SUPERNOVAS

O coração desta mulher não bate

Paciente recebe um novo tipo de coração artificial - que não pulsa

por Juliana Calderari

A secretária Salina Mohamed, que tem 30 anos e vive em Cingapura, definhava na fila por um transplante de coração. Ela já não conseguia andar, e seu fígado e rins, privados de sangue, começavam a dar sinais de falência. Até que, no começo deste ano, seus médicos decidiram que não dava mais para esperar. E implantaram nela um novo tipo de coração artificial, que tem uma característica revolucionária: bombeia o sangue de forma contínua, ou seja, não bate. Por isso, Salina não tem pulsação cardíaca. Se você tocar no pulso dela, vai achar que está morta. Mas não está. A grande vantagem do novo coração, que se chama HeartMate II, é ser mais compacto - e poder ser implantado em quem tem menos de 1,70 metro. Salina, que foi operada no Centro do Coração de Cingapura, precisa tomar alguns cuidados com o aparelho (veja abaixo). Mas não liga. "Levo uma vida praticamente normal", diz. "Só preciso ficar de olho nas baterias."


Coração na cintura
Veja como funciona o HeartMate II

BATERIAS
São duas. Precisam ser recarregadas na tomada a cada 12 horas. Se faltar luz, é possível usar um carregador a corda.

COMPUTADOR
Tem um botão para ajustar a potência do coração. Vem com uma capa impermeável para a hora do banho.

MOTOR
É um motor elétrico convencional, com dois ímãs. Quando eles recebem corrente elétrica, suas polaridades mudam - e isso faz a turbina girar.

TURBINA
Gira a até 9 mil rotações por minuto, e consegue bombear até 10 litros de sangue por minuto - o dobro de um coração natural.

DIRECIONADORES DE FLUXO
Evitam que o sangue sofra turbulência ao entrar e sair da turbina (o que causaria a destruição dos glóbulos vermelhos).

publicidade

anuncie

Super 338 - Maconha medicinal Com uma guerra judicial envolvendo crianças, mães e o governo, a discussão sobre as propriedades médicas da maconha pega fogo no País. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 338
outubro/2014

Maconha medicinal
Com uma guerra judicial envolvendo crianças, mães e o governo, a discussão sobre as propriedades médicas da maconha pega fogo no País.

- sumário da edição 338
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ciência

publicidade

anuncie