GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Viciados em remédios

A máquina de propaganda da indústria farmacêutica, a irresponsabilidade de muitos médicos e a ignorância dos usuários criaram um novo tipo de vício, tão perigoso quanto o das drogas ilegais: a farmacodependência

Jomar Morais, Alceu Chiesorin Nunes

Um dia, sem querer, você abre uma das gavetas do seu filho adolescente e encontra um cigarro de maconha. A sensação é de decepção, medo, angústia, seguida da terrível constatação: “Meu filho é um drogado”. Enquanto torce mentalmente para que ele não esteja viciado, você, sem perceber, se vê abrindo a gaveta de remédios para retirar o calmante que usa nos momentos de tensão, antevendo a inevitável e difícil conversa que precisará travar quando ele chegar. É nessa gaveta de medicamentos que você encontra o alívio para o corpo e a alma. São analgésicos para a dor, ansiolíticos para relaxar, antiinflamatórios e até mesmo comprimidos de anfetamina usados para conter o apetite que tantas vezes você não consegue controlar naturalmente. Em meio ao nervosismo, você não se dá conta de que alguns desses remédios ingeridos diariamente podem causar mais danos e dependência que as substâncias que você conhece como “drogas ilícitas”.

Esteja certo: se um químico fizesse uma análise fria das substâncias encontradas na sua gaveta e na do seu filho, o garoto não seria o único a precisar de uma conversa séria sobre o perigo de se amparar em muletas psicoativas.

“Do ponto de vista científico, não há diferença entre um dependente de cocaína e um viciado em remédios que contêm anfetamina”, diz o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Programa de Orientação e Assistência a Dependentes ( Proad), da Universidade Federal de São Paulo. “Droga é droga, não importa se ela foi comprada num morro ou numa farmácia dentro de um shopping.” Se é assim, como explicar a extrema intolerância social diante das drogas ilícitas acompanhada de uma permissividade leviana diante de drogas prescritas pelos médicos (que coloca o Brasil no quinto lugar em consumo de medicamentos)? Afinal, precisamos mesmo de tantos remédios?

Segundo a maioria dos especialistas, a resposta é não. Apesar dos problemas de saúde da maioria dos brasileiros pobres, que mal conseguem ter acesso a alimentos básicos, e das doenças comuns entre a classe média e os ricos, o uso abusivo e irregular de medicamentos cresce numa velocidade preocupante. O número de farmácias per capita no país é um bom indicador do problema. Há uma drogaria para cada 3 mil habitantes, mais que o dobro do recomendado pela Organização Mundial de Saúde. Ou seja: há mais pontos-de-venda de remédios no Brasil do que de pão – são 54 mil farmácias contra 50 mil padarias. Drogas químicas podem ser compradas por telefone e pela internet, com ou sem receita médica. Balconistas diagnosticam doenças e “tratam” pessoas com remédios da moda, dos analgésicos às pílulas contra impotência.

O resultado é alarmante: segundo dados do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), o Brasil teve 22 121 casos de intoxicação, no ano de 2000, provocados pelo uso indevido de remédios, quase um terço de todos os casos registrados. “E isso é só a ponta do iceberg”, diz Rosany Bochner, coordenadora da instituição. “Como não recebemos informações de todos os estados e nem sempre os médicos assumem os erros de prescrição, esse número deve ser pelo menos quatro vezes maior.” Se ela estiver certa, o número de casos no Brasil passaria dos 100 mil. Nos Estados Unidos, onde a situação é bem mais grave, 1 milhão de pessoas são intoxicadas por medicamentos todos os anos. Com dados tão alarmantes, você deve estar se perguntando por que a população de lá não pressiona o seu governo a usar parte da fortuna usada no combate às drogas ilegais (no ano de 2000, foram 39 bilhões de dólares) em campanhas de prevenção de intoxicação por medicamentos. Boa pergunta.

