5000 a.C. a 1150 a.C.

I Ching - O Livro das Mutações

por Fu Hsi e outros

NOME ORIGINAL - Yì Jing (China)
EDIÇÃO NO BRASIL - Pensamento; 1997


DO QUE TRATA

O I Ching é a base da sabedoria chinesa, um conjunto de estudos que analisa o mundo e o homem, passando por astronomia, matemática, fenômenos, etc. O Livro das Mutações é a obra sagrada e milenar sobre esse ensinamento, que tem como um dos objetivos o autoconhecimento. É mais famoso no mundo ocidental por ser um oráculo (ensina dois rituais, um com moedas e outro com varetas para que o leitor o consulte com perguntas), o que de fato é, mas não apenas. Para entender o I Ching devemos primeiro absorver o significado desses termos. Na China antiga, o nome de uma coisa não era considerado apenas um rótulo, mas "uma expressão do ser", como explica o tradutor, no prefácio da edição brasileira citada. A designação "I" é um símbolo (ou "ideograma") de máxima importância na sabedoria chinesa. Significa mutação, que é o centro do pensamento chinês: tudo é mutável, menos a própria mutação, que é constante, e isso demonstra a essência da vida. "Ching" quer dizer "clássico", ou seja, a tradução em português mais literal da obra seria "O Clássico das Mutações".

Inicialmente o livro tinha mais símbolos do que palavras, o que exigia uma interpretação rigorosa. Ao longo dos séculos, diferentes sábios acrescentaram textos explicativos, que facilitam a vida do leitor, embora restrinjam o significado mais puro dos símbolos. Os tais símbolos são os 64 hexagramas (figuras formadas por 6 linhas) compostos a partir da combinação de 8 trigramas que representam os estados essenciais da natureza e do Universo (veja indicações ao lado). Cada um deles vem com um "Julgamento" acompanhado de outros textos interpretativos da figura e no que seus significados podem se desdobrar. A estrutura do livro tem várias ramificações, entretanto sua linguagem não é difícil. Pelo contrário, busca a simplicidade. Mas para isso o leitor tem que entrar no espírito dos orientais e não buscar respostas rápidas ou superficiais. O próprio I Ching ensina isso e o oráculo pode "se negar" a responder a sua pergunta.

QUEM ESCREVEU

A tradição chinesa atribui a um ser mítico de nome Fu Hsi a criação de toda a base da sabedoria da China, representada na escrita pelo I Ching. Fu Hsi teria estudado o céu, a terra, os organismos e nomeado os Kua (cada símbolo), com seus traços e representações simbólicas antes da dinastia Chou (1150 a.C.-249 a.C.), por volta de 5000 a.C. Posteriormente, textos foram acrescentados pelo rei Wên (escreveu os trechos de "Julgamento") e pelo duque de Chou ("Linhas") já na dinastia homônima. As chamadas "Dez Asas" foram escritas pelo famoso sábio Confúcio, responsável pelo nome "Ching" da obra. Quem trouxe O Livro das Mutações para o mundo ocidental foi o tradutor alemão Richard Wilhelm, em 1923, depois de quase 10 anos de trabalho.

 

POR QUE MUDOU A HUMANIDADE

É uma das mais importantes obras do mundo e provavelmente a mais antiga já divulgada. Os chineses foram pioneiros em organizar métodos para a busca do autoconhecimento, por isso a sabedoria desse povo é tida até hoje como sólida referência da cultura oriental.

"Abençoar significa ajudar. O céu ajuda ao homem de devoção; os homens ajudam a quem é sincero. Aquele que caminha na verdade e pensa com devoção, reverenciando ainda aos homens dignos, é abençoado pelo céu. Ele encontra a boa fortuna e tudo lhe é favorável"

(comentário de Confúcio no hexagrama Ta Yu / Grandes Posses)

 

publicidade

anuncie

Super 337 - Foco - organize sua vida agora Os métodos comprovados, a tecnologia que ajuda, a ciência antienrolação. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 337
setembro/2014

Foco - organize sua vida agora
Os métodos comprovados, a tecnologia que ajuda, a ciência antienrolação.

- sumário da edição 337
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Cotidiano

publicidade

anuncie