GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Papanicolau poderá identificar doenças genéticas em fetos

Uma nova técnica que promete identificar 6 mil doenças está sendo desenvolvida - e poderá ser feita bem no começo da gestação.

Atualmente, a medicina é capaz de diagnosticar cerca de 300 doenças genéticas em um bebê, mesmo antes do nascimento. Mas agora, graças a um estudo da Escola de Medicina Sascha Drewlo de Detroit, nos EUA, esse número pode subir para 6 mil – e tudo o que a mãe vai precisar fazer é um Papanicolau.

O Papanicolau é aquele exame incômodo e rápido que quase toda mulher conhece bem: o médico dá uma raspadinha no colo do útero. Em uma não-grávida, ele serve principalmente para detectar câncer cervical (de colo de útero). Mas os pesquisadores garantem que o teste tem efeitos ainda mais benéficos nas gestantes: através dele, é possível retirar células fetais o suficiente para acusar doenças como a talassemia (quando a pessoa tem poucas proteínas transportadoras de oxigênio) e a anemia falciforme (quando os glóbulos vermelhos têm má formação e morrem rápido demais) – ambas indetectáveis até hoje no feto. E mais: o exame pode ser feito bem mais cedo na gestação do que é costume atualmente – a partir das cinco semanas.

LEIA: Cientistas anunciam nascimento de bebê com “três pais”

Hoje, os testes genéticos pré-natais mais comuns são a amniocentese (apelidada de amnio) e a amostragem vilo-coriônica (CVS), que usam agulhas para retirar amostras do líquido amniótico de dentro do útero e encontrar problemas genéticos, como a síndrome de Down e a trissomia do cromossomo 18. O problema é que esses exames são bastante invasivos: se feitos cedo demais, podem resultar em abortos ou na má formação dos membros do bebê. Por isso, só devem ser feitos se quando a gestação já estiver mais avançada – com pelo menos 12 semanas para a amnio e 9 para a CVS.

Além de poder ser realizada mais cedo, a nova técnica é bem menos invasiva do que as que já existem, pois não precisa invadir o útero: ela capta algumas das primeiras células que se formam no embrião (chamadas de trofoblásticas) – os médicos ainda não sabem por que, mas essas células são expelidas e ficam alojadas no colo do útero da grávida, que é basicamente a porta de entrada do útero. Apesar do mistério, a técnica funciona bem: os cientistas já foram capazes de examinar, com sucesso, o genoma de 20 fetos, de gestações entre 5 e 19 semanas.

Poder detectar doenças genéticas o mais cedo possível é importante para que os médicos sejam capazes de tratá-las o quanto antes, preferivelmente no útero. É o caso, por exemplo, da hiperplasia adrenal congênita, que prejudica as glândulas adrenais – produtoras de hormônios importantes, como o cortisol (envolvido nas respostas ao stress) – e que, em alguns casos, pode ser fatal. Se essa e outras anomalias forem tratadas direto no útero, as chances de cura são muito maiores, segundo os pesquisadores de Drewlo.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s