Ciência

Vida de cobaia

Alguns buscam dinheiro. Outros, a própria saúde. E tem aqueles que só desejam o progresso da humanidade. Entenda por que muita gente resolve colocar o próprio corpo à disposição da ciência

por Tania Menai, de Nova York. Ilustração: José Azevedo

"Eu me lembro de vomitar e sentir muita dor. Depois disso, desmaiei." Ryan Wilson, um encanador de 20 anos, havia acabado de receber uma dose da droga experimental TG1412, em um hospital de Londres. Era março de 2006. Wilson participava de uma pesquisa para um novo tratamento para doenças como artrite reumatoide, leucemia e esclerose múltipla. Não teria de fazer muito esforço: receberia a droga, passaria um dia sob observação, e depois compareceria algumas vezes ao hospital para contar se tinha sentido algum efeito. Mas não aconteceu bem assim.

Logo que caiu no organismo de Wilson, a TG1412 provocou uma reação do sistema imunológico, que passou a atacar o próprio corpo do encanador. O mesmo aconteceu com outros 5 participantes da pesquisa. Todos entraram em colapso ao mesmo tempo. Seus corpos incharam - a cabeça e o pescoço de alguns triplicaram de tamanho. Os médicos não sabiam o que fazer, já que a TG1412 nunca havia sido administrada a humanos antes. Todos os participantes, que acabariam conhecidos como "homens-elefante", acabaram sobrevivendo. Mas não sem sequelas. Ryan, que ficou em coma durante 16 dias, teve problemas de circulação. Sofreu amputação de dedos das mãos e dos pés, e nunca mais pôde andar normalmente ou trabalhar como encanador. "Destruíram a vida de um jovem", diz Wilson no documentário inglês The Drug Trial That Went Wrong.

Uma vida destruída...para salvar muitas outras? É de gente como Wilson que a ciência precisa para desenvolver drogas e tratamentos para todo tipo de doença - de câncer a impotência sexual. Alguém tem de fazer esse sacrifício para que você use o descongestionante nasal quando bate aquela gripe. Ou para que se encontre a cura da aids. Cada remédio exposto na farmácia teve de passar por experimentos com voluntários. E mais de 10 mil compostos são testados para que apenas um chegue ao mercado. Ou seja, muita gente tem de fazer um sacrifício e tanto pelo bem da humanidade. Porque você mesmo não toparia tomar algo nunca antes testado em um humano. Toparia?

Se respondeu que sim, talvez você esteja apto a se tornar uma cobaia da ciência. (Ou, oficialmente, um "voluntário". Médicos acham o termo cobaia pejorativo.) É à procura de gente disposta a colaborar com a ciência que a indústria farmacêutica e institutos de pesquisa direcionam anúncios sempre que iniciam um novo estudo. "Tem problemas para dormir?" "Sua memória anda falhando?" - geralmente é assim que a pesquisa se apresenta, em anúncios publicados em jornais, revistas, internet, até TV em países como os EUA. Quem aceita o convite? Sempre tem aqueles que querem ajudar a ciência e salvar a humanidade. Mas as cobaias se dividem principalmente em dois tipos de gente: 1. Os que precisam de dinheiro. 2. Os que precisam de saúde.

Dinheiro x saúde
Ryan Wilson fazia parte do primeiro grupo. Era um homem saudável quando apareceu no Northwick Hospital Park, de Londres. Havia lido um anúncio na internet sobre a pesquisa de um novo remédio que buscava voluntários - e pagaria a cada um o equivalente a pouco mais de R$ 5 mil.

Em lugares como EUA e Reino Unido, oferecer uma recompensa financeira para que alguém se torne uma cobaia é uma prática comum. "Por um vidrinho de sangue, pagamos US$ 30", conta o hematologista goiano Rodrigo Calado, pesquisador no estado americano de Maryland do Instituto Nacional de Saúde, agência do governo dos EUA. A promessa de dinheiro rápido (o que nem sempre significa fácil) costuma atrair principalmente pessoas de baixa renda ou estudantes atrás de um reforço para o orçamento, segundo Calado. A crise financeira mundial, no entanto, mudou isso: em regiões dos EUA, laboratórios e centros de pesquisa passaram a ser procurados por todo tipo de gente, interessada em acrescentar qualquer centavo à renda doméstica.

Tem tanta gente em busca desse tipo de remuneração que já existem sites dedicados só a ofertas de experimentos. São um tipo de classificados da ciência. Em um deles, o Biotrax.com, você começa escolhendo país e cidade em que quer participar do estudo. E define se é um voluntário saudável ou se tem alguma doença (o que poderá encaminhá-lo a pesquisas específicas). É o suficiente: o site lista os testes clínicos correspondentes a sua pesquisa (alguns, um tanto suspeitos). Também não falta manual sobre como fazer do trabalho de cobaia uma profissão. O Drugspay.com ensina como conseguir até US$ 34 mil por ano - o que daria cerca de R$ 5 mil por mês - só participando de pesquisas. A receita: timing. Segundo o site, é preciso participar de estudos de 30 em 30 dias (o espaço de tempo é para que os efeitos de um teste não influenciem o outro). E se preparar para os períodos de escassez: "Praticamente todas as clínicas fecham para o Natal", avisa. (O autor do site se diz experiente - em seus textos, declara ter tomado mais de 750 pílulas e ter tirado amostras de sangue mais de 1 500 vezes.)