“É que a gravidade desses dados termina sendo mascarada nas estatísticas”, diz a coordenadora do Sinitox. Ela explica que as pesquisas norte-americanas, por exemplo, classificam os casos de intoxicação por tipo de medicamento, separando analgésicos de antidepressivos e assim por diante. “Somados, os medicamentos também são a maior causa de intoxicação por lá”, diz Rosany. “Mas, devido a essa classificação, são os produtos de limpeza que aparecem como vilões em primeiro lugar, já que estão agrupados numa única categoria.”

Enquanto prevalece uma estranha cortina de silêncio sobre o problema, milhares de pessoas que ingerem medicamentos correm, sem saber, risco de se tornarem dependentes. Um problema que conta com a irresponsabilidade de alguns médicos e os interesses bilionários de uma das mais poderosas forças econômicas mundiais: a indústria farmacêutica.

Overdose de lucros

É inegável que as marcas da indústria farmacêutica estão longe da popularidade de nomes como Microsoft ou McDonald’s. Mas não se engane com essa aparente falta de glamour. Afinal, laboratórios farmacêuticos são o negócio mais lucrativo do planeta, perdendo apenas para as companhias de petróleo. Segundo uma estimativa da revista inglesa Focus, o setor teria faturado, no ano passado, 406 bilhões de dólares. A contradição é que enquanto os laboratórios estão cada vez mais saudáveis do ponto de vista financeiro, a imensa maioria dos habitantes do mundo permanece doente. Por que isso acontece? A resposta é simples: apenas 1% dessa montanha de dinheiro veio da África, onde a maioria dos seus 800 milhões de habitantes padece de doenças endêmicas e não tem recursos para comprar medicamentos. Sem consumidores com bom poder aquisitivo, os laboratórios não se interessam em fabricar remédios baratos ou voltados para as doenças de países pobres.

“Para essas multinacionais, é mais lucrativo criar medicamentos para doenças crônicas como o diabete ou problemas cardíacos, uma vez que o paciente vai precisar continuar consumindo o remédio até o fim da vida”, diz a química Eloan Pinheiro, diretora do laboratório Farmanguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz, que produz medicamentos que estão ajudando o governo brasileiro a ser auto-suficiente – e um modelo para o mundo – no combate à Aids. Não é à toa que 66% das vendas dos laboratórios emergiram dos países da América do Norte e da Europa, cuja população de 730 milhões de pessoas ostenta a renda mais alta do mundo e gasta fortunas com medicamentos de última geração. Estima-se que, no mesmo período, a indústria farmacêutica brasileira faturou cerca de 7,5 bilhões de dólares, cifra que pode parecer nanica diante dos 170 bilhões de dólares das vendas nos Estados Unidos, mas que é bastante significativa na estatística mundial do setor (veja o gráfico na página 46).

São mais de 32 mil rótulos no país, com variações de 12 mil substâncias – um exagero, considerando a lista de medicamentos essenciais para o bem-estar, da Organização Mundial de Saúde (OMS), de apenas 300 itens, ou mesmo as 6 mil drogas disponíveis nas farmácias britânicas. Os brasileiros adoram tomar analgésicos e antiinflamatórios e estão entre os campeões de consumo de ansiolíticos, os conhecidos tranqüilizantes, adquiridos indiscriminadamente para acabar com insônia, inquietação ou o simples mau humor de um dia aziago. A dependência de sedativos é um hábito que os jovens aprendem rápido com os pais. Nesse particular, contudo, as mulheres são imbatíveis: são elas que respondem por 75% do consumo de tranqüilizantes no país, talvez pelo fato de, segundo um estudo da Escola Paulista de Medicina na década passada, apresentarem o dobro dos casos de nervosismo e outros distúrbios psicológicos dos homens.

