bom, até eu que não entendo nada de economia compreendi muito
    bem.Fico muito triste em saber que tudo isso que está acontecendo com o nosso
    País é de difícil solução. A solução seria o voto, este é trocado pelas bolsa familia,
    seca, miséria ,Prequiça e por aí vai.

  • Cláudio

    Sistema tributário é muito agressivo e não dá nenhum retorno aos contribuintes.

  • Alfredo

    Uma das melhores reportagens em todos os tempos da Super, e apenas mostra oquanto o Brasil e sua classe política é um transtorno brutal, pouquíssimo ou nada se faz, e com ajustes oquanto essa nação não podeeria crescer e dar condições de melhor vida, emprego, salário, impostos e custos a todos, essa reportagem deveria estar colada em cada classe de aula, empresas, fábricas e etc, tremendamente esclarecedora, parabéns.

  • http://www.querodesenho.com Jarbas

    Parabéns! Um texto muito esclarecedor e agradável de ler. Obrigado!

  • Marcos Almeida

    A Upriver, Frederico Luna e Diogo, vocÊ deveira ter esperado mais comentário ao invés de postar três seguidos. “Propagandistas” do sistema já foram mais espertos. Grande abraço!

  • http://adelcir@hotmail.com Adelcir Oliveira

    Botemos tudo nas contas da DITADURA, DO PT E DO PSDB.

  • http://www.duniverso.com.br Tomé Ferreira

    A culpa é desse povo burro que assim como eu, não paramos de comprar, mesmo que esteja um fortuna fora da realidade!
    Estou tentando criar vergonha na cara.
    Alguma coisa já melhorou.

  • Raimundo

    Essa reportagem tem que girar todo o país… vamos divulgar!
    O povo brasileiro tem que sair dessa paralisia e cobrar dos nossos governantes mudanças estruturais em nosso país.
    O que acontece é que as atuais decisões só têm cunho político.
    Só pensam nas eleições…

  • Dafane

    Excelente texto. Leitura fácil, exemplificada e objetiva. Parabéns!

  • Lincoln Wanderley

    Excelente estudo, parabéns!

  • Bel

    Excelente matéria! Vem ó Jesus nos socorrer!!!

  • Andy

    Fantástico como algumas pessoas ainda perdem seu tempo pra corrigir a matéria, levanta essa bunda da cadeira e anda fazer alguma coisa pelo Brasil, não é de pessoas estúpidas que precisamos pra mudar a situação desse país, e não estou falando só de economia, mas tudo, hoje o Brasil é terra sem dono, tudo que é porcaria esta liberado, francamente, se quer bancar o “bonzão”, muda de planeta, porque esse já esta superlotado.
    Parabéns pela matéria.

  • Resumo da ópera

    A solução beira a utopia.
    Antes de mais nada, meus parabéns pela ótima reportagem!
    Porém, para que haja a reforma tributária, é necessária uma renovação política que só ocorreria com uma reeducação popular que, por sua vez, só acontecerá quando os atuais políticos quiserem. Enquanto o povo for burro e cego… (ter preguiça de ler essa matéria, por exemplo.)
    Quando uma geração for realmente educada, aí sim poderemos nos dar ao luxo de discutir impostos, melhorias e grandezas, comparando-nos à países em que a cultura é ser culto, não malandro.

  • Lucas Itamar

    A reportagem é excelente. Eu já havia comprado a revista, por coincidência uma semana depois de chegar de uma viagem par aos Estados Unidos, momento em que eu ainda estava indignado pela diferença de preços entre lá e cá. Principalmente pelo nosso “idolatrado” Camaro. Eu aluguei um conversível lá por uma diária de R$ 110,00. No Brasil, com este valor você aluga um Palio que, se bobear, não tem nem ar condicionado.

  • Gabriele Pantoja

    a reportagem é incrível, sem dúvidas…mas a situação está realmente insustentável. está cada dia mais difícil viver no brasil.

  • Lucas Pinto dos Reis

    Dá tanta vergonha de ver o que o Brasil é, que ao ler este texto (fantástico, por sinal) me sinto profundamente envergonhado por ter nascido neste país. É um caso sem solução, infelizmente.

  • Clenilson José Ribeiro

    Parabéns, excelente reportagem, muito esclarecedora, didática, de fácil entendimento. Talvez a única forma de mudar este pais é disseminar a informação, educar as pessoas para que elas percebam a realidade de nosso país e comecem a protestar e a escolher políticos que realmente queiram fazer a diferença. Vamos divulgar esta reportagem, com certeza muitos irão refletir.

