O bronzeador injetável

Nada de sol, queimaduras ou cremes melequentos. Basta uma injeção - e o seu corpo começa a mudar de cor, deixando a pele bronzeada por até 60 dias.

Por Redação Super Editado por Bruno Garattoni

Patrícia Machado

Esqueça as horas torrando na praia, os cremes autobronzeadores ou as sessões de bronzeamento artificial. A nova solução para pegar uma corzinha é outra: o bronzeador injetável. O produto, que se chama Scenesse e foi criado pela empresa americana Clinuvel, acaba de ser aprovado pela última fase de testes clínicos. Ele foi desenvolvido para tratar vítimas de porfiria (doença de base genética que provoca hipersensibilidade ao sol) e estimula a produção de melanina, substância que dá o aspecto bronzeado à pele. Inicialmente, o Scenesse só será vendido como medicamento para o tratamento da doença, mas seu uso estético já tem despertado interesse na comunidade médica, pois os efeitos colaterais são brandos (náuseas e dor de cabeça passageira após a aplicação). "Quem tem porfiria terá mais qualidade de vida. Já os indivíduos de pele saudável passarão por um bronzeamento", explica Valcinir Bedin, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Estética. A injeção é aplicada na região do quadril (área escolhida por conter mais gordura, o que torna a picada menos dolorosa) e o princípio ativo do remédio começa a agir. Após 48 horas, a pele de todo o corpo já está visivelmente escurecida, num efeito que dura dois meses. O medicamento consegue fazer isso porque contém uma substância chamada afamelanotide, versão sintética do hormônio que estimula a produção de melanina no organismo. A pele fica naturalmente morena, como se a pessoa tivesse tomado sol (sem o aspecto alaranjado dos cremes bronzeadores).