Blogs

Biomimética: a indústria sustentável imita a natureza

Thays Prado 19 de julho de 2010


“Imagine 3,8 bilhões de anos de brilhantismo em design disponíveis, de graça para qualquer inovador sustentável no mundo”. É nisso que aposta a fundadora do Instituto de Biomimética, Janine Benyus.

Em sua instituição sem fins lucrativos, ela reúne designers, arquitetos, engenheiros e cientistas interessados em conhecer a fundo as formas e funções criadas pela natureza e imitá-las no processo industrial para o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis.

A natureza já inspira as soluções encontradas pelos seres humanos há bastante tempo. O exemplo mais conhecido é a invenção do velcro com base no funcionamento dos carrapichos, aquelas sementinhas espinhosas que possuem farpas e costumam grudam nas roupas. Em 1941, o engenheiro suíço George de Mestral deu especial atenção a elas, pois viviam presas ao pelo de seu cachorro. Quando as observou ao microscópio, ele notou a estrutura das garras e imitou a estrutura na criação do velcro.

Mas as inovações foram muito além disso e têm se voltado cada vez mais para a sustentabilidade. Estava nas barbatanas das baleias a resposta para turbinas eólicas 20% mais eficientes e muito menos barulhentas, como descobriu a companhia de turbinas Whalepower, baseada em Toronto.

O aproveitamento da energia das marés se tornou mais eficaz quando a bioStream reproduziu o padrão dos movimentos de peixes como o atum e o tubarão. Apesar de presos ao fundo do oceano, os equipamentos giram com o movimento das marés e produzem eletricidade. Seu formato hidrodinâmico, também inspirado nos peixes, evita que o material sofra com as condições adversas do fundo do mar.

O edifício Eastgate, no Zimbábue, tem a mesma estrutura de ventilação dos cupins e, apesar de a temperatura fora dele variar dos 42ºC durante o dia para os 3ºC à noite, em seu interior, ela se mantém estável, variando em apenas um grau ao longo de um dia. A construção utiliza 90% menos energia no sistema de ventilação em relação aos edifícios tradicionais e já economizou R$3,5 milhões de dólares em custos com ar condicionado.

Até os pulmões humanos têm sido alvo de estudos para o desenvolvimento de equipamentos que sequestram carbono e previnem contra o aquecimento global. A companhia Carbozyme Inc. desenvolveu um filtro que possui as mesmas características da membrana dos pulmões e consegue remover mais de 90% do CO2 que passa pelas chaminés de fábricas. Uma outra tecnologia baseada em uma enzima carbônica encontrada em moluscos têm transformado gás carbônico em pedra calcária, que pode ser utilizada na construção civil.

Há dois anos, o Instituto de Biomimética criou uma comunidade online colaborativa conhecida como AskNature (Pergunte à Natureza), que reúne pesquisadores interessados em trocar informações sobre o assunto. As invenções não vão parar por aqui.

Fotos: Instituto de Biomimética;
              chaminé: Irmo Celso.

via Inhabitat

Siga o Planeta Sustentável:

Comentários

Myra disse:

We are a group of volunteers and opening a new scheme in our community. Your website offered us with valuable info to work on. You’ve done a formidable job and our whole community will be thankful to you.

Shelia disse:

Wonderful goods from you, man. I’ve understand your stuff previous to and you are just too excellent. I really like what you have acquired here, certainly like what you’re saying and the way in which you say it. You make it entertaining and you still take care of to keep it sensible. I can’t wait to read far more from you. This is really a great web site.

Evangeline disse:

Definitely believe that which you said. Your favorite reason seemed to be on the net the simplest thing to be aware of. I say to you, I certainly get annoyed while people think about worries that they just don’t know about. You managed to hit the nail upon the top and defined out the whole thing without having side effect , people can take a signal. Will likely be back to get more. Thanks

Imogen disse:

hey there and thank you for your info – I have definitely picked up anything new from right here. I did however expertise a few technical issues using this website, since I experienced to reload the web site many times previous to I could get it to load properly. I had been wondering if your hosting is OK? Not that I’m complaining, but slow loading instances times will often affect your placement in google and can damage your high quality score if ads and marketing with Adwords. Well I am adding this RSS to my email and can look out for a lot more of your respective fascinating content. Make sure you update this again soon..

Evangeline disse:

This is very interesting, You are a very skilled blogger. I have joined your rss feed and look forward to seeking more of your great post. Also, I have shared your site in my social networks!

Shelia disse:

This is really interesting, You’re a very skilled blogger. I have joined your rss feed and look forward to seeking more of your wonderful post. Also, I have shared your site in my social networks!

Myra disse:

I can see that you are an expert in this area. I am launching a website soon, and your information will be very useful for me.. Thanks for all your help and wishing you all the success in your business.

Imogen disse:

Hi! I’m thankful for the helpful info. Do I have your permission to quote parts of your post in mine? Thanks!

Imogen disse:

Hello There. I found your blog using msn. This is a very well written article. I’ll be sure to bookmark it and come back to read more of your useful info. Thanks for the post. I’ll definitely comeback.

Phyllis disse:

Hello There. I found your blog using msn. This is a very well written article. I will make sure to bookmark it and come back to read more of your useful info. Thanks for the post. I’ll definitely return.

Thays Prado disse:

Obrigada, Marllon, o texto já foi corrigido. Abraços :)

MarllonGama disse:

Ótima mátéria, realmente superinteressante… pricipalmente a um estudante de Engenharia Ambiental!
Apenas uma pequena correção… Na parte sobre energia das marés seria formato hidrodinâmico e não aerodinâmico como foi dito.
No mais, fez jus à revista
Abs

Deixe um comentário