  • Eunice Vasco

    Parabéns pelo artigo. Fez muito sentido, se bem que eu acho que se poderia ter falado sobre o papel do Mercosur ou da especulação que deriva das Olímpidas e da Copa do Mundo na inflação.
    Não sou brasileira, nem resido no Brasil, e quando me falaram na inflação eu não acreditei, até ouvir a confirmação de outras pessoas. Aí perguntei a alguns brasileiros como é que, sendo o Brasil um tão bom produtor de automóveis, eletrodomésticos e produtos alimentares, poderia ter os artigos à venda por preços tão elevados, e eu recebia várias respostas, mas nenhuma me parecia verossímil…. Este artigo fez sentido, e está bem explicado (embora, a meu ver, esteja um bocadinho incompleto devido aos motivos que referi no início).
    O Brasil tem muitos recursos, bom clima, boa gente… fico a torcer para que tudo dê certo!

  • Eunice Vasco

    Ah, só mais um comentário… não podemos comprarar o Brasil à China, porque esta não é uma democracia multipartidária como as nossas, ou seja, enquanto os nossos governos só podem fazer planos a 4 anos, os políticos chineses podem fazer planos a 10, 15, 20 anos! Infelizmente os nossos políticos querem resultados rápidos, que é para serem reeleitos depressa. Nesse sentido (e apenas nesse) aparentemente as não-democracias têm as suas vantagens – não que eu seja fã…

  • Fabiano

    Moro na Inglaterra há quase dois anos por causa da faculdade e realmente é chocante. Em Londres, uma das cidades mais caras do mundo, voce pode ir para um restaurante em casal, pedir uma garrafa de vinho e ter um jantar com entrada e prato principal por 200/250 reais num restaurante de elite de chefs famosos como ou Jamie Oliver. No Brasil voce tem só entrada e prato principal num restaurante mediano pelo mesmo preco. E se pedir vinho, coloca aí 100 reais a mais no mínimo.
    Carro entao, nem compare. Em média 3x mais barato. O mesmo Mini que é sensacao no Rio saindo há uma média de 100 mil, aqui custa 40/45 mil reais.
    Ah, e lembrando que o sálario mínimo deles equivale a 3 mil reais. (6.19 libras a hora, o que na cotacao atual sai 18.60 reais aproximadamente).

  • http://nilton_h@hotmail.com Nilton

    A matéria é realmente excepcional, mas convenhamos que algumas coisas têm que ser vistas em perspectiva.Por exemplo, acho desproporcional querer comparar o Brasil com os EUA, ou a China, que são casos particulares no mundo. Comparar o Brasil com México, Argentina, ou até mesmo a Rússia faz mais sentido.

    Tome também o caso do Big Mac. Qualquer pessoa no Brasil pode optar comer um “X”-Salada por menos de 11 Reais. Nos EUA, o McDonalds é o restaurante barato, “fuleiro”, o equivalente da nossa lanchonete da esquina que vende o “X”-Salada. Moro no Canadá, e quando quero comer hamburger, pago bem mais que 11 Reais, porque há melhores opções que o Big Mac. A diferença é que no Brasil o McDonalds é “chique”. Por falar nisso, já fui no McDonals em Paris e não comi Big Mac, mas sim o “Mc Baguette”, um sanduíche ótimo que só tem por lá. Ou seja, cada lugar tem suas particularidades e opções, e (sem querer defender o Brasil) muitas vezes só paga caro mesmo quem quer.

  • gleici

    faço questão de comentar , todo brasileiro que se preocupa em estar bem informado tem obrigação de ler sobre a realidade do país em que vive , para de uma vez por todas para de pensar que vive melhor quando gasta mais , o país precisa mudar urgente e passar a investir antes que seja tarde

  • Mateus

    Parabéns, excelente reportagem! Agora não esqueçam de olhar para o próprio umbigo! Esses dias quis comprar a edição do mês da revista Super Interessante. Contudo, para a minha surpresa, a revista está custando R$ 13,00!!!!! E não venham me falar em impostos, pois as revistas são imunes, assim como os livros, que também ostentam preços proibitivos. Concordo plenamente quando falam do preço de carros e tudo mais… mas nada justifica esse preço por uma revista.

