Aí Pode?

Qual é a diferença entre mp3 e mp4?

