Pólos magnéticos: Quando a Terra gira torna-se um imenso ímã

Como se forma o campo magnético da Terra?

 

É verdade que os pólos magnéticos norte e sul se invertem com o tempo?

“No interior da Terra, entre 2 900 e 5 200 quilômetros de profundidade, há uma camada de fluido constituída principalmente por ferro”, explica o geofísico Igor Pacca, do Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo. Com o movimento de rotação do planeta o fluido também roda. Como a parte mais externa do globo é constituída por rochas sólidas, há um atrito entre as duas camadas, fazendo com que o fluido gire formando espirais (veja infográfico). As correntes circulares que se formam comportam-se como os fios de um dínamo nos quais as cargas elétricas correm em círculo. Sempre que há cargas caminhando numa mesma direção forma-se campo magnético. É assim que a Terra transforma-se em um imenso ímã.

O campo tem sempre uma orientação, que se convencionou chamar de norte. Apesar de o norte magnético não coincidir exatamente com o norte geográfico, a diferença entre eles é pequena. Mas nem sempre foi assim. Estudos recentes de resíduos magnéticos em rochas e no solo dos oceanos mostraram que o campo magnético da Terra já teve sua polaridade invertida pelo menos 170 vezes em 100 milhões de anos. A última delas aconteceu há cerca de 700 000 anos. Seria como se pegássemos uma bússola e ela apontasse para o nosso sul geográfico. Os cientistas ainda não conseguem explicar o porquê da inversão. Teoricamente, a Terra teria que passar a girar para outro lado para inverter a orientação do campo. Só que isso nunca aconteceu.

Como as inversões não ocorreram em períodos regulares não é possível prever quando será a próxima. Existem ainda variações menores na orientação do campo. Ele tende a sofrer pequenos desvios para oeste. Uma das explicações é que o núcleo central da Terra é sólido. Por isso ele anda mais devagar que a camada externa fluída, freando ligeiramente o movimento e provocando um pequeno desvio.

O giro interno da Terra

O núcleo externo da Terra é constituído de ferro derretido, praticamente líquido. Quando ele gira, junto com o movimento de rotação, o atrito com a área sólida formada por rochas faz com que se formem redemoinhos que parecem cilindros (veja em cima, à direita). As cargas elétricas que correm nos cilindros formam o campo magnético.

publicidade

anuncie

Super 336 - Astrologia funciona (mas não como você imagina) E mais: seu signo talvez não seja aquele que você pensa. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 336
agosto/2014

Astrologia funciona (mas não como você imagina)
E mais: seu signo talvez não seja aquele que você pensa.

- sumário da edição 336
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Tecnologia

publicidade

anuncie