Esporte

O futebol foi inventado na Inglaterra

Os ingleses criaram regras no século 19, mas chineses e japoneses já batiam uma bola com os pés havia mais de 2 mil anos

por Reportagem Artur Fonseca

Não foram os ingleses que inventaram o futebol. O que eles fizeram, quando criaram a primeira associação de clubes no século 19, foi organizar e inventar regras para um esporte que já era praticado desde a Antiguidade. Na China e no Japão, por exemplo, jogava-se algo parecido havia mais de 2 mil anos. Gregos antigos também batiam uma bolinha com os pés, assim como os romanos da época do império.

O mais remoto ancestral do futebol moderno no Oriente talvez seja o tsu chu, jogado na China pelo menos desde o século 3 a.C. Fazia parte do treinamento militar e tornou-se tão popular que até a realeza o apreciava. Registros históricos dão conta de que, na dinastia Han, o imperador Wudi (156 a.C. - 87 a.C.) ordenou a mudança de todos os melhores jogadores para a capital do império - só para que ele pudesse assistir a jogos de alto nível. Fica provado, portanto, que futebol é um fenômeno de audiência desde os seus primórdios.

Cerca de 500 ou 600 anos mais tarde, em território japonês, surgiria outra prática esportiva semelhante ao futebol atual. Era o kemari, um jogo disputado num campo redondo (leia mais no quadro ao lado). Há indícios de que, em algum momento da história antiga, um grupo de jogadores desse esporte foi à China para um desafio contra praticantes de tsu chu. De certo ponto de vista, esse até poderia ser considerado o primeiro jogo internacional de todos os tempos.


Gregos e romanos


No Ocidente, a forma mais primitiva de futebol que se conhece é o episkyros, praticado na Grécia a partir de 800 a.C. Ele não chegou a ficar tão popular quanto a maioria das modalidades "olímpicas" da época, como arremesso de disco ou corrida, mas tinha lá seus admiradores. Alguns séculos mais tarde, em 146 a.C., os romanos invadiram a Grécia, aprenderam o jogo e fizeram algumas adaptações, criando o harpastum. Nesse esporte, assim como no episkyros, podiam-se usar as mãos além dos pés - o que o aproxima bastante do rúgbi também.

Talvez tenha sido desse jeito, pelos pés de soldados do Império Romano, que o futebol tenha chegado à Inglaterra, ainda nos primeiros anos da era cristã. Ou não! Alguns historiadores do esporte, sobretudo britânicos, defendem a tese de que a bola já rolava nos gramados da ilha antes mesmo de Roma enviar seus primeiros conquistadores. Seja como for, você pode ter certeza de uma coisa: o futebol, definitivamente, não é uma invenção dos ingleses.

 

 


Esporte bretão?

Que nada! Saiba onde, quando e como os ancestrais do futebol eram jogados

1. EPISKYROS
Onde - Grécia
Quando - Século 8 a.C.

Podia-se usar as mãos além dos pés. O campo era retangular, parecido com o do futebol moderno. E o número de jogares também era quase o mesmo de hoje: 12 para cada lado. A bola, porém, em nada lembrava as atuais - não passava de um saco de couro de cervo com 20 centímetros, cheio de serragem.


2. TSU CHU
Onde - China
Quando - Século 3 a.C.

A bola, feita de couro e preenchida com pelos de animais, tinha de ser chutada num gol - duas traves de bambu separadas por 30 ou 40 centímetros e com até 9 metros de altura. Nesse jogo, não era permitido usar as mãos. Numa de suas modalidades, o atacante tinha literalmente de lutar com a defesa adversária para chegar lá.


3. HARPASTUM
Onde - Império Romano
Quando - Século 1

Assim como o chinês tsu chu, era usado como exercício para os soldados do exército. Os jogadores podiam usar as mãos - sinal, para muitos historiadores do esporte, de que esse jogo é um ancestral tanto do futebol quanto do rúgbi. Disputado num campo retangular, o objetivo era chegar à linha de fundo adversária para marcar um ponto.


4. KEMARI
Onde - Japão
Quando - Século 2

Era jogado num campo redondo - chamado kikutsubbo - e não havia gol. O objetivo dos boleiros (de 2 a 12) era apenas manter uma bola no ar o maior tempo possível, usando os pés ou qualquer outra parte do corpo que não fosse as mãos. A pelota era feita de couro de veado e geralmente preenchida com grãos de cevada.

 

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Esporte

publicidade

anuncie