GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Fazer sauna com frequência pode diminuir risco de Alzheimer

Segundo um estudo finlandês que durou 20 anos, relaxar no vapor pode trazer benefícios de longo prazo para a sua memória

Na Finlândia, a sauna é praticamente patrimônio nacional – o país gelado tem quase 1 sauna para cada dois habitantes. Mas o hábito de curtir o vapor quente pode trazer mais benefícios do que os finlandeses esperavam.

A Universidade da Finlândia Oriental investigou pela primeira vez a relação entre banhos de sauna e o Alzheimer. Os pesquisadores usaram dados de um estudo que investigou fatores de risco para doenças cardíacas. Mais de 2 mil homens finlandeses foram acompanhados por 20 anos.

No estudo, esses participantes foram divididos em três grupos, de acordo com a frequência com que iam à sauna: 1 vez por semana; 2 ou 3 vezes e de 4 a 7 vezes. Depois, os cientistas analisaram quais dos 2 mil participantes tinham desenvolvido algum tipo de demência, incluindo o Alzheimer.

O que os resultados mostraram é que, quanto mais banhos de sauna os finlandeses tomavam, menor seu risco de desenvolver Alzheimer e outras doenças que afetam a memória.

LEIAO campeonato mundial de sauna

Os homens que faziam sauna de 4 a 7 vezes na semana tinham um risco 65% menor de desenvolver Alzheimer e uma redução de 66% nas chances de sofrer com outros tipos de demência, quando comparados aos finlandeses que só iam à sauna uma vez no mesmo período.

Para ter certeza que o benefício vinha da prática da sauna, os cientistas filtraram outros fatores de risco à saúde, como diabetes, histórico cardíaco, peso e consumo de drogas. Mesmo assim, a relação entre sauna e prevenção do Alzheimer foi mantida.

O pesquisador que liderou o estudo, Jari Laukkanen, disse em um comunicado à imprensa que as pesquisas anteriores também mostram que a prática da sauna ajuda a melhorar a saúde cardiovascular, e os dois resultados podem estar conectados de uma forma que sua equipe ainda não compreende.

A pesquisa foi abrangente, mas a amostra era bastante específica: só de homens, entre seus 47 e 60 anos, que moravam na região leste da Finlândia. Os estudos precisam ser repetidos em uma população mais diversificada (e talvez menos fanática por saunas) para garantir que a sauna é mesmo um jeito consistente de proteger a memória e prevenir a demência.