    OBS: não quero desmerecer o trabalho de nenhum profissional, acho que todos que contribuem com a revista precisam ser muito bem valorizados, além de que esse preço abusivo não é exclusividade da revista Super Interessante. Mas que vocês se encaixam na parte do lucro Brasil, a encaixam….

  • Ademar SChneider

    Realmente é complicado viver neste pais, minha sobrinha é que esta certa, se mudou para Alemanha e não quer mais voltar.
    Se eu pudesse faria a mesma coisa, pois sinto vergonha de continuar neste pais com politicos tão miseráveis…

  • Felipe Smozinski

    Resumindo PAÍS RICO É PAÍS SEM POBREZA (o melhor slogan de alienação do governo PT). A Dilma presidente e o nosso querido LULA governador do estado de são paulo (aliado ao MALUF) em 2014. O PT no comando por mais 4, 8, 16 anos (A casa caiu… O gato subiu no telhado), o FHC será canonizado.
    E daqui a 26 anos essa matéria será tão atual como o álbum “Que país é esse?” do legião urbana, lançado em 1987…
    Terceiro mundo, se foi
    Piada no exterior
    Mas o Brasil vai ficar rico
    Vamos faturar um milhão
    Quando vendermos todas as almas
    Dos nossos índios num leilão

    Parabéns pela matéria…

  • Yuka Garcia

    Reportagem espetacular !! Uma abordagem simples sobre esse assunto tão complexo.Não consegui parar de ler, aliás todos deveriam ler.Parabéns.

  • leandro

    caramba nois somos ricos e estamos sendos roubados no final da conta

  • Marcos

    Os piores ladrões do nosso país chamam-se banqueiros. E estes tem a colaboração dos políticos corruptos do Brasil. As grandes lojas agora aderiram aos cartões de crédito. As lojas alegam a inadimplência. Só que você faz duas prestações a da loja e a do cartão de crédito, geralmente Itaucard ou Mastercard. E ninguém fala nada. O nosso país não é só político corrupto. Os empresários também assaltam o povo fingindo suavizar suas compras. O pior que estamos sendo obrigados a fazer esses cartões, ou as lojas não parcelam as suas compras. Como todos sabem o produto que você compra já é super. faturado e você ainda tem que pagar a parcela dos banqueiros ladrões, sem eles fazerem nada só encostando no seu bolso e surrupiando na maior. Agora tente abrir um negócio desses e veja se você consegue? Vão dizer que você é estelionatário, está dando golpe na população. Acorda Brasil está na hora de boicotar.

  • Fudencio

    Brasil é terra de ladrão. O seu próprio povo corrompe. Compra diploma, habilitação, as pessoas, gente mandando matar até os pais por dinheiro, tudo aqui se dá um jeitinho com dinheiro. Isso aqui não vai melhorar nunca. E com os governantes ladrões que temos virou o caos. O Diabo é que engana o povo dizendo que Deus é brasileiro. A ganancia supera a todos, o ser humano é lixo quem tem valor é o dinheiro. As próximas igrejas terão uma nota de cem reais no altar representando Deus. O ser humano perdeu a sua identidade para o dinheiro. A única coisa que o dinheiro perde é para a morte. Ele consegue adiar a morte mas não consegue vencer a morte. E a vida toda que o ser humano lutou pelo dinheiro sai vencido na hora da morte sem poder levar o seu próprio dinheiro que tanto tempo lhe tomou. Feliz quem viveu, e vive da terra. Como eu.

  • Marcos

    Brasil é terra de ladrão. O seu próprio povo corrompe. Compra diploma, habilitação, as pessoas, gente mandando matar até os pais por dinheiro, tudo aqui se dá um jeitinho com dinheiro. Isso aqui não vai melhorar nunca. E com os governantes ladrões que temos virou o caos. O Diabo é que engana o povo dizendo que Deus é brasileiro. A ganancia supera a todos, o ser humano é lixo quem tem valor é o dinheiro. As próximas igrejas terão uma nota de cem reais no altar representando Deus. O ser humano perdeu a sua identidade para o dinheiro. A única coisa que o dinheiro perde é para a morte. Ele consegue adiar a morte mas não consegue vencer a morte. E a vida toda que o ser humano lutou pelo dinheiro sai vencido na hora da morte sem poder levar o seu próprio dinheiro que tanto tempo lhe tomou. Feliz quem viveu, e vive da terra. Como eu.

