GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Os 5 melhores filmes LGBT da história

E o Oscar vai para...

filmes-lgbt-azul-e-a-cor-mais-quente1. AZUL É A COR MAIS QUENTE (La vie d’Adèle)

Diretor: ABDELLATIF KEHICHE

2013 – 179 min

É top porque…

Até Spielberg virou fã.

NOTA IMDb – 7,9

Onde ver – DVD, iTunes, Netflix

Presidente do júri do Festival de Cannes em 2013, Steven Spielberg declarou sobre este filme: “É uma grande história romântica, que nos fez privilegiados de ver um amor tão profundo evoluir do seu começo. O diretor não colocou nenhuma restrição à narrativa, e ficamos absolutamente enfeitiçados pelo desempenho das duas atrizes”. Ele estava se referindo a Léa Seydoux (no papel de Emma) e à novata Adèle Exarchopoulos (como Adèle mesmo). Pela primeira vez na história do festival francês, a Palma de Ouro foi dividida entre o diretor e suas duas atrizes.

Baseado na HQ Le Bleu est une Couleur Chaud, da quadrinhista francesa Julie Maroh, o filme mostra o processo de descoberta do amor e da sexualidade pela adolescente Adèle. Insatisfeita com seus relacionamentos com homens, a menina fica deslumbrada por uma garota mais velha, a estudante de arte Emma, que usa o cabelo azul.

Além do prêmio em Cannes, o filme chamou atenção pelas cenas de sexo entre as duas personagens, bastante explícitas. Uma sequência dura longos sete minutos. E as atrizes reclamaram. Disseram que o diretor exagerou nas tomadas de pegação, e que foram manipuladas. Uma cena teria sido repetida ao longo de dez dias de filmagens. Mas o diretor não deixou barato, chamou as atrizes de mimadas e afirmou: “Fiz tudo em nome da arte”.

 

filmes-lgbt-o-segredo-de-brokeback-mountain

2. O SEGREDO DE BROKEBACK MOUNTAIN (Brokeback Mountain)

Diretor: ANG LEE

2005 – 134 min

É top porque…

Tem os primeiros cowboys gays.

NOTA IMDb – 7,7 Onde ver DVD, Now

É para se pensar no quanto o preconceito pode ter influência aqui: quando Ang Lee foi anunciado como vencedor do Oscar de melhor diretor no evento de 2006 – o filme também ganhou pelo melhor roteiro -, os produtores deste filme já deixaram seus discursos de agradecimento ao alcance das mãos. Tradicionalmente, o vencedor de melhor direção também leva o prêmio de melhor filme do ano. Afinal, o filme é o produto do trabalho do diretor. Mas não. O próprio Jack Nicholson, que apresentava este prêmio, ficou surpreso ao ler que a estatueta de melhor filme iria para… Crash: No Limite, um filme mediano e de que ninguém mais se lembra.

Mas, como um Oscar não é tudo na vida, o filme de Ang Lee entrou para ahistória assim mesmo. Porque colocou dois homens vivendo uma experiência profunda de amor homossexual num cenário tradicionalmente marcado pelos machões: o faroeste. Foi a primeira grande produção a ter dois cowboys gays como protagonistas – embora Andy Warhol já tivesse feito Lonesome Cowboys, um de seus filmes experimentais, em 1969.

Ennis (Heath Ledger) e Jack (Jake Gyllenhaal) são dois vaqueiros que passam um tempo num trabalho solitário, em meio às montanhas. E acabam se apaixonando. O filme mostra como, ao longo de décadas, os dois se viram para esconder seu romance da sociedade e lutar contra o próprio preconceito.

 

filmes-lgbt-o-amor-e-estranho

3. O AMOR É ESTRANHO (Love is Strange)

Diretor: IRA SACHS

2014 – 94 min

É top porque…

Lembra que o inferno são os outros.

NOTA IMDb – 6,7

Onde ver – DVD, iTunes, Now

O título do filme, tradução literal do original inglês, tem uma dubiedade instigante. Ao pensarmos em filmes de amor entre dois homossexuais, logo vem à mente a luta pela aceitação, o preconceito. Daí o estranhamento que este filme provoca. Porque, fugindo dos clichês do cinema gay, a produção se concentra na forte conexão entre dois senhores, juntos há 40 anos, e as dificuldades da convivência.

