GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Cenouras naturais e coloridas chegam ao Brasil

Agora o vegetal pode ser encontrado nos tons branco, roxo, amarelo...

Antes que essa dúvida passe pela sua cabeça, adiantamos: o alimento é 100% natural. Segundo a Mister Rabbit’s Farm, que comercializa as minicenouras coloridas, há 5 mil anos os tons originais do vegetal eram roxo, vermelho, branco e amarelo.

O laranja só dominou o mercado lá pelo século 16. Só que pequenos agricultores continuaram produzindo as cenourinhas de cores vibrantes, que agora chegam aos supermercados do Brasil — já descascadas e higienizadas. “Essa possibilidade traz benefícios, porque as cores representam substâncias ativas diferentes”, informa a nutricionista Andrea Forlenza, diretora da Nutravie Consultoria Nutricional, em São Paulo.

(Reprodução/Divulgação)

5 tons de cenourinha

Entenda o que cada um significa nutritivamente

Roxo
O destaque são as antocianinas, parceiras do coração e das capacidades cognitivas.

Vermelho
Segundo Andrea, é sinal da presença de carotenoides e outras substâncias protetoras contra o câncer.

Laranja
O composto que chama atenção é o betacaroteno, que fortalece o sistema imune e a pele.

Amarelo
Reúne luteína e zeaxantina. “Alimentos desse tom resguardam as células e nossa visão”, afirma Andrea.

Branco
Oferece flavonoides, substâncias que contribuem para o bem-estar de nossas artérias.

Veja também

Como incluir as mini-cenouras no cardápio

Na salada
Elas podem ser misturadas à alface, ao tomate e afins. Não se esqueça de temperar com azeite e similares. É que a gordura melhora a absorção dos seus nutrientes.

Entre as refeições
As cenourinhas têm poucas calorias e muitas fibras, ótima combinação para um lanche. Mas tem que mantê-las na bolsa térmica ou na geladeira do escritório.

Como aperitivo
Sirva-as com um molho. A dica é misturar 1 pote de iogurte natural com 2 colheres (sopa) de suco de limão, K colher (chá) de sal e 1 pitada de páprica. Deixe na geladeira até servir.

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em Saúde