  • Fernando Vieira

    Texto perfeito.

  • Julia

    Super interessante! Muito útil.

  • Fabiano Allgayer

    Parabéns!
    Um texto muito bom. Pela quantidade de comentários acho que dá para perceber a importância do conteúdo e quanto mexeu com os leitores.
    Espero que continues escrevendo cada vez mais… Plantastes muitas sementes em solo ruim mas bons frutos colheremos no final.
    Obrigado.

  • Jaime

    Não podemos perder a fé nas pessoas, por mais difícil que isso seja. Por mais difícil que isso seja no Brasil.

  • Maxwel

    Excelente matéria obrigado por essas informações.

  • Pingback: Programa Visão Educa | Aqui se prepara o amanhã()

  • Peterson

    Excelente matéria! Parabéns. Favoritado. Agora o que fazer com a República Federativa do Brasil que só decepciona sua nação?!

  • Uberico

    Uma das melhores materias da Super que li recentemente.

  • http://about.me/renerib Rene

    Enquanto o governo não deixar o empresário trabalhar (cobrando impostos demais, sendo burocrático demais, se intrometendo onde não é sua função), o Brasil não vai crescer no ritmo que deve. E crescendo devagar, o risco de estagnar e ficar no marasmo por um tempo é sempre maior. É o que acontece há décadas. Enquanto o governo for um obstáculo, e não um parceiro dos empresários, nosso país estará fadado ao marasmo para crescer.

  • Mayara Silva

    Não vi muita novidade na matéria… Quem como eu, ganha 1 salário mínimo, trabalhando como empregada da área comercial, já notou isso há muito tempo. Também morro de vontade de ir morar no exterior. Só não sei daqui a quantos anos.

  • Pingback: A supervalorizada Copa do Mundo da FIFA | Mundo Beta()

  • Jose Ernmesto

    Excelente a matéria, acertaram na ”veia”, linguagem simples e agradabilíssima, fiquei surpreso! Na minha modesta opinião faltou um pitaco: temos o custo Brasil e quiçá, maior, o Custo Brasília!!!! Temos que colocar o dedo na ferida, nossa máquina pública é grande demais, os políticos dragam nossos recursos num afã perdulário grandioso!!! Os serviços públicos são ineficientes, a máquina pública, e me refiro a Municípios, Estados e Federação, estão inchadas de pessoas incapazes e de má vontade! O sistema engole os que pensam diferente! Por que o trabalhador da iniciativa privada tem que produzir mais com salário menor??? Esta semana aqui no RS o Tribunal de Justiça revelou os salários dos servidores, pasmém, uma ”doméstica” deste setor ganha mais que um professor com 40 hs no Estado!! Não sou contra o salários bons, mas falta a tal isonomia para os demais!!!

  • Claudio Oliveira

    Muito boa a matéria, muito obrigado.

  • Marina

    Achei a matéria muito elucidativa. Ainda que seja tendenciosa, como muitas pessoas comentaram aqui, entendo que o principal a ser aprendido através dessa matéria é a mudança na nossa mentalidade, tendo em vista que eu acredito ser 100% a necessidade do brasileiro pelo “status”. Quem de nós nunca pagou mais por algo “de marca”, ou importado, ainda que tenha sido uma única vez? Eu admito…
    É aquela velha ladainha do “se cada um fizer sua parte, teremos um mundo melhor”.

    Uma coisa que realmente não pretendo mais fazer, de início, é comprar carro zero.

  • http://cancado@hotmail.com leo

    único retoque quanto à parte tributária, já que vi o eu empenho em ser tecnicamente preciso: a csll não é imposto, é uma contribuição social. muito parecida com o imposto de renda, mas .
    a destinação das contribuições sociais é mais restrita. com os impostos, o estado pode gastar mais livremente.

  • Patrícia Freire

    Sou leiga no assunto, mas com certeza consigo enxergar que em nosso país as coisas não andam bem financeiramente. E o quadro da nossa sociedade economicamente falando é preocupante. No sentido dos gastos abusivos, impostos e mais impostos. Adorei a reportagem e seria de grande auxílio que se divulgasse essa e outras ideias a respeito da nossa economia.

  • Karina

    Moro na Alemanha ha 6 anos e hoje consigo enxergar a enorme diferenca de mentalidade – dos governantes, investidores, empreiteiros, mas TAMBEM dos consumidores – que infelizmente ainda nos separa do titulo de pais desenvolvido…

    Parabéns pelo texto!

