Blogs

Posts da categoria ‘Nenhuma Categoria’


Site mostra as buscas mais bizarras -e comprometedoras- do Facebook

23 de janeiro de 2013


Como você deve saber, na semana passada o Facebook apresentou o Graph Search: um novo mecanismo de busca, que permite fazer pesquisas de acordo com os interesses dos seus amigos (dá para descobrir quem gosta de determinada banda ou ver quais restaurantes eles curtem, por exemplo). Ele ainda não está disponível no Brasil. Ainda bem. Porque um novo site, o Actual Facebook Graph Searches, mostra que o novo sistema pode representar um problema. Trata-se de um tumblr que compila as buscas mais engraçadas -e mais perigosas também- que podem ser feitas com o Graph Search. “Homens casados que curtem Ashley Madison” [site de adultério], “Mulheres solteiras que curtem ficar bêbadas”, ou “Parentes de chineses que curtem o Falun Gong” [grupo reprimido pelo governo].

O site é uma brincadeira, mas as buscas são reais – e o risco também. O Graph Search permitirá visualizar e associar, como nunca antes, os dados que as pessoas colocam no Facebook. E, por isso, poderá ter o poder de destruir relacionamentos, levar alguém a perder o emprego, ajudar governos a perseguir dissidentes – ou simplesmente fazer uma pessoa passar vergonha por alguma bobagem que ela nem lembra ter postado. Agora pode ser um bom momento para entrar nas Configurações de Privacidade do seu Facebook e ver se está tudo em ordem, checar quem tem acesso ao quê. Porque quando o Graph Search estiver no ar, tudo será diferente.


Megaupload promete voltar amanhã – com 50 GB de espaço grátis e tecnologia anti-FBI

18 de janeiro de 2013


“A verdade virá à tona”. “Nós prometemos, nós cumprimos”. Essas frases meio ameaçadoras e um relógio em contagem regressiva anunciam a volta do site de compartilhamento de arquivos Megaupload, que é acusado de facilitar a pirataria e foi fechado pelo FBI no dia 19 de janeiro de 2012. O novo Megaupload irá se chamar MEGA, e tem lançamento prometido para este sábado – exatamente um ano após a ação do FBI, que além de acabar com o site prendeu seu criador, o folclórico Kim “Dotcom” Schmitz.

O MEGA dará 50 gigabytes de espaço gratuito para cada usuário (muito mais do que os 2 GB oferecidos pelo Dropbox ou os 5 GB do Google Drive), e empregará um truque para tentar evitar problemas judiciais. Quando o usuário enviar um arquivo para o site, ele será criptografado já durante a transmissão - e chegará codificado aos servidores do MEGA, que não terá como saber qual é o conteúdo do arquivo e se ele é pirata ou não. E, portanto, não poderá ser responsabilizado por eventuais violações de direitos autorais. Como tudo é criptografado, em tese nem as autoridades teriam como saber o que está armazenado no MEGA – que rodará em servidores espalhados ao redor do mundo (qualquer pessoa poderá ter um).

É uma tática inteligente e arriscada, que certamente vai enfurecer a indústria do entretenimento e pode agravar a situação judicial de Schmitz. Mas também pode inaugurar uma nova era no compartilhamento de arquivos na internet. Veremos.


Dell vai lançar computador de bolso com Android – por apenas US$ 50

16 de janeiro de 2013


O computador, cujo nome provisório é “Project Ophelia”, tem o tamanho de um pendrive e funciona mais ou menos como um. Basta conectá-lo a um monitor e ele começa a funcionar, rodando o sistema operacional Android e todos os seus aplicativos, inclusive editores de texto e planilhas online como o Google Docs. O minicomputador se comunica com um teclado e um mouse sem fios, via Bluetooth, e a internet vem por Wi-Fi. Ao terminar, você simplesmente despluga o aparelho, guarda no bolso, e os seus dados ficam armazenados na “nuvem”. A ideia tem lá seus poréns -o monitor precisa ter entrada USB ou MHL, o que ainda não é tão comum, e não se encontram teclado e mouse Bluetooth em qualquer lugar por aí-, mas é boa.

Principalmente considerando que o Ophelia, cujo lançamento está prometido para o primeiro semestre, deverá custar apenas US$ 50. Ele não substitui plenamente nada do que existe hoje -desktops, laptops, tablets, smartphones-, mas pode ser bem interessante em determinados cenários (em vez de ter um computador em casa e outro no trabalho, por exemplo, você poderia ter apenas dois jogos de monitor, teclado e mouse).

 


Instagram perde mais da metade dos usuários em um mês

15 de janeiro de 2013


Em dezembro, o Instagram alterou seu contrato de uso, dando a si mesmo o direito de usar e vender as fotos dos usuários. Não era bem isso, e os donos do serviço logo se retrataram. Mas o assunto causou enorme alvoroço - ninguém queria ver as próprias fotos usadas, sem aviso nem permissão, em propagandas na internet. E, agora, o Instagram está pagando o preço da polêmica: perdeu mais da metade dos usuários. O número de pessoas que utilizam o serviço diariamente caiu de 16,3 milhões em dezembro para 7,6 milhões em janeiro.

É um golpe duro, mas não necessariamente mortal. O número de usuários casuais, que entram no aplicativo ao menos uma vez por mês, subiu de 41 para 46 milhões nesse mesmo período. Isso pode ser um influxo de gente nova (e menos viciada no app), ou uma diminuição na assiduidade dos usuários que já estavam nele. Seja como for, o Instagram ainda tem fôlego. Mas seus donos devem estar realmente arrependidos do que fizeram.


Novo filme vai contar a história do site Pirate Bay; veja o trailer

14 de janeiro de 2013

Eles passaram os últimos anos desafiando a lei. Se mudaram para um abrigo nuclear e até tentaram criar uma internet paralela, mas no final acabaram condenados na Justiça - que, apesar disso, não conseguiu tirá-los do ar. A história do site The Pirate Bay e seus criadores está cheia de lances e reviravoltas emocionantes, e também levanta uma boa discussão sobre a força da internet: que foi criada para ser imune à todo tipo de censura ou tentativa de controle e, no caso do Pirate Bay, está resistindo. Agora, tudo isso vai virar filme. The Pirate Bay – Away From Keyboard, um documentário que está sendo produzido na Suécia (com o apoio dos criadores do TPB) e acaba de ter o primeiro trailer divulgado. Parece bom.