GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O cupido tem uma loja em Nova York

Na era do Tinder, ainda tem gente unindo casais com fichas, “feeling” e sem algoritmos

Se na Itália, o deus romano do amor era chamado de Cupido, tinha jeitos de anjo e andava sempre com um arco para acertar os corações de homens, mulheres e deuses, em Nova York, o cupido pós-moderno usa óculos gigantescos, minivestidos psicodélicos, cabelo laranja e se chama Amy Van Doran.

(Amy Van Doran/Divulgação)

Ao contrário do ser mitológico, Amy não dá flechadas ao acaso. Dona do Modern Love Club, no descolado bairro de East Village, ela e sua equipe de recrutadoras já uniram mais de 7 mil casais em uma década de trabalho e se orgulham de arranjar relacionamentos sem algoritmos, curtidas ou tecnologias de geolocalização.

O clube começou quando Amy percebeu que até seus amigos mais atraentes, descolados e interessantes tinham dificuldades na hora de ter encontros. Então ela iniciou um trabalho de curadoria de parceiros: montou um estante em um parque convidando as pessoas a conversarem com ela e, em seguida, fazia “matches analógicos” entre elas. O método de paquera arranjada de Amy deu tão certo que, em seguida, nasceu o Modern Love Club.

Apesar de rococó, esse modelo de promoção de encontros nada tem a ver com a defasada fórmula dos escritórios de porta fechada e endereços duvidosos onde homens mais velhos e ricos buscavam noivas mais jovens. O excêntrico e artsy clube de Amy subverte essa lógica – metade da clientela é feminina e o restante é masculina. E para quem passa em frente à vitrine colorida do Modern Love Club, é difícil saber se o estabelecimento é uma loja de doces ou uma galeria caleidoscópica de decoração. Nesta sede do amor, nenhum objeto está à venda.

O foco de Amy é em empoderar pessoas solteiras das mais variadas orientações sexuais e idades a encontrarem parceiros sem julgamentos – desde que elas sejam criativas, divertidas e descoladas. Ou seja, não basta estar solteiro, você tem que ser “legalzão” para ser flechado.

LEIA: Paixão leva um quinto de segundo para acontecer

Match analógico

Pergunte para os seus avós como era se envolver com pessoas, até então, desconhecidas – ou seja, na era pré-tinder, chats online ou por telefone. Provavelmente a resposta será parecida com o método de Amy: conversa, bate papo off-line.

Para se tornar parte do clube, Amy entrevista o cliente por aproximadamente uma hora sobre suas preferências, história de vida, relações passadas e faz desde perguntas bastante práticas como altura, renda anual e posição política até questões bastante subjetivas como “Como é/foi o relacionamento dos seus pais?”ou “Como foi crescer na sua casa?”. Assim, o cliente entra para mais umas das fichas de pretendentes disponíveis no arquivo(um ficheiro mesmo!)  do Modern Love Club. Amy conta que costuma pensar em seus clientes como personagens e imaginar histórias românticas entre eles. Para manter o negócio afiado, Amy só trabalha com 16 clientes por vez.

Mas nem só de encontrar o amor vive o clube do amor, por isso ela também oferece outros serviços. Há basicamente quatro atividades principais: o tradicional arranjo personalizado de casais, os eventos de encontros, sessões de conselhos sobre relacionamentos (o que você está fazendo certo ou errado nos seus relacionamentos) e sessões de conselhos sobre a paquera (os erros e acertos na hora da conquista).

Só que, além de ser difícil de encontrar, o amor também é salgado. Um contrato de seis meses pode chegar a 20 mil dólares. O preço é o mesmo se você se apaixonar no primeiro ou no centésimo encontro.

Neste clube não há promessas de amor eterno ou de relacionamentos de sucesso, mas há garantias de autoconhecimento e conexão com outros seres humanos – sem necessidade de Wi-Fi.

LEIA: 3 dicas da ciência para esquecer um amor