Conflito de Interesses

A força dessa indústria é tão grande, que pesquisadores e entidades médicas como a Associação Americana de Medicina estão questionando a própria idoneidade da informação produzida por universidades e centros de pesquisa patrocinados por laboratórios. Afinal, no ano 2000, a indústria farmacêutica financiou 70% dos testes de drogas clínicas realizados por instituições de pesquisa “independentes” dos Estados Unidos, o que custou aos cofres dos laboratórios 60 bilhões de dólares. Há quem afirme que o preço pago pelos centros de pesquisa por esse tipo de parceria pode ter sido alto demais. “Os patrocinadores decidem quem vai trabalhar no estudo e excluem quem tem pontos de vista conflitantes com os seus interesses”, afirma Steven Cummings, diretor do programa de pesquisa clínica da Universidade da Califórnia, em São Francisco.

São comuns também a imposição de cláusulas de confidencialidade que impedem a divulgação de resultados e o intercâmbio de dados entre cientistas, duas restrições quase fatais para a produção de conhecimento científico. “A ciência depende de um fluxo aberto e livre de informação”, diz o pesquisador Steven Rosenberg, do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos. “No entanto, quanto mais a pesquisa é sustentada por companhias privadas, mais a ética dos negócios atropela a ética da ciência.”

Os conflitos de interesses entre cientistas e a indústria farmacêutica vêm sendo objeto de estudos importantes nos últimos quatro anos. Um dos mais rumorosos aconteceu no Canadá, onde a hematologista Nancy Olivieri, da Universidade de Toronto, conduziu uma pesquisa sobre uma droga desenvolvida pelo laboratório Apotex para tratamento da talassemia, um tipo de anemia que ocorre principalmente entre populações que vivem em áreas próximas do mar Mediterrâneo. Ela constatou que o remédio expunha os pacientes a danos no fígado e no coração, mas foi impedida de compartilhar os dados com outros colegas e de advertir o público sobre os riscos da droga porque a Apotex evocou a cláusula de confidencialidade do contrato. Como a comunidade dos pesquisadores ficou ao lado da hematologista, a Universidade de Toronto acabou alterando sua política de parceria com os laboratórios – ainda assim, a Apotex manteve o sigilo das informações sobre os efeitos colaterais do seu produto.

Em Winston-Salem, na Carolina do Norte, Estados Unidos, uma equipe de cinco pesquisadores da Universidade Wake Forest, chefiada por Curt Furberg, passou cinco anos pesquisando e produzindo relatórios comparativos entre um novo bloqueador de cálcio do laboratório Sandoz, atual Novartis, e um diurético. Mas o patrocinador recusou a conclusão quando a equipe constatou que o novo remédio, destinado a regular a pressão sanguínea e reduzir a calcificação de artérias, era menos eficaz que o diurético. A equipe foi convidada a refazer seu relatório sucessivamente até que, quando chegaram à mesma conclusão pela décima vez, os próprios cientistas desistiram da pesquisa. “Não conseguimos nenhum resultado, mas é preciso ter princípios”, afirma Furberg.

Outro caso famoso envolveu o laboratório Knoll Pharmaceutical e a pesquisadora Betty Dong, da Universidade da Califórnia. Betty publicara um levantamento parcial que sugeria que o remédio Synthroid, contra distúrbios da glândula tireóide, era mais eficaz que os seus concorrentes. Foi então contratada pelo Knoll, por 250 mil dólares, para realizar um estudo mais profundo que, no entanto, revelou que o Synthroid não tinha nada de especial. Resultado: Betty foi impedida de divulgar os seus dados, apesar de outros pesquisadores terem chegado à mesma conclusão.

O que diz de tudo isso a indústria farmacêutica? “Quando realiza uma pesquisa, a indústria investe alto e não é justo que a divulgação dos dados beneficie os concorrentes”, diz o biólogo Ciro Mortella, presidente da Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica (Febrafarma). “Os laboratórios são empresas que precisam apresentar resultados a seus acionistas. Não somos monges, mas somos éticos.”