Quando George (Alfred Molina) é demitido da escola católica onde leciona música (por ter casado com seu companheiro de longa data, o que mostra que há preconceito aqui, embora em segundo plano), o casal se vê em má situação financeira. E tem de morar de favor em casas de amigos – e pior, separados. Ben (John Lithgow) se sente um incômodo no lar de um casal mais jovem – e é assim mesmo que eles o tratam -, enquanto George sofre dormindo no sofá de um apartamento sempre na balada. Uma história tão humana – e independente de os personagens serem gays ou não – que o filme teve aprovação de 98% no site Rotten Tomatoes, que faz uma média das avaliações das críticas nos jornais e na internet.

 

filmes-lgbt-meninos-na%cc%83o-choram

4. MENINOS NÃO CHORAM (Boys Don’t Cry)

Diretor: KIMBERLY PEIRCE

1999 – 118 min

É top porque…

Lembra a dura vida dos transgêneros.

NOTA IMDb – 7,6

Onde ver – DVD, iTunes

Como se não bastasse o grande filme que é, Meninos Não Choram ainda revelou ao mundo o talento da atriz Hilary Swank – que ganhou o Oscar pelo papel principal e repetiria a dose cinco anos depois, com Menina de Ouro.

Baseado em uma história real, o filme aborda a difícil situação dos transgêneros, principalmente em cidades pequenas e conservadoras. Brandon Teena (Swank) é um garoto que chega a uma pequena cidade do Nebraska e logo se enturma com um grupo de amigos, conquistando inclusive o coração da bela Lana (Chloë Sevigny). Mas algo está esquisito ali: quando está prestes a fazer sexo, Brandon sempre se recusa a tirar a roupa. Até que o mistério se dissolve: o menino nasceu menina. O que não é bem aceito pelo grupo que o recebera – e o personagem se torna vítima das piores violências. Um relato quase documental de como a homofobia se instala na sociedade – e o sofrimento de suas vítimas.

 

filmes-lgbt-almas-gemeas

5. ALMAS GÊMEAS (Heavenly Creatures)

Diretor: PETER JACKSON

1994 – 99 min

É top porque…

Peter Jackson pré-Senhor dos Anéis.

NOTA IMDb – 7,5

Onde ver – DVD

Vencedor do Leão de Prata de melhor direção no Festival de Veneza, este filme – que revelou Kate Winslet – também é baseado numa história de verdade: a das adolescentes Juliet Hulm e Pauline Parker, duas amigas íntimas que vão ficando cada vez mais próximas. Diante da repressão contra seu romance, as duas enlouquecem, sonhando acordadas num universo de fantasia e literatura, onde seus grandes heróis são o cineasta Orson Welles eo tenor ítalo-americano Mario Lanza.

Percebendo a intensidade homoerótica entre as amigas – Pauline foi diagnosticada com o “distúrbio” do lesbianismo por um médico -, os pais de ambas tentaram separá-las. Má ideia. Elas decidiram assassinar a mãe de Pauline, que viam como obstáculo ao seu amor. Nem deram trabalho para apolícia descobrir tudo: Pauline contava a sua vida inteira num diário.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nereu Augusto Tadeu Ganter Peplow

    Não se esqueçam de WHEN NIGHT IS FALLING (Quando cai a noite)… 1995, dirigido por PATRÍCIA ROZEMA….. só porque não é tão “comercial”…..

    Curtir

  2. Apesar de não focar em um relacionamento LGBT específico, e sim em um grupo de gays e lésbicas ativistas, Pride (2014) é um filme muito bom sobre uma história real que aconteceu lá no Reino Unido e que no final deixa a gente com vontade de se engajar mais um pouquinho nas causas LGBT.

    Curtir

  3. Nicolas Ferreira

    Faltou o nacional Hoje Eu Quero Voltar Sozinho. Uma das melhores produções nacionais e que retrata de forma clara e juvenil os impaces da sexualidade na adolescência.

    Curtir

  4. Matheus José Prestes

    Quando vejo matérias que citam “Brokeback Mountain” ou “Orações para Bobby” como os filmes gays “tops”, realmente fico triste por se prenderem a clichês…. filmes incríveis esquecidos como Bubble, Além da Fronteira, O Pecado da Carne, Patrick 1.5, O Primeiro Que Disse, Contracorriente ou mesmo os brasileiros, Tatuagem ou Dzi Croquettes!

    Curtir

  5. TELMA E LOUISE PENSEI QUE ERA UM CLASSICO DAS SAPATAS

    Curtir