GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Fotógrafa usa scanner para registrar a vida subterrânea no quintal de casa

A americana Melinda Hurst Frye enterrou um scanner no quintal de sua casa, em Seattle, para registrar um pedaço do mundo que atropelamos, sem perceber, todos os dias

Por baixo das cenouras

01 Marmota caligata / 02 Minhoca adulta  / 03 Minhoca jovem / 04 Ovos de minhoca / 05 Caracol / 06 Lagarta

Para cada uma das imagens da série Underneath (“por baixo”), Melinda trabalha umas 40 horas. Primeiro, cava buracos no jardim. Depois, coleta insetos com os dois filhos e os fotografa com uma câmera. A sessão de fotos underground demora por causa do ritmo do scanner. Mais tarde, ela se enterra no Photoshop para inserir os animais nas cenas, misturar dezenas de fotos e gerar uma imagem fictícia, porém acurada, de ambientes insuspeitos sob nossos pés.


(Melinda Hurst Frye/Reprodução)

Por baixo de Gatineau

01 Lesma / 02 Lagarta (Papilio polyxenes) / 03 Caracol / 04 Besouro-tigre (cicindela sexguttata) / 05 Formigas-de-cupim

Antes de cavar buracos em frente de casa, Melinda escaneou uma série de insetos para outro trabalho (Origins). Ela gostou tanto da resolução das imagens que decidiu testar o poder do scanner em locações externas. Uma das primeiras cobaias foi esta lagarta (Papilio polyxenesfotografada em Gatineau, Canadá.


(Melinda Hurst Frye/Reprodução)

Por baixo da Murta

01 Pupa de besouro / 02 Joaninhas / 03 Larva de besouro / 04 Mariposa / 05 Tatu-bola

Melinda escaneia cada cena entre 15 e 30 vezes para compor uma imagem. “Minha intenção é expor com rigor científico o que acontece abaixo do solo sem abrir mão de imagens bonitas, de qualidade”, explica.


(Melinda Hurst Frye/Reprodução)

Por baixo da hortênsia

01 Rato (Perognathus parvus/ 02 Tatu-bola

Esta imagem tem um detalhe particular: a presença de um roedor da espécie Perognathus parvus. Quando quer retratar mamíferos, Melinda recorre à coleção de 892 espécies empalhadas do Museu Burke, em Seattle. Ela fotografa os animais nas dependências do museu e insere os bichos nas paisagens via Photoshop.


(Melinda Hurst Frye/Reprodução)

A vida como ela é

Eis os bastidores do “árido” trabalho de Melinda: ela enterra seu detonado “Frankenscanner”, conectado com o MacBook em que manipula as imagens. O acessório mais indispensável, contudo, é analógico: um graveto que mantém o scanner perpendicular ao solo e, sobretudo, fixo – evitando imagens tremidas. A produção inclui minilâmpadas e rebatedor de luz dentro do buraco.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s