GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Cientistas matam câncer usando 50 vezes menos quimioterapia

A pesquisa, ainda não testada em animais, aponta que os efeitos colaterais podem diminuir

O tratamento contra o câncer pode estar avançando com medicamentos menos invasivos. Uma nova pesquisa feita pela Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, conseguiu desenvolver uma técnica que combate a doença usando 50 vezes menos medicamentos de quimioterapia.

A químio atual, apesar de combater o câncer com eficiência, age quase às escuras. Os medicamentos disponíveis no mercado não conseguem atingir tumores com precisão. Eles afetam uma área muito maior que o tumor e matam o câncer presente no interior dela. O problema é que partes saudáveis dessa região também são afetadas, causando efeitos colaterais.

LEIA: Câncer – A chave da vida e da morte

Algumas tentativas de delimitar a ação medicamentosa já vinham acontecendo há algum tempo. Até agora, pesquisadores usavam nanoparticulas de plástico para fazer com que a área saudável atacada fosse menor. O problema é que o corpo humano tendia a ver a tecnologia como uma célula invasora, ativando o sistema imunológico para atacá-la, de modo com que ela não chegasse no câncer. A ideia usada pelos pesquisadores de Chapel Hill é justamente usar a defesa do corpo para chegar na parte doente. O estudo colocou as doses de remédio da químio dentro de exossomos, estruturas extraídas de células brancas. Dessa forma, a medicação passava direto pelas defesas e atacava o câncer diretamente.

Por enquanto os testes com a nova técnica só foram realizados com células de ratos, estudadas em placas de Petri. O medicamento testado foi o paclitaxel, usado frequentemente para tratamentos de cânceres como de pâncreas, peito e pulmão. O próximo passo é fazer testes em animais para, só depois, tratar humanos. “Isso é importante porque talvez sejamos capazes de tratar pacientes com menores e mais precisas doses de quimioterapia, resultando em um tratamento mais efetivo com efeitos colaterais menores e mais brandos”, afirma Elena Batrakova umas das responsáveis pelo projeto.

LEIA TAMBÉM:
Por que temos câncer?
Como Steve Jobs tentou decifrar o câncer
Maconha :enrolando a cura

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.