  • http://wanderbaracho@hotmail.com Wander Dias Baracho

    Espetacular artigo, esclarecedor, claro, real e muito bem escrito. Só deparamos com um problema, o brasileiro DETESTA ler. Tenho certeza que mais de 90% acharão o artigo “muito longo”…no facebook tem coisas menores e mais interessantes para ler, como inícios e términos de relacionamento, jogos de futebol e fofocas da vida alheia. Faça um depois sobre o efeito da falta de educação (e a ojeriza de obtê-la), sobre todo essa aceitação do custo Brasil. Parabéns!!!

  • tieppo

    Seria bom que alguem conseguisse psicografar uma forma de fazer os MENSALEIROS entenderem tudo isso!!!! Com esse caminho qual será o destino BRASIL??????

  • Filippi Aragão

    Qualidade de pesquisa excelente, redação melhor ainda! Parabéns, essa matéria deveria ganhar um prêmio!

  • Paulo

    Excelente reportagem, linguagem simples mais com foco, poucos detalhes mas eficaz. Fico indignado como somos tidos como burros pelos nosso superiores, que mesmo ganhando tanto dos nossos bolsos mais roubam, pensar que se eu nascesse em outro país, um sonho de ter um carro do ano seria realizado com muito mais facilidade, pensar que com o dinheiro que eu compro um palio no Brasil, eu compraria um Mustang V6 Premium no EUA. Quantas famílias teriam suas casas próprias por muito menos. Gosto muito do povo do meu pais, mais sinto vergonha dos nossos governantes. Mas creio que um dia a justiça vai ser feita, e disso eles não podem escapar. Mas creio que se ficarmos de braços atados nada vai mudar.

  • Alexandre

    Sensacional!!!!!
    Parabéns xará, mostrando bem a realidade do Brasil, é isto que falta, a VERDADE E A REALIDADE….
    Exemplo prático de como somos muito inferiores aos demais ao redor do mundo.
    Veja só…redução de IPI na compra de veículos novos é motivo de festa…..

  • Thiago

    Excelente matéria. Espero que venham mais! Não poupe esforços para nos transmitir seu conhecimento. Quanto mais informação pra nós, melhor!

  • Ingo Hermann

    O autor desse artigo consegue explicar o óbvio, porém sem a tradicional linguagem dos economistas e de uma forma didática e até hilária, se não fosse triste. Parabéns ao autor e que continue expondo a realidade desse país de forma transparente, clara e objetiva. Quem sabe um dia esse povo acorda e aí começamos a construir o Brasil que queremos.

  • Bruno Chagas

    Acho que um ”genial” já diz por todos!

  • Dhiego Sales

    Matéria magnífica, Super! Estão, realmente, de parabéns.

  • Diogo

    Excelente matéria.

    E a maioria que comenta aqui, compra carro zero todo ano, apartamento de 1 mi e McDonalds mais caro do mundo toda semana.
    Mantendo o ciclo.
    Falando pra quem questiona: “e daí, o dinheiro é meu” ….kkkkkk…

    Quando ouço, ouvir àquele sonoro grito: “nossos governantes colocam impostos demais, daí, detona” ….kkkkk…

    São tudo farinha do mesmo saco, cidadão comum e político, corruptos e não se enxergam.

  • Alex Consan

    Essa desgraça de partido chamado PT enganou todo mundo… Desciam o pau sobre a carga tributária e a agora nem falam nisso…

    Quando Lula morrer o PT morre! E vai pros quintos dos inferno! Logo!

    Virei reacionário, nessa desgraça!

  • Leandro Cavalheiro

    Excelente esta matéria!!

  • https://plus.google.com/u/0/102668525966039273757/posts Dorival leme de Assis

    Difícil opinar : como cobrar algo de um pais ,Onde o povo é considerado como “cordeirinhos “! que são degolados pelo insumo dos tributos públicos, Onde a Categoria de Professores tem um salario de fome,, e os assassinos de crianças ( os políticos corruptos) aprovam seus salários na calada da noite sem se importar se os cordeirinhos irão berrar ou não,,onde nossas empresas não conseguem compettir com as multinacionais ,pois não existem politicas de investimentos em tecnologias internas no nosso próprio Pais , mas quando uma multinacional pede isenção de impostos os nossos assassinos(políticos corruptos) logo correm para aprovar as sanções do imposto para empresas de fora ,para devorarem nossos recursos naturais, “Eu disse Nossos Recursos “,
    mas como somos covardes (digo) cordeirinhos não vamos berrar pelos nossos Direitos,,e tudo vai continuar Assim nas mãos dos ASSASSINOS,,Políticos que Roubam os Recursos dos Investimentos em Educação, fica a Pergunta: somos Gigantes em Que ?

