Re:Bit Re:Bit

Por Atualizado em 15/07/2011

A rede se chama Tulalip (nome provisório e incompreensível) e apareceu ontem, quando alguém da Microsoft acidentalmente (?) colocou a home page do serviço no ar. A página logo foi deletada – se você tentar acessá-la agora, verá apenas uma mensagem dizendo tratar-se de um projeto interno da Microsoft Research, divisão de pesquisas experimentais da empresa. A Tulalip é uma rede social nos moldes clássicos, com perfis e tudo mais, e duas grandes diferenças. Você não precisa se cadastrar – basta se logar com uma conta do Twitter ou do Facebook -, e a nova rede incorpora todo o conteúdo desses outros serviços (você vê todos os posts dos seus amigos no Twitter e no Facebook, podendo interagir normalmente com eles).

Ou seja: mais do que uma rede social, a Tulalip funcionaria como agregador social – algo que reúne e organiza todas as suas interações com outras pessoas na internet. É uma ideia genial, que faz o Google+ parecer bobo e ultrapassado. Tomara que o serviço seja lançado logo.

Por Atualizado em 13/07/2011


O americano Barry Ardolf, 46, fez uma coisa meio comum hoje em dia: invadiu a conexão Wi-Fi dos seus vizinhos. Mas não se contentou em usar a internet alheia para navegar e baixar. Barry usou a conexão para criar um perfil falso no MySpace, que supostamente pertencia a seu vizinho Matt. Aí, ele colocou fotos de pedofilia no perfil – e enviou essas imagens para os colegas do pobre Matt. Como se isso não bastasse, começou a mandar e-mails ameaçando vários políticos de morte, tudo como se fosse obra do vizinho.  Até que o FBI apareceu, descobriu tudo e prendeu Barry, que acaba de ser condenado a 18 anos de prisão.

Ele decidiu começar toda a campanha de difamação depois que o vizinho Matt o acusou de pedofillia (Barry teria dado um selinho na boca do filho dele). Que história, hein? E antes que você pergunte, a rede do vizinho estava sim protegida com senha. Só que ela era do tipo WEP, bem fraca e fácil de quebrar. Se você tem rede Wi-Fi em casa, é essencial configurá-la para que use senha do padrão WPA (consulte o manual do roteador para saber como).

Por Atualizado em 12/07/2011


Segundo uma estimativa não-oficial, a rede social do Google deve chegar a 10 milhões de usuários hoje. Uma migalha perto do Facebook e seus 750 milhões, mas que assinala um ritmo de crescimento acelerado – só nos últimos dois dias, o serviço teria recebido 3 milhões de pessoas, numa onda movida pela flexibilização do acesso (desde sábado, grande parte dos usuários ganhou permissão para convidar amigos). É apenas uma modinha, ou o começo de uma mudança capaz de abalar o Facebook? Até onde o Google+ pode chegar?

Por Atualizado em 11/07/2011


Quem diria. Neste final de semana, parte dos servidores que hospedam a rede social Google+ ficou sem espaço em disco, provocando um bug no serviço (que por causa disso enviou várias vezes as mesmas mensagens de notificação para alguns usuários). Falhas acontecem. Mas acabar o espaço em disco? Em se tratando do Google, que é o rei do cloud computing e vive
se vangloriando de ter data centers gigantescos, é meio embaraçoso.

Por Atualizado em 08/07/2011


Os e-mails enviados por meio do serviço MobileMe, da Apple, são censurados pela empresa – que bloqueia silenciosamente mensagens de teor político. É a constatação do site Cult of Mac, que tentou enviar um e-mail contendo a frase “os governos autoritários da Síria, da Grécia, da Arábia Saudita e do Iêmen massacram seus cidadãos”. No teste, que foi repetido três vezes, a mensagem era sempre bloqueada pelo MobileMe (já quando ela era enviada pelo Mail, o programa de e-mail do Mac OS X, não havia qualquer problema). A Apple diz que não pratica censura política, e que o caso se deve a uma falha nos filtros antispam do MobileMe – serviço que, aliás, é parte central do esperadíssimo iCloud. Tomara que seja verdade.