Respostas

Onde dói mais fazer tatuagem?

Os lugares mais dolorosos têm sempre pele muito fina e com pouca gordura e são cheios de terminações nervosas - ou têm ossos próximos à superfície da pele.

por Anderson Fernandes de Oliveira

Cabeça - Dor intensa
Na testa a dor é maior pois um importante nervo, o trigêmeo, está mais exposto. No resto, dói menos. Apesar de o crânio ser tão superficial quanto os ossos do pé, a pele aí é forte. Afinal, ela protege o cérebro.

Lábios - Dor intensa
Vai sangrar, vai arder. Mas não vai doer como na palma da mão, por exemplo. A parte mucosa do beiço é grossa, feita para proteger das mordidas - dadas por engano ou não.

Pescoço - Dor intensa
Por ligar a cabeça a todo o corpo, tem muitas terminações nervosas. A pele aqui é mais fina e com poucos lipídeos, o que caracteriza uma derme seca, mais suscetível à dor.

Peito - Dor muito intensa
O peito tem menos músculos que as costas. Eles podem crescer mais rápido com malhação e, assim, um fortão sente menos dor ao tatuar o tórax do que um magrelo.

Costela - Dor muito intensa
Costelas estão próximas da pele. Quanto menos grossa for a camada de gordura sobre elas, mais intensa é a dor. Por isso, os magros sofrem mais ao tatuar nesse local.

Palma da mão - Dor muito intensa
Tem função neurossensorial e está em constante comunicação com o cérebro. Ou seja, temos mais terminações nervosas e, portanto, tatuagem nessa área dói mais.

Região genital - Dor intensa
Por ser erógena, tem muitas terminações. E a tatuagem anal, hit na internet recentemente (embora tatuar a bunda toda seja uma prática antiga), também dói. O ânus é uma mucosa com microrrachaduras e muito sensível.

Pé - Dor muito intensa
São 29 ossinhos cobertos por pouca pele. E a dor piora se a tatuagem for na planta, a famosa sola do pé. Ela é muito sensível e tem ligações com todas as partes do corpo.

Fontes Cyro Hirano, dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia; Daniel Gontijo Ramos, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia; Geleia e Leo Tressino, tatuadores profissionais.

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Cotidiano

publicidade

anuncie