  • roger

    A maioria dos nossos políticos , não valem o feijão que comem , a corrupção está em seus DNAs , VAMOS POVO BRASILEIRO, PROTESTAR .

  • carla

    Enfim o Brasil acordou…
    Vamos continuar protestando todos os dias..
    O negocio era protestar ate esse governo cair e colocar gente qualificada para gerenciar nosso País … Parar consumir coisas desnecessarias e com custo muito elevado, aprender a poupar..
    Temos que ir as ruas com cartazes de mais investimentos em diversas areas …
    Somente. assim. vamos diminuir. a inflação. e os imposto. do nosso Brasil.
    Isso não dependende somente dos politicos e sim de cada um de nos..

    VAMOS QUE A RUA E A MAIO ARQUIBANCADA DO BRASIL…

  • http://www.fabiano-silva.com Fabiano Silva

    Excelente texto, muito claro e com ótimas analogias, vou compartilhar.

  • Marco Túlio Pereira

    Os preços são caros no Brasil porque o povo é quem ganha mal e muito. Uns podem comer isso, comprar aquilo…e assim vai. 99% do povo brasileiro, já não tem o mesmo poder de compra que a minoria daí, esta resposta básica e fácil de entende: O POVO É QUEM GANHA MUITO MAL.

  • Manuel Costa

    …A história repete-se, e ninguém será capaz de parar para pensar um pouco, e aprender com os erros dos outros. O Brasil é um País imenso, difícil de gerir e por isso mesmo, tudo de bom e de mal acontece em grande escala. Sou Português e esse filme eu já conheço. Na minha modesta análise concluo que os erros são os mesmos que os nossos, com a agravante de serem em maior escala. Uma vez me disseram que o Brasil seria o País do futuro, e eu concordei. Agora não tenho tanta certeza assim. O crédito ao consumo, jorra dos bancos por todo o lado. A especulação imobiliária é de tal ordem, que dá para assustar. Carros zero km circulam como formigas por estradas que não existem. As pessoas deixam de ser felizes, a economia mundial está em recessão, o Brasil crescia 4, 5 ,6 ou 7% ao ano, mas com as dificuldades dos países importadores, as exportações vão cair e o crescimento também. Acalmem-se os ânimos e coloquemos os pés em terra !…Não quero ser um profeta da desgraça, e quero continuar a acreditar naquilo que um dia me disseram um dia: “Que o Brasil seria o País do futuro…”

  • Nora

    Nossa, parabéns ! Um primor de reportagem, realmente um trabalho perfeito. E a versão em inglês veio a calhar. Continuem com esse excelente trabalho.

  • Maicon

    Realmente a matéria é digna de prêmios.
    Para quem gostou, sugiro ler o Livro indicado pelo autor “CRASH”, que segue a mesma linha de escrita leve e envolvente sobre economia.
    E também um livro chamado “PRIVATIZE JÁ”. Este é mais voltado para os problemas do nosso pais, onde explica porque nossos governos não tem incentivos para investir no Brasil.

  • Walace

    Só tem uma palavra pra definir essa matéria. Espetacular. Quanta informação ÚTIL e imparcial. Isso é noticia sem patrocínio é informação de verdade.
    PARABÉNS

  • Pingback: Como funciona o manicômio tributário brasileiro? | PapodeHomem()

  • Pingback: Banca eletrônica da Suécia imprime revistas e jornais sob()

  • areta simony

    ola! gostaria de saber porque o asfalto e tao caro na verdade ele e um derivado do petroleo blz mas porque tanta briga pra asfalta uma cidade ou um bairro.

  • http://www.descontonetshoes.net Angelo

    Ótimo texto…

  • http://www.cupom-e-desconto.com Adriana

    ótima matéria…

  • Bruno

    País da corrupição é esse tal do Brasil. Enquanto a infraestrutura atrasada um monte de sem vergonha que o povo mais leigo ainda coloca no poder para tirar milhões dos cofres públicos para fazer arregalias.