Pelo menos nas últimas duas décadas, os acionistas da indústria farmacêutica não têm motivos para queixas, em parte graças ao retorno da pesquisa permanente de novos medicamentos, algo que consome 21% do faturamento do setor, mas que gera resultados bastante compensadores. Somente em pesquisas cada novo remédio custa entre 300 e 500 milhões de dólares. Mas os lucros quase sempre superam em muito o investimento. O Viagra está aí para provar. Uma das minas de ouro da Pfizer, o remédio rendeu 1,3 bilhão de dólares apenas em 2001. No mesmo período, os novos ansiolíticos e drogas para doenças cardiovasculares faturaram 90 bilhões de dólares.

O irônico é que muitas das oportunidades de lucro no setor surgem dos efeitos adversos dos próprios medicamentos que já estão em uso. Ou seja: a complicação provocada por um remédio pode ser a chave para uma nova droga, destinada a outra doença. No final, a marca será direcionada para o efeito farmacológico mais lucrativo. Um exemplo é o Proscar, do laboratório Merck. Quando foi lançado, há cerca de dez anos, era apenas um supressor hormonal indicado para doenças da próstata. Com o tempo, percebeu-se que um dos efeitos indesejáveis da droga era o crescimento do cabelo, o que levou o laboratório a relançá-lo como remédio para calvície. Fenômeno similar aconteceu com o Wellbutrin, antidepressivo produzido nos anos 80 pela Glaxo, à base de cloridrato de bupropiona. Como muitos usuários da droga perdiam a vontade de fumar, a Glaxo registrou de novo o produto, sob a marca Zyban, agora indicado para quem tenta se livrar do tabagismo.

No ano passado, a indústria farmacêutica colocou no mercado global 69 super-remédios. Frutos do desenvolvimento da biotecnologia, o lançamento de drogas de última geração foi 17 vezes maior do que há dez anos, quando apenas quatro super-remédios foram produzidos. A febre de lançamentos amplia o número de títulos nas prateleiras das farmácias a cada ano em escala geométrica, apesar de especialistas do Centro Cochrane, organização que procura mapear e avaliar o conhecimento médico em 15 países, advertirem recentemente ao público que, quando o assunto são medicamentos, nem sempre o novo e o mais caro é o melhor.

É claro que as propagandas desses novos remédios lutam para provar o contrário. No início dessa década, por exemplo, o antialérgico Claritin chegou a gastar mais com propaganda do que a Coca-Cola. Ao tratarem medicamentos como um produto qualquer (prometendo às vezes efeitos irreais), os anúncios conseguiram aumentar as vendas dessas drogas em 21% em apenas um ano – segundo a consultoria americana Scott-Levin.

Junto às farmácias, o cerco da propaganda é ainda maior, com a distribuição de prêmios aos donos e balconistas que atingirem metas de vendas através da conhecida “empurroterapia”, a sugestão feita ao cliente que aparece na farmácia sem receita e que quer se livrar a qualquer preço de algum mal-estar. Resultado: apenas um terço das 400 milhões de caixas de remédio vendidas por ano no Brasil veio de prescrições médicas. “Em outros países, como nos Estados Unidos, há um controle mais rígido na farmácia entre os chamados remédios leves e os que requerem receita médica”, diz Rosany Bochner, coordenadora do Sinitox. “Mas esse controle não é suficiente, uma vez que essas drogas leves não são tão leves, principalmente quando não se limita a quantidade da compra.”

Cerco Médico

Talvez não seja tão difícil entender os motivos que levam balconistas desinformados a incentivar a compra desnecessária de alguns remédios. Mas e os médicos? Será que eles são imunes a esse tipo de abordagem? Tudo indica que não. Afinal, é difícil acreditar que os laboratórios dos Estados Unidos cheguem a gastar à toa cerca de 14 bilhões de dólares para convencê-los a prescrever seus remédios. Há um vendedor para cada 11 médicos americanos, representantes que trabalham com uma munição que inclui amostras grátis e brindes como canetas e relógios – tudo para que suas marcas sejam lembradas na hora da receita. Nada de mais, se os incentivos parassem por aí. O problema é que os laboratórios estão cada vez mais “generosos” e não é raro que esses mimos cheguem a incluir jantares em restaurantes de luxo, viagens internacionais e participação em congressos, com tudo pago.

