GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Cientistas transformam lixo nuclear em superbateria de diamante

Imagine uma bateria que leva mais de 6 mil anos para acabar. Pesquisadores da Inglaterra querem fazer isso limpando lixo radioativo.

Cientistas provavelmente passam mais tempo se perguntando porque as baterias não duram mais do que o que vamos fazer com todo o lixo radioativo produzido por usinas nucleares. Mas um grupo de pesquisadores da Universidade de Bristol acha que pode ajudar a solucionar os dois problemas de uma vez.

Os cientistas desenvolveram um diamante sintético que é capaz de criar pequenas correntes de eletricidade simplesmente por estar próxima de uma fonte de radiação.

Para provar que o material funciona, eles usaram um isótopo instável de níquel – mas eles tem ideias bastante ambiciosas de onde encontrar outros materiais radioativos.

Uma das opções mais atraentes é o enorme estoque de carbono-14 que a Inglaterra, onde fica a Universidade, tem armazenada. Isso porque as plantas de energia nuclear do país usavam blocos de grafite como moderadores de reatores nucleares. O problema é que esse material também se torna reativo, pelo menos na superfície – e a Inglaterra acabou com 95 mil toneladas de grafite que precisa ser monitorado para não contaminar o ambiente.

Os cientistas pretendem incorporar esse mesmo carbono-14 dentro dos diamantes “elétricos”. Assim, reaproveitam lixo nuclear como fonte de radiação e geram energia, enquanto o diamante também funciona como proteção contra vazamento de radiação.

“O carbono-14 foi escolhido como matéria prima porque ele emite radiação de curto alcance. É perigosa se entrar em contato com a pele ou for ingerida, mas se ela foi contida com segurança no diamante, nenhuma radiação escapa”, afirmou Neil Fox, um dos pesquisadores, em um comunicado à imprensa.

A superbateria de diamante tem uma corrente elétrica baixa e uma capacidade menor que uma pilha AA, por exemplo, que é capaz de prover 700 joules por grama, e vem com 20 gramas. O problema é que, 24 horas depois, com uso contínuo, a pilha acaba.
Já o diamante tem energia pelo tempo que durar a radiação dentro dele. No caso do carbono-14, uma grama, segundo os cientistas, consegue prover 15 joules ao dia – todos os dias, rigorosamente, por 5.730 anos, que é a meia vida dele. Quase 6 milênios depois, então, o medidor de bateria mostraria “50%”, dizem os cientistas.

Se a bateria de diamante não pode, atualmente, prover energia para abastecer eletrodomésticos, os cientistas creem que ela pode se tornar uma alternativa para marca-passos, por exemplo, que têm baixo consumo de energia e precisam de baterias duráveis.

A longo prazo, os pesquisadores esperam desenvolver a tecnologia para satélites, drones de grande altitude e até naves espaciais, equipamentos bem mais inconvenientes de carregar do que os nossos smartphones.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Hélio Ferreira Côrtes

    Diz a reportagem que “uma grama” de carbono-14 consegue prover 15 joules ao dia”. A primeira dificuldade é descobrir que associação existe entre o carbono-14 e a grama. A segunda seria calcular o custo de produção da erva, uma vez que seria necessário plantar uma quantidade enorme de graminácea para suprir a demanda mundial de energia. Grande parte das terras cultiváveis são usadas para a produção de outras culturas. Hehehe…

    Curtir