  • http://descontosport.com Desconto Netshoes

    Muito boa a materia. parabens

  • Mairon

    Há no Brasil um conformismo cultural,uma apatia intrínseca,que faz essa situação se perpetuar,sei que houve manifestações participei delas aqui onde moro,mas os ânimos e os ritmos dos protestos que antes eram nacionais já se arrefeceram parte desse comportamento de aceitação de alguns absurdos é falta de informação,a ignorância é uma benção,mas pros vícios que impregnam nosso sistema,ano que vêm há eleições,quantos dos candidatos realmente se comprometeriam a mudar essa situação? Se a maioria só levanta a bunda da cama pra votar por que é obrigado até pra exercer nossa civilidade o brasileiro é obrigado,boa parte dos “nossos representantes” fazem alianças espúrias com setores e lobistas para garantir o poder,queria que houvesse novamente protestos em todo o país,com mais veemência a respeitos dessa situação reforma tributária,aumento na fiscalização e penas duras e efetivas para crimes de corrupção pra que a elite acorde e perceba que até no sistema capitalista há limites se não ficar insuportável,temos que acordar o gigante de novo.

  • wilson anjos

    oi,gostaria de saber se nós brasileiros podemos comprar um carro no chile e vir dirigindo ele para o brasil e legalizar o carro no brasil sera que vou pagar muito imposto na alfandega aqui no brasil…..

    atenciosamente:
    wilson

  • Lucas Rocha Ribeiro

    A íntegra desta reportagem virou um mini e-book, à venda na Amazon por R$ 2,25

    A editora abril fazendo jus ao “custo Brasil”, há pouco tempo atras a reportagem estava disponível gratuitamente na integra… agora resolveram cobrar sem justificativa.

  • https://www.facebook.com/ ana clara

    por que acomtece de ter taxa dos produtos emportados

  • http://descontosport.com/cupom-de-desconto-netshoes/ Cupom de desconto Netshoes

    Muito bom a materia, adoro ler a revista.

  • http://descontosport.com/cupom-de-desconto-netshoes/ Cupom de desconto Netshoes

    Muito bom, como sempre super interessante.

  • Afonso

    Gostaria de Saber onde compro o “halbHähnchen” por R$ 9,50 na Alemanha? nem em buteco, em Munique o mais barato é 8,00 euros, e o prato é com salada de batata(maionese) e não fritas, E Aqui no RS o meio frango custa R$ 10,00 com pão e salada.

  • http://descontosport.com/cupom-de-desconto-netshoes/ desconto Netshoes

    Excelete artigo, nunca canso de ler a super interessante.

  • Marcelo

    Tenho pena de quem não percebeu ainda q a culpa de todos os problemas econômicos é do Estado.
    Quem acha q o governo está fazendo muito bem para a sociedade com seus programas assistencialistas, como por exemplo o bolsa família, está pensando de forma burra. O Estado se intromete demais na economia do Brasil e acaba gerando um monte de impostos q não dão retorno em qualidade de vida e de serviços públicos. O pior é q para o Estado levar a sério o nosso dinheiro é muito difícil. Seria bem melhor se n tivesse tantos impostos, pois assim o brasileiro teria mais dinheiro para comprar o q quiser das empresas privadas,, q oferecem inúmeros produtos de qualidade à preços diferentes e acessíveis a cada um(acessíveis principalmente se não ocorrer intervenção estatal na economia como ocorre hj no Brasil).
    Menos impostos = Mais dinheiro sobrando para cada pessoa gastar com o q quiser = Mais empresas privadas = Mais empregos = Mais competitividade = Produtos e serviços de melhor qualidade = Variedade de produtos e preços = MELHOR QUALIDADE DE VIDA

  • sebastiao di paula

    Reforma Tributária? Como? temos a maior parte de nossos políticos analfabetos e míopes, não enxergando um palmo à sua volta, pois com ela (RT) o país resolveria uma grande parte dos problemas que nos aflige, pois parte desse arrecadação desenfreada seria podada e pelo menos daria para se planejar melhor.

