Oráculo

Esqueleto de tubarão aparece no raio X?

Radiografia, bombas, joelhos, espreguiçadas - tudo é desculpa para os leitores perguntarem

por Emiliano Urbim

Recentemente, minha esposa fez uma radiografia do joelho. O ortopedista suspeitava de desgaste na cartilagem, mas, como cartilagem não aparece no raio X, ele ia observar só os ossos em volta. Desse fato surgiu minha dúvida: se tirarmos uma radiografia de um tubarão, que tem esqueleto cartilaginoso, o que parece? O ortopedista ficou curioso.
JULIO CAVALLARI JÚNIOR, Ribeirão Pires, SP

Em razão do interesse generalizado, esta resposta vai para o ortopedista, para você, Julio, para a sua esposa e para o joelho dela - a redação estima melhoras. Otto Gadig, biólogo do Laboratório de Pesquisa de Elasmobrânquios (leia-se arraias, tubarões e seus parentes) da Unesp, garante não ter problemas ao bater chapas desses animais: "Se fizermos radiografia de um tubarão, o esqueleto vai aparecer muito bem. Só é preciso aumentar um pouco a intensidade do aparelho". É que a cartilagem deles não é como a nossa, fibrosa e elástica: é mais rígida, apresentando até depósitos de cálcio, que sempre aparecem na radiografia. Ainda que o raio X não fosse possível, os eslamo-brânquios, assim como os humanos, já têm direito a outros exames que detalham cartilagens: a tomografia e a ultrassonografia.


Quais seriam as consequências para a Terra se uma bomba atômica explodisse no espaço?
EDUARDO MONI, Mococa, SP

Conforme nos ensina Superman 4 - Em Busca da Paz (1987) - em que o Homem de Aço joga todas as armas nucleares do mundo dentro do Sol -, se for longe da Terra, não dá nada. Caso você não confie em filmes de super-herói, pode ficar com a palavra de Luiz Carlos Chamon, professor associado do departamento de física nuclear da USP: "Se fosse longe da Terra, não traria problemas para o planeta. Inclusive, reações nucleares ocorrem regularmente nas estrelas sem maiores consequências para a Terra". Aliás, não espere cogumelos à la Hiroshima e Nagasaki; no vácuo não ocorreria aquela revoada de poeira e partículas, apenas emissão de luz. Agora, se você está imaginando jogar algo na órbita da Terra, ninguém sabe ao certo. É possível que partículas radioativas se espalhassem pela atmosfera, causando um desastre global. Por isso, Eduardo, da próxima vez em que você estiver considerando em lançar um míssil atômico ao espaço, pense antes. A vítima pode ser você.


Levantar peso sem flexionar os joelhos faz mal à coluna?
FLORA FREIRE, Recife, PE

Como explica Rogério Teixeira, da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, se você não dobra o joelho, a musculatura que vai da bunda até a canela fica tensionada. A tendência é deslocar a bacia, o que sobrecarrega a coluna. Flexionando os joelhos, a força não fica concentrada nas costas, mas nas coxas, que aguentam o tranco. Caso dobrar os joelhos seja um problema, há uma solução simples: fazer o exercício sentado.


Quando eu me espreguiço, não escuto nada em volta e me chamam de distraída. Por que eu fico surda?
JÉSSICA BEAL, Joaçaba, SC

Pode caprichar no plural, Jéssica. Homens e mulheres, jovens e adultos, joaçabenses e xanxerenses, ficam surdos porque a espreguiçada provoca uma reação em cadeia. Quando nos espreguiçamos, aumentamos a pressão intra-abdominal, e isso aumenta a pressão do complexo tímpano-ossicular - e é essa diferença de pressão que altera a audição. O pessoal que repita o que disse em vez de reclamar da sua distração. A não ser que estejam bocejando também. Aliás, por que bocejo é contagioso? Fica para outra vez.

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Cultura

publicidade

anuncie