Esse tipo de cerco aos médicos tornou-se tão incômodo que algumas clínicas, como a Everett, de Washington, decidiram não mais receber esses representantes dos laboratórios, a fim de preservar a liberdade de prescrição da sua equipe. “Os médicos estão cada vez mais ocupados e quase não têm tempo para ler sobre as novas drogas”, diz o pesquisador Stephen Soumerai, da Universidade de Harvard. “Com isso, a influência da propaganda feita pelos representantes da indústria farmacêutica torna-se quase incontrolável.”

No Brasil, também é comum que os médicos recebam presentes dos laboratórios, o popular jabá. A banalização dessa prática levou o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) a bater forte na indústria farmacêutica e a exigir um comportamento ético dos profissionais ante o cortejo de vendedores. Há três anos, o então presidente do Cremesp, Pedro Paulo Monteleone, acusou os laboratórios de intervirem de forma abusiva no setor médico. Segundo ele, o patrocínio de eventos e o pagamento de passagens para médicos teriam criado uma situação de dependência que, em alguns casos, praticamente havia transformado os congressos em encontros propagandísticos dos laboratórios. Na época, José Eduardo Bandeira de Melo, representante da então Abifarma (atual Febrafarma), rebateu essa afirmação e colocou a culpa nos médicos, dizendo que eram eles que exigiam favores da indústria, ameaçando até não mais receitarem seus produtos caso não recebessem passagens aéreas ou o pagamento desses cursos e encontros.

A atual posição da Febrafarma é mais amena. Segundo Ciro Mortella, atual presidente da entidade, essas acusações não são de médicos, mas de políticos em busca de promoção pessoal. “É ridículo imaginar que, após sete anos de estudo, um médico se comporte como um mentecapto e se deixe manipular como uma criança”, afirma Ciro.

Mas, se é ingenuidade atribuir à ganância dos laboratórios toda a culpa pelo abuso de medicamentos, quem seriam os outros responsáveis? Foi tentando responder essa pergunta que alguns especialistas chegaram à conclusão de que o problema pode estar em certos vícios da própria abordagem médica.

Tradicionalmente, o que a medicina chama de doença são mudanças estruturais em nossas células, causadas por agentes específicos que devem ser combatidos com o uso de substâncias externas – os medicamentos. Mesmo reconhecendo que uma série de doenças são de fundo psicológico (as chamadas doenças psicossomáticas), boa parte dos médicos vêem no momento da prescrição uma forma prática e segura de abreviar a consulta. “À medida que o médico tem menos tempo e disponibilidade para conversar e se dedicar aos seus pacientes, mais propenso fica a receitar medicamentos”, diz o psiquiatra e psicanalista José Atílio Bombana, da Unifesp. “Ele abre mão da sua grande arma terapêutica, que é o contato com o paciente, e adota como única resposta a medicação, o que, naturalmente, estimula a utilização de remédios.”

Nessa rotina, não é raro que um paciente seja indicado a tomar psicotrópicos (como um calmante) ou drogas para hipertensão no fim de uma consulta de apenas dez minutos – tempo no qual é impossível para o médico levantar o histórico do paciente. Como conseqüência, vem a automedicação, uma vez que o paciente tende a concluir que, se o médico gastou menos de dez minutos para prescrever o remédio, é bem provável que a droga não seja tão perigosa. Ou que a decisão do médico não tenha tantas conseqüências. Assim, a mesma decisão poderia ser tomada pelo balconista da farmácia ou pelo próprio paciente.

