Supernovas

O bronzeador injetável

Nada de sol, queimaduras ou cremes melequentos. Basta uma injeção - e o seu corpo começa a mudar de cor, deixando a pele bronzeada por até 60 dias.

por Patrícia Machado

Esqueça as horas torrando na praia, os cremes autobronzeadores ou as sessões de bronzeamento artificial. A nova solução para pegar uma corzinha é outra: o bronzeador injetável. O produto, que se chama Scenesse e foi criado pela empresa americana Clinuvel, acaba de ser aprovado pela última fase de testes clínicos e deve chegar ao mercado este ano. Ele foi desenvolvido para tratar vítimas de porfiria (doença de base genética que provoca hipersensibilidade ao sol) e estimula a produção de melanina, substância que dá o aspecto bronzeado à pele. Inicialmente, o Scenesse só será vendido como medicamento para o tratamento da doença, mas seu uso estético já tem despertado interesse na comunidade médica, pois os efeitos colaterais são brandos (náuseas e dor de cabeça passageira após a aplicação). "Quem tem porfiria terá mais qualidade de vida. Já os indivíduos de pele saudável passarão por um bronzeamento", explica Valcinir Bedin, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Estética. A injeção é aplicada na região do quadril (área escolhida por conter mais gordura, o que torna a picada menos dolorosa) e o princípio ativo do remédio começa a agir. Após 48 horas, a pele de todo o corpo já está visivelmente escurecida, num efeito que dura dois meses. O medicamento consegue fazer isso porque contém uma substância chamada afamelanotide, versão sintética do hormônio que estimula a produção de melanina no organismo. A pele fica naturalmente morena, como se a pessoa tivesse tomado sol (sem o aspecto alaranjado dos cremes bronzeadores).

publicidade

anuncie

Super 335 - O perigo do glúten Ele está em tudo que você gosta, age sobre o seu cérebro e pode ser a causa da epidemia global de obesidade. Afinal, glúten faz mal mesmo? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 335
julho/2014

O perigo do glúten
Ele está em tudo que você gosta, age sobre o seu cérebro e pode ser a causa da epidemia global de obesidade. Afinal, glúten faz mal mesmo?

- sumário da edição 335
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ciência

publicidade

anuncie