Que brasileiro nenhum se inspire nesse pessoal. No Brasil, receber (e pagar) pela participação em pesquisas científicas é proibido por lei. Por quê? "Temos gente demais vivendo na pobreza", diz Gyselle Saddi Tannous, coordenadora da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), conselho ligado ao Ministério da Saúde e responsável pela aprovação de pesquisas com voluntários no Brasil. "Uma pessoa em grave situação financeira não teria autonomia para escolher o que é bom ou ruim pra si mesmo. Ficaria vulnerável." Em 2003, por exemplo, a Conep interrompeu um estudo realizado no Amapá que pretendia investigar os hábitos do mosquito da malária. Para conseguir os resultados, pesquisadores ofereciam R$ 30 a moradores de comunidades ribeirinhas pra que eles fossem picados por mosquitos. "O dinheiro fazia tanta diferença para os voluntários que eles protestaram quando determinamos a suspensão da pesquisa", diz Gyselle. (Segundo a Conep, a pesquisa tinha metodologia diferente e não mencionava pagamento quando foi aprovada.)

Ou seja, aqui, as cobaias são pessoas altruístas - gente saudável que quer colaborar com a ciência - ou pertencentes àquele segundo grupo, o que precisa salvar sua saúde. Os pacientes em busca de cura são o grosso das fileiras de cobaias. No Brasil e no mundo. "É gente que muitas vezes não tem condições de se medicar sem o tratamento experimental por causa do custo, ou porque alguns medicamentos não estão disponíveis no mercado", diz Thomas Lehman, diretor do Weill Medical Center da Universidade Cornell, nos EUA. Nesses casos, o paciente é convidado por médicos para participar das pesquisas. Sempre estudos já aprovados por órgãos governamentais como o Conselho Nacional de Saúde, no Brasil, e o Instituto Nacional de Saúde, nos EUA.

Foi assim que o nova-iorquino Nate Smith* (o nome é fictício, porque Smith deve respeitar uma cláusula de confidencialidade) entrou em uma pesquisa. Em 1998, Smith descobriu que tinha aids. Passou a se tratar com remédios que prejudicaram sua área motora. E começou a sentir dificuldades de locomoção. Em 2000, foi convidado por médicos do hospital em que se tratava para participar de uma pesquisa sobre o cérebro. A promessa: o estudo poderia gerar tratamentos que o fizessem caminhar melhor.

A pesquisa envolveria apenas alguns procedimentos e exercícios para o cérebro. "Se me dissessem que eu teria de tomar qualquer nova droga, não teria topado. Já não aguentava nem os efeitos dos remédios tradicionais", diz Smith. Por 8 anos, Smith teve sangue, urina e liquor (retirado com uma injeção na coluna) coletados frequentemente. Também recebia um médico que testava os reflexos de seus joelhos e calcanhares. E desafiava seu cérebro - devia repetir 5 palavras na ordem em que as tinha ouvido, ou responder a questões como "quem o vestiu hoje?" Parecem perguntas banais, mas a dificuldade dos pacientes para respondê-las era crucial para que os pesquisadores desenvolvessem tratamentos para suas fraquezas. Com o tempo, Smith acabou desanimando e abandonando o estudo, que ainda não foi concluído. Mas pretende voltar para, quem sabe, ser beneficiado com os resultados.

A (falta de) segurança
Quando uma pesquisa envolve uma nova droga, uma cobaia sempre corre riscos. Afinal, se um remédio está em testes, é porque ainda não se sabe tudo o que causa ao nosso corpo. É verdade, toda droga levada a humanos passa antes por experimentos com animais. "Mas ninguém pode afirmar que os efeitos do remédio em pessoas serão os mesmos vistos nos bichos", diz Lehman, de Cornell. Mesmo depois de aplicada em gente, a droga pode surpreender. É por isso que os testes são conduzidos em fases: primeiro em pessoas saudáveis, depois em grupos cada vez maiores de pessoas.

E por isso também os pesquisadores se cercam de cuidados. Em dezembro de 2009, 4% de cerca de 3 mil mulheres africanas que participaram do estudo de um gel vaginal que preveniria contra aids acabaram infectadas com o vírus. Acreditava-se que o gel reduziria o risco de contaminação em 30% - mas, 10 meses depois de iniciada a pesquisa, descobriu-se que ele era tão eficiente quanto placebo. Todas as participantes foram instruídas a usar preservativos durante o período do estudo. Mas, talvez motivadas pelas supostas benesses do gel testado na pesquisa, muitas acabaram ignorando a precaução.

