Viagem ao Porão da Mente

Por que sonhamos?

Mas não existe ainda uma resposta científica definitiva para a questão.

(Edmari Oliveira Carneiro, Ichu, BA)

Eis um dos maiores enigmas da consciência. A psicologia e a neurologia estudam a questão de ângulos diferentes – que provavelmente se complementam, em vez de se excluírem. Mas não existe ainda uma resposta científica definitiva para a questão. Tudo indica que – além de qualquer função biológica – os sonhos são a principal chave para o autoconhecimento humano. Mais de 100 anos depois de sua publicação, o texto básico sobre o tema continua sendo A Interpretação dos Sonhos (1900), de Sigmund Freud. Nele, o pai da psicanálise demonstra que o sonhar é uma linguagem simbólica, pela qual se manifesta nosso inconsciente – espécie de porão da mente onde habitam fantasmas psíquicos, como conflitos não resolvidos e desejos reprimidos, que acabam governando todo o nosso comportamento.

Acredita-se também que, com isso, o sonho tenha uma função auto-reguladora de equilíbrio psicológico. “É através dele que fazemos a digestão dos acontecimentos do dia”, afirma Marion Rauscher Gallbach, do Instituto de Psicologia da USP. Já do ponto de vista neurofisiológico, existem outras funções cerebrais que seriam despertadas quando sonhamos. “Uma das principais é a manutenção da memória. Sonhar tanto guarda lembranças em arquivos de longa duração, quanto apaga informações não usadas”, diz Rubens Reimão, neurologista do Hospital das Clínicas de São Paulo.

publicidade

anuncie

Super 338 - Maconha medicinal Com uma guerra judicial envolvendo crianças, mães e o governo, a discussão sobre as propriedades médicas da maconha pega fogo no País. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 338
outubro/2014

Maconha medicinal
Com uma guerra judicial envolvendo crianças, mães e o governo, a discussão sobre as propriedades médicas da maconha pega fogo no País.

- sumário da edição 338
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ciência

publicidade

anuncie