Descubra como o Brasil conquistou sua primeira medalha de ouro em uma Olimpíada

Por Atualizado em 30/07/2012

Aconteceu em 1920. Os Jogos Olímpicos, realizados desde 1896, aconteceriam em Antuérpia, na Bélgica. Pela primeira vez, o Brasil competiria em uma Olimpíada, com 29 atletas disputando em cinco modalidades: remo, tiro, polo aquático, salto ornamental e natação. Entre os competidores, nenhuma mulher (a primeira atleta, a nadadora Maria Lenk, só participaria dos jogos em 1932).

O Comitê Olímpico Brasileiro, fundado em 1914, ainda não funcionava de maneira independente e quem tomou a frente na hora de organizar a logística da participação do Brasil nos jogos foi a Confederação Brasileira dos Desportos (CBD).

A bordo, 27 (longos) dias até a Bélgica

Para levar os brasileiros até o outro lado do Atlântico, a CBD enfiou os 29 atletas no navio Curvello, do governo federal. Chegando a Lisboa, a equipe do tiro – com medo de que o navio não chegasse a tempo à Bélgica – decidiu dar uma fugidinha e pegar carona em um trem. Mal sabiam eles que teriam até que viajar em um vagão descoberto, embaixo de chuva, entre a França e a Antuérpia. Mas a valeu a pena. Depois de 27 dias desde a saída do Brasil, os caras chegaram a tempo e levaram três medalhas para casa: uma de ouro, uma de prata e uma de bronze.

É ouro!

O autor do feito foi Guilherme Paraense, do tiro. O atleta competia com um revólver Colt 38, tipo cavalinho, emprestado pela delegação americana. Isso por que, durante os treinos, um vendaval encheu de areia as armas brasileiras e as deixou inutilizáveis. Os norte-americanos, então, emprestaram aos nossos atletas suas armas mais antigas. Mal sabiam eles que uma dessas armas daria a vitória a um brasileiro, deixando-os com a medalha de prata.

Nosso primeiro ouro veio em 4 de agosto. Guilherme Paraense e o norte-americano Raymond Bracken estavam empatados. Havia apenas mais um tiro. Ordem dada e os 38 atletas dispararam o gatilho. Guilherme acertou na mosca; Bracken, não. Resultado: dos 300 pontos possíveis, Guilherme Paraense fechou a competição com 274 e Bracken, com 272. Pela primeira vez na História das Olimpíadas, um brasileiro subiu ao posto mais alto do pódio.

Gostou de conhecer a História de nosso primeiro herói Olímpico? Na próxima quinta-feira, o História sem fim vai publicar uma lista com sete atletas brasileiros que marcaram a História das Olimpíadas: você arrisca algum palpite de quem vai marcar presença?

Fonte: O Guia dos Curiosos – Jogos Olímpicos, de Marcelo Duarte (Panda Books)

Related posts:

  1. A primeira mulher a assistir aos Jogos Olímpicos foi condenada à morte
  • Carlos Alberto

    Procurando direito saberá que não foi emprestado arma nenhuma. Um atirador nunca conseguiria se adaptar a outra arma que não seja a dele em um dia. A história que a arma foi emprestada é pura mentira Imperialista Americana. Procure os fatos.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100003406445889 Sasho

    Sempre e9 bom ter opnif5es diferentes, mas se for parar pra penasr, esse jogo foi feito apenas para perder tempo tentando salvar e perder no final, mais mesmo assim, valeu pelo comente1rio :)

  • Dani

    PAraense foi ouro depois de 27 dias de viagem e com uma arma velha emprestada. E hoje em dia temos que aturar atletas tratados a pão-de-ló arrumando as deculpas mais esfarrapadas para a amarelice crônica da delegação brasileira. A família da Maria Portela culpou até mesmo o público que foi assistir ao judô.