GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Menino pode gostar de menino?

Claro que sim! Saiba como responder se o seu filho fizer essa pergunta.

A resposta aqui deve ser incisiva: é claro que pode. E menina também pode gostar de menina. Embora alguns adultos tenham dificuldade em lidar com a questão da homossexualidade por razões sociológicas, morais ou religiosas, aos olhos de uma criança não faz diferença se um homem ou uma mulher estão beijando pessoas do mesmo sexo ou do sexo oposto. Tudo vai depender de como os pais tratam o assunto dentro das suas casas e da forma como a criança é exposta ao tema em outros ambientes, como a escola, a família ou os programas de televisão. “A criança não tem um preconceito formado, ela desenvolve esse olhar de acordo com o contexto social em que vive”, diz Lena Vilela, educadora sexual e diretora do Instituto Kaplan.

A homossexualidade não é uma condição única do ser humano. Hábitos homossexuais já foram observados em mais de mil espécies. A ciência ainda não sabe explicar por que isso acontece – provavelmente por uma conjunção de fatores sociais, biológicos e psicológicos. Mas uma coisa é certa: ninguém escolhe a sua orientação sexual.

Por isso, diante dessa questão, é fundamental que os pais enfatizem o respeito à diversidade, lembrando que todos nós somos diferentes e que queremos e devemos ser respeitados. A questão também é uma boa oportunidade para conversar sobre a importância do carinho, do amor e da liberdade de escolha dentro dos relacionamentos, sejam eles hétero ou homossexuais.

Essa abertura é fundamental para que os seus filhos aceitem as escolhas dos amigos e se sintam livres para fazer as suas. Mas só a família não basta: todo o contexto social exerce influência na forma de a criança se ver e aos outros. Por isso, sempre que possível, estimule esse debate na escola, discutindo a importância de a instituição propiciar um ambiente em que todos se sintam acolhidos e no qual situações de homofobia não sejam toleradas.

 

É tudo verdade
Dados que você precisa conhecer para combater o preconceito.

– No Brasil, uma pessoa LGBT é morta a cada 25 horas por crimes motivados pelo ódio. É o maior registro de crimes homofóbicos no mundo. (1)

– 343 pessoas LGBT foram mortas no Brasil em 2016, o maior número desde 1970. O Estado que mais mata é São Paulo, com 49 casos registrados. (1)

– 7 em cada 10 homossexuais brasileiros já sofreram algum tipo de violência, física ou psicológica. (2)

–  mais de 40% dos homens homossexuais brasileiros já foram agredidos fisicamente na escola. (3)

– Quase 40% dos alunos não gostariam de ter homossexuais como colegas e +de 35% dos pais não gostariam de tê-los como amigos dos filhos. (3)

Iguais, mas diferentes

Homossexualidade
É a atração física ou afetiva por pessoas do mesmo sexo ou gênero.

Heterossexualidade
É a atração física ou afetiva entre pessoas de sexo ou gênero opostos.

Bissexualidade
É atração física ou afetiva por mais de um sexo ou gênero.

Cisgênero
Pessoa que tem sua identidade de gênero compatível com o gênero que lhe foi atribuído ao nascer. Por exemplo, uma mulher que nasceu com vagina e se identifica como mulher.

Transgênero
Uma pessoa trans é aquela que se identifica com o gênero diferente do registrado no seu nascimento de acordo com sua genitália.
Assim, um homem trans é aquele que nasceu com uma vagina, mas se identifica com o gênero masculino; enquanto uma mulher trans é aquela que nasceu com um pênis, mas se identifica com o gênero feminino.

*Conteúdo do Dossiê SUPER: “Como Explicar o Mundo para as Crianças”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Bruno Ferreira Porto

    Com os meus foi bem simples…. Um dia viram um casal de mãos dadas, nem me lembro mais se eram duas garotas ou dois garotos e perguntaram se eram namorados. Disse que sim. Perguntaram “mas pode?”Eu fiz pouco caso e disse “Ué… por que não?” E pronto. Hoje são adolescentes ótimos. Sempre tratam qualquer pessoa com o mesmo respeito.

    Curtir

  2. Alexandre Camargo

    Bem então vamos começar;

    “Ninguém escolhe sua orientação sexual!” Então não existe mais os transgêneros? Kkk vcs não sabem o que querem.
    Vamos lá, 13 mulheres morrem por dia, 29 crianças ou adolescentes por dia, um brasileiro e assassinado a cada 9 minutos no Brasil. Em 2015 58.000 pessoalidade assassinadas no Brasil.A cada 7 minutos uma mulher sofre violência no Brasil, a cada 10 minutos uma criança sofre violência no Brasil. Quer mais?

    90% das mortes e agressões a homossexuais , são briga entre seus amores.

    Não fica nervoso não, pesquisa antes de publicar besteira.

    Curtir

  3. Junior Rodrigues

    Claro que pode desde que tenha mais de 16 anos e não seja por moda

    Curtir

  4. Gilmar de Oliveira

    Aí vem um tal de Alexandre e confinde orientação zexual com identidade de gênero, achando que ser gay ou lésbica é o mesmo rol de ser trans. Vá ler mais, Mané!!

    Curtir

  5. Renilson Júnior

    Alexandre, o único aqui falando bobagens é você. Espero que estude mais sobre tema antes de provar tamanha ignorância. Enquanto não conhece um assunto, o melhor a fazer é ficar calado, pois “falar até papagaio fala”. Seu comentário misturou conceitos básicos sobre o assunto. Orientação sexual é diferente de identidade de gênero. Além disso, boa parte dos números de homossexuais assassinados tem relação direta com homofobia e crimes de ódio, ou seja: homossexuais são assassinados pelo simples motivo de existirem, por isso não faz sentido comparar assassinatos motivados por crime de ódio com outros tipos de homicídios.

    Curtir

  6. Amadeu Epifânio

    Sexualidade infantil não é doença, é psicológico, resultado de experiência (não traumática) mas de forte impacto para uma criança pequena, proveniente de uma sequência de conflitos para com o genitor (do mesmo sexo) que o filho ou filha. Porque do mesmo sexo ? Porque a criança verá em seu parceiro(a) a chance de se reconciliar com seu genitor(a), fato esse impossível para a criança, dada às dificuldades de ambos se relacionarem de forma não apenas satisfatória, mas harmoniosamente, à fim de que sua fuga (inconsciente e involuntária) possa se extinguir. Para a criança é considerado como fato normal, porque está sendo “manipulada” e “governada” por seu inconsciente, isto é, a parte de si ferido e machucado emocionalmente. Se a reconciliação entre esta criança e seu genitor não se fizer, ele crescerá achando e acreditando ser homossexual, sem ter a menos noção do que o levou à manifestar sua preferência de gênero. Muitos Gays são hoje o que são, provavelmente pelas mesmas circunstâncias. (Professor Amadeu Epifânio-Pesquisador?Psicanalista Auto-Didata)

    Curtir

  7. Amadeu Epifânio

    Crianças são inocentes, elas não só criam como alimentam as próprias fantasias, sustentado por circunstâncias mantidas no ambiente em que vive. Se tais circunstâncias se alterarem para melhor, a criança poderá seguir e melhorar. Do contrário continuará alimentando até sua convicção. O que será tarde demais para se voltar atrás.

    Curtir

  8. Antonio Cesar Araujo de Aguiar

    Me perdoem, mas este artigo é um lixo elevado a potência máxima em todos os aspectos.

    Curtir