Cobaias aprendem sobre os riscos logo de cara, ao assinar um termo de responsabilidade (como o da página 59). Mas isso não lhes tira o direito de exigir indenização caso algo dê errado. Wilson, aquele do começo da reportagem, fez isso. O caso foi sigiloso, mas tabloides britânicos publicaram que o rapaz levou cerca de R$ 5 milhões como compensação.

Para evitar processos como esses, muitos laboratórios e centros de pesquisa têm transferido seus estudos para países de população mais vulnerável. Como a Índia - que concentra gente carente de dinheiro (a população é pobre) e de saúde (plano de saúde não é algo disseminado no país). Ou seja: um monte de gente disposta a aceitar um tratamento experimental. E, como muitos dos voluntários são analfabetos, tem cobaia que assina o termo de responsabilidade sem saber no que está entrando.

Mudar a pesquisa de país também é um jeito de resolver dois problemas para os laboratórios. O primeiro é testar as drogas em populações com bases genéticas distintas. E o segundo é cortar custos. O investimento em uma nova droga é de US$ 1 bilhão, e os testes com pessoas consomem metade disso. Na Índia, a mão de obra barata reduz em até 60% os gastos com os experimentos. Mas países como os EUA têm uma vantagem importante para as cobaias: credibilidade."Os hospitais dos EUA testam constantemente novos remédios", diz o hematologista Rodrigo Calado. "É uma segurança extra para quem se coloca nas mãos da ciência."

Sim, usem meu corpo
As principais cláusulas de um contrato assinado por voluntários de pesquisas científicas

Essa é uma pesquisa científica. O objetivo desse estudo é testar a segurança de uma nova droga e descobrir que efeitos, bons e/ou ruins, ela terá em você. Você será direcionado, aleatoriamente, para um de dois grupos. Grupo 1: voluntários receberão uma droga por via venosa, a cada 21 dias. Grupo 2: voluntários receberão placebo.

Você pode decidir deixar o estudo a qualquer momento. Seu médico dará as instruções sobre como sair da pesquisa com segurança.

Você pode ter efeitos colaterais durante o estudo. Os médicos não conhecem todos os efeitos colaterais que podem acontecer. Esses efeitos podem ser brandos ou graves. Em alguns casos, os efeitos podem durar por muito tempo, ou mesmo nunca desaparecer. Também há o risco de morte.

Participar desse estudo pode ou não melhorar sua saúde. Os médicos esperam que o tratamento seja eficiente, mas ainda não há provas disso.

Faremos o máximo para garantir que suas informações pessoais sejam mantidas em sigilo. No entanto, não podemos garantir privacidade total. Suas informações podem ser requeridas pela lei, e compartilhadas com companhias farmacêuticas envolvidas na pesquisa e agências do governo.

No caso de lesão decorrente desse estudo, você não perde os direitos legais de procurar indenização ao assinar este formulário.

Eu aceito participar desse estudo.

Assinatura do participante

 

Cobaias brasileiras
Como funciona o mercado de voluntários de pesquisas por aqui

Vale tudo?
Não. Antes de ser realizada, qualquer pesquisa deve ser aprovada pela Comissão de Ética em Pesquisa, ligada ao Ministério da Saúde. Se considerar que os voluntários correrão riscos desnecessários, a comissão pode vetar o estudo.

Quem pode ser uma cobaia?
Aqueles que se ofereçam e se encaixem no perfil procurado pelos centros de pesquisa (como alcóolatras em estudos sobre alcoolismo). Ou ainda pacientes convidados por grupos de pesquisadores.

Quem paga a conta?
Os laboratórios que conduzem a pesquisa. O voluntário não tem de gastar nada. Pelo contrário: deve até ser reembolsado pelos custos que tiver, como qualquer gasto com transporte e alimentação.

Ganha salário?
Não. A lei brasileira veta. Há instituições que tentam driblar a proibição - pagam cachê sob a rubrica "reembolso". Mas o governo fica de olho para detectar reembolsos de valor muito alto.

E se algo der errado?
Se sofrer algum efeito colateral e se sentir lesado, o voluntário pode buscar a Justiça. Os próprios termos de consentimento assinados pela cobaia já expressam essa possibilidade, para garantir o direito.



Para saber mais

The Drug Trial That Went Wrong (documentário), Channel 4, 2006.

CONEP: conselho.saude.gov.br/Web_comissoes/conep/index.html

 

publicidade

anuncie

Super 342 - Êxodo Como um grupo de escravos se aproveitou de um colapso no clima para fugir do Egito, dar origem à maior de todas as histórias da Bíblia e mudar para sempre a civilização. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 342
janeiro/2015

Êxodo
Como um grupo de escravos se aproveitou de um colapso no clima para fugir do Egito, dar origem à maior de todas as histórias da Bíblia e mudar para sempre a civilização.

- sumário da edição 342
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ciência

publicidade

anuncie