GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como fica o cérebro de quem está com a cabeça nas nuvens

Quem sonha acordado não perde controle sobre os próprios pensamentos – a rede de controle do cérebro continua ativa durante os devaneios

Você está tranquilo na janela do ônibus quando sua música favorita começa a tocar nos fones de ouvido. Não dá outra: a paisagem vira um clipe digno da década de 80, e aviões pendurados em baleias como este aí em cima começam a cruzar os céus em meio aos prédios. Aí, claro, você perde o ponto e vai parar do outro lado da cidade. Ou tropeça em alguém. Ou só esquece do relatório que tem para entregar no dia seguinte.

Por causa dessas e outras, ser um distraído com propensão a viajar na maionese nunca foi considerado uma virtude – nem por mães, nem por patrões em entrevistas de emprego. Agora, a redenção chegou. Pesquisadores do Instituto Max Plank, na Alemanha, conseguiram usar máquinas de ressonância magnética para acompanhar ao vivo o que acontece no cérebro de quem devaneia. E descobriram que essas pessoas realmente funcionam em outra frequência. O artigo científico está disponível online.

“Nós descobrimos que, no cérebro de pessoas que deixam a própria mente perder o foco de propósito, o córtex é mais espesso na região pré-frontal [responsável por te fazer pensar e agir de acordo com seus objetivos, e associada pela neurociência à personalidade]”, afirmou à imprensa Johannes Golchert, líder do estudo. “Além disso, nessas ocasiões duas redes do cérebro se sobrepõem de forma significativa: uma é a padrão [default], que fica mais ativa quando estamos com a atenção voltada para dentro, puxando informações da memória. Outra é a frontoparietal, que estabiliza nosso foco e inibe estímulos irrelevantes.”

Em outras palavras, quando você está sonhando acordado seu cérebro não perde totalmente a noção, e continua com o “síndico” de olho nos pensamentos com a mesma eficiência que ele acompanha o que ocorre fora do corpo. Ou, nas palavras de Golchert: “neste caso, a rede frontoparietal não chega a distinguir a concentração no mundo exterior, no ambiente, e no mundo interior, nos pensamentos. Nas duas situações a rede de controle está envolvida.”

Conclusão? Devaneios não são tão ruins assim – e se usados com moderação e consciência, podem te ajudar muito com a criatividade e o raciocínio no dia a dia. 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Keila medeiros

    Entendi quase nada,eu acho que estava com a cabeça nas nuvens!!kkkkk

    Curtir