O problema é que os especialistas sabem que qualquer droga é perigosa, em maior ou menor grau. Tome-se o caso das reposições hormonais. Um único miligrama de hormônio – substância que, em sua forma natural, é produzida por uma glândula – é suficiente para alterar o funcionamento de sistemas vitais, as características morfológicas e o humor de uma pessoa. Bastam, por exemplo, 50 trilionésimos de grama de estrógeno por mililitro de sangue para garantir às mulheres as formas arredondadas e os traços delicados que são a marca do sexo feminino. Como a produção natural de estrógeno decai na menopausa, tornou-se hábito suplementá-lo em mulheres nessa fase da vida com a adição de hormônio sintético. O problema é que, desde a década de 70, efeitos deletérios vêm sendo constatados, entre os quais o câncer de útero.

Em julho passado, o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos anunciou que as mulheres submetidas a tratamento com o repositor hormonal Premelle estavam mais sujeitas a infarto, derrame e câncer de mama.

“Todo remédio tem efeitos colaterais”, afirma Arnaldo Lichtenstein, clínico-geral do Hospital das Clínicas, em São Paulo. Os antialérgicos causam sonolência e dificuldade de concentração. Os antibióticos prejudicam rins e fígado e até podem causar surdez. A cortisona provoca pressão alta e úlcera; antiinflamatórios podem provocar úlcera, gastritre e hemorragia digestiva. Até os popularíssimos suplementos vitamínicos podem ter conseqüências indesejáveis. O excesso de vitamina C pode levar à formação de pedras nos rins e o das vitaminas A, D, E e K, causar lesões no fígado. Muita vitamina A provoca também fadiga, insônia e agitação. O pior é que a intervenção para aliviar tais efeitos, com o uso de outros medicamentos, não raro fecha um circuito de complicações das quais o paciente não consegue se libertar facilmente.

Evitando a dependência

“Qualquer pessoa pode se tornar dependente de medicamentos”, diz o psiquiatra Marcelo Niel, um dos coordenadores do Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Proad). Ele diz que os dois casos mais comuns de dependência estão ligados aos benzodiazepínicos (calmantes) e às anfetaminas (usadas como moderadores de apetite). “Quando os comprimidos acabam, os dependentes têm tremores, taquicardia e, no caso dos dependentes de anfetamina, até surtos psicóticos”, diz o psiquiatra. Marcelo, contudo, reconhece que há uma classe de pessoas que está mais propensa a desenvolver uma relação conturbada com os remédios. Se você está pensando no seu amigo hipocondríaco, acertou.

É verdade que, pelo menos uma vez na vida, é normal sentir temores infundados acerca da própria saúde. Mas, como os hipocondríacos simplesmente não conseguem parar de se sentir doentes, eles terminam se tornando alvos frágeis da tendência ao abuso de remédios. Em geral, pessoas assim visitam a farmácia como se fossem a uma loja. Adoram novidades da indústria farmacêutica e sabem de cor todas as bulas. E, é claro, se irritam profundamente quando o médico diz que eles não têm nada. “Ele acha que estou fingindo”, pensam nesse momento. E, de fato, os hipocondríacos não estão fingindo. Eles sentem a dor de que estão se queixando e sofrem com os sintomas da sua doença. A diferença é que seu mal está na mente e no complicado mecanismo que rege suas emoções e suas relações com o mundo exterior. Ao contrário do que muita gente pensa, a hipocondria não é um distúrbio raro.

Cerca de 5% dos casos de pacientes atendidos em clínicas e hospitais se enquadram nessa classificação, sem falar no fato de que mais de 80% dos diagnósticos médicos se resumem à sigla DNV (distúrbio neurovegetativo), a crise hipocondríaca que atinge as pessoas comuns, na agitação da vida moderna.

“A hipocondria é um dos recursos do homem para lidar com as dores do drama de sua existência”, diz o psicólogo Rubens Volich em seu livro Hipocondria: Impasses da Alma, Desafios do Corpo. Com suas queixas, eles acabam conseguindo que o médico solicite exames e prescreva remédios. Sentem-se aliviados por alguns dias e, depois, encontram outro motivo para voltar ao consultório ou ao hospital. Às vezes, por obra dos próprios efeitos colaterais dos medicamentos ingeridos.

