GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como sobreviver a animais da selva e da firma

Texto Daniel Schneider

Sucuri

Na selva – Se você topar com uma quando viajar ao Pantanal, não ligue para ela. Embora possa chegar a 12 metros de comprimento e espremer e engolir capivaras, a sucuri não é venenosa e raramente ataca humanos. Se ela o morder e o prender com a boca, não adiantar puxar: aperte a base de sua mandíbula, que ela soltará a mão imediatamente.

Na firma – No trabalho, cobra é o sujeito que cria intrigas e enrola os colegas em fofocas. Esse tipo procura presas fáceis. Por isso, quando alguém assim tentar envolvê-lo, faça como no Pantanal: não dê a mínima. Se as fofocas se agravarem, daí, sim, parta para o ataque. Enfrente o problema para deixar a relação com os colegas em pratos limpos.

Onça-pintada

Na selva – Onças-pintadas podem correr a 60 km/h – bem mais que os 37 km/h do jamaicano Usain Bolt na Olimpíada de Pequim. Se uma delas vier com cara feia para você, não adianta correr nem subir no galho – elas sobem até onde o galho suportar. O melhor é fazer barulho, disparando armas para o alto, para o bicho se assustar.

Na firma – Se o seu chefe é como uma onça – faz pedidos selvagens e tem um apetite voraz pelo trabalho –, tente conquistar sua confiança. Quando ele vier com mais trabalho e prazos apertados, negocie mais tempo em troca de qualidade. “O melhor jeito de dizer não é mostrando o lado positivo dessa recusa”, diz o consultor Alexandre Freire.

Urso

Na selva – Se for marrom ou cinza, sua melhor chance é esticar-se no chão e fingir-se de morto, de costas e com as mãos no pescoço, protegendo partes vitais. Ele deve desistir e largar você lá depois de uns pisões. Se for um urso-negro, ataque-o pelo nariz, jogando pimenta ou algo assim – ele tem o olfato muito sensível e vai dar no pé.

Na firma – Quando seu chefe hiberna como um urso e não cria oportunidades para você subir na firma, não fique parado no mato. “O melhor é ser intra-empreendedor, ou seja, bolar projetos e mostrar capacidade de inovar”, diz Alexandre Freire. Se isso não der certo, então a melhor coisa a fazer é procurar outra floresta.

Fontes – Kleber del Klaro, presidente da Sociedade Brasileira de Etologia, Otávio Marques (Instituto Butantan), Eleonore Setz (Unicamp), Otto Gadig (Unesp), Alexandre Freire

www.alexfreire.com.br.