  • Marcos Alberto

    Isso acontece porque os nossos “governantes” são iguais aqueles país, que paga pinga pra todo mundo no bar, mas não leva o pão dos filhos pra casa. Outra coisa também é o povo que é omisso. Reclamam mas não tomam atitudes. Tem uns aqui nos comentários, que fala de sair do país. Que tem de sair são os políticos, que não resolvem nada só roubam e exploram a sociedade brasileira. O exemplo do frango com fritas na Alemanha ser 9,50 reais e aqui no Brasil custar 20 reais. E nós é que fornecemos esse frango para os alemães. E outra coisa quando você pegar o cupom fiscal do caixa, o imposto que você paga desses 20 reais é de 7 reais. Vocês tem saúde, transporte de qualidade, segurança e educação? Não!!! Então parem de votar? Não é só sair as ruas como em junho de 2013. Temos que parar o país e arrancar os políticos de lá. Essa reportagem da é muita revolta. E o Brasil é nosso não é do congresso nem dos políticos de Brasília. Quando tem sujeira dentro de casa agente não foge para outro país não. Agente faz é faxina, entenderam povo acomodado. Os ladrões que a Interpol procura lá fora alguns são deputados aqui no Brasil. É por isso que nós brasileiros pagamos tudo mais caro aqui no Brasil, porque só votamos em ladrões.

  • Roberto Ataliba

    Isso acontece porque os nossos “governantes” são iguais aqueles país, que paga pinga pra todo mundo no bar, mas não leva o pão dos filhos pra casa. Outra coisa também é o povo que é omisso. Reclamam mas não tomam atitudes. Tem uns aqui nos comentários, que fala de sair do país. Que tem de sair são os políticos, que não resolvem nada só roubam e exploram a sociedade brasileira. O exemplo do frango com fritas na Alemanha ser 9,50 reais e aqui no Brasil custar 20 reais. E nós é que fornecemos esse frango para os alemães. E outra coisa quando você pegar o cupom fiscal do caixa, o imposto que você paga desses 20 reais é de 7 reais. Vocês tem saúde, transporte de qualidade, segurança e educação? Não!!! Então parem de votar? Não é só sair as ruas como em junho de 2013. Temos que parar o país e arrancar os políticos de lá. Essa reportagem da é muita revolta. E o Brasil é nosso não é do congresso nem dos políticos de Brasília. Quando tem sujeira dentro de casa agente não foge para outro país não. Agente faz é faxina, entenderam povo acomodado. Os ladrões que a Interpol procura lá fora alguns são deputados aqui no Brasil. É por isso que nós brasileiros pagamos tudo mais caro aqui no Brasil, porque só votamos em ladrões.

  • carla moreira

    moro na Alemanha há seis anos e se pudesse voltaria a viver no Brasil. Nao há país no mundo que se compare a nossa beleza, música, clima, comida, expontaneidade, etc. Só nos damos conta disto tudo quando vivemos fora. Acredito que se tivessemos educacao desde berco como aqui, cuidaríamos melhor de nós mesmos e de nosso país. Nada aqui onde moro cai do céu. Aqui todos lutam dia a dia para fazer do país um lugar bom para se viver. Se continuarmos a pensar que jeitinhos, nao saber exigir seus direitos, jogar lixo no chao, nao respeitar o outro, etc. é o correto, nunca teremos um país melhor. Fico torcendo sempre daqui pelo Brasil e por todos nós.

  • http://diogocobucci@gmail.com Diogo C F

    vale ressaltar que um mini e-book em paris está custando 1,75 e vem com uma foto da Torre Eiffel.

  • Kristen

    Como é bom ler uma seção de comentários onde 90% são considerações que só acrescentam ao texto, sem agressões, sem (muita) discussão PT x PSDB. Ainda há esperança para o Brasil.
    Mas o principal é o que muita gente já escreveu, a gente se sente impotente para mudar as coisas, o problema foi identificado mas o cidadão sozinho não sabe o que fazer para virar esse jogo.

  • Alex

    Título da matéria: “Por que tudo custa tão caro no Brasil”.
    Rodapé da matéria: “A íntegra desta reportagem virou um mini e-book, à venda na Amazon por R$ 2,25:”
    Pronto, está aí! Temos a nossa resposta…

  • Juliano Rondinelli

    Além de tudo aqui ser tão caro, tudo aqui é resto, brasileiro só pega resto e acha que pega coisa boa. Quem conhece luxo, conforto e coisa boa são as pessoas que viajam pra fora dessa favela porque aqui a única coisa que tem para o povo é resto e um resto muito caro!

  • Neusa Andrade

    parabéns pela informação, o texto sobre economia muito bom.