“A maioria dos hipocondríacos sofre de depressão”, diz o psiquiatra Marcelo Niel. “E, enquanto esse problema não for tratado, eles continuarão expostos a medicamentos desnecessários.” Como estão sempre ingerindo medicamentos, eles se tornam mais propensos a se tornarem dependentes. Mas como saber quem é viciado e quem não é?

Marcelo diz que as pessoas devem ficar alertas quando sentirem que estão condicionando vários momentos da vida ao uso de algum medicamento. Ele diz que considera normal que alguém tome um calmante em um momento especialmente insuportável. “O problema é quando qualquer situação de desconforto passa a ser esse momento crítico”, diz o psiquiatra. Essa seria a hora de buscar orientação, antes que o sujeito venha a precisar de uma pílula para dormir, de outra para acordar, ou de uma para sentir fome etc.

A maioria dos especialistas parece concordar num ponto de que pouca gente se dá conta: a maior parte das doenças pode ser curada pela ação do próprio organismo. “A natureza resolve sozinha 90% dos problemas de saúde”, diz o médico Daniel Sigulem, professor da Universidade Federal de São Paulo. “Em geral, pede-se aos médicos apenas que não atrapalhem.” Enfim, o que precisa ficar claro é que a ausência de remédios na vida de uma pessoa é uma garantia e quase sempre um sinal maior de saúde do que a presença maciça deles. Uma conclusão que, com certeza, você não vai encontrar na bula de nenhum medicamento.

Mercado de elite

O desequilíbrio no faturamento mundial da indústria farmacêutica

Em US$ bilhões (2002)

América do Norte – 169,5

Europa – 100,8

Japão – 45,8

América Latina e Caribe – 30,5

Ásia – 20,1

Oriente Médio – 10,6

Europa Oriental – 7,4

Índia – 7,3

Austrália – 5,4

África – 5,3

“Eu não conseguia parar de tomar”

“Como queria emagrecer, fui, há mais de dez anos, a um endocrinologista e ele me receitou um moderador de apetite, que não surtiu muito efeito. Pedi um remédio mais forte e ele me passou um comprimido à base de anfetamina. Na receita estava escrito um comprimido por dia. Insatisfeita com os resultados, resolvi tomar dois por conta própria. Como perdi até o apetite para almoçar, cheguei a perder 20 quilos. Mas o remédio não mexeu só com o meu apetite. Senti que os comprimidos me deixavam mais agitada, rápida no trabalho, elétrica. E, quando o remédio acabava, ficava ansiosa, deprimida, voltava a engordar. Procurava novamente o médico em busca de mais receita e, quando ele não receitava, comprava diretamente na farmácia.

Por não conseguir parar de tomá-los, cheguei a ficar desacordada e parar no pronto-socorro depois de tomar alguns comprimidos com álcool. Como passei a me sentir mal quando não tomava o remédio, há dois anos terminei no Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes, do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo). Os psiquiatras trocaram minha medicação, tive apoio de terapeutas, mas ainda hoje tenho seqüelas do uso abusivo da anfetamina. Tenho dificuldade de concentração, fico inquieta, como se ainda precisasse do remédio. Apesar da ajuda da terapeuta, continuo me achando gorda e sinto que a qualquer instante posso ter uma recaída.”

M.R. é dona-de-casa, mora em São Paulo e tem 55 anos

Para saber mais

Na livraria

Hipocondria – Impasses da Alma, Desafios do Corpo

Rubens Marcelo Volich, Casa do Psicólogo, São Paulo, 2002

Medicamentos e Suas Interações

Seizi Oga, Atheneu, São Paulo, 2001

A Doença Como Caminho

Thorwald Dethlefsen e Rudiger Dahlke, Cultrix, São Paulo, 1997

Drogas

Rodrigo Vergara, “Colecão Para Saber Mais” Editora Abril, São Paulo, 2003

Na internet

http://www.pne.com.au/~cafmr/online/medical/drug1a.html

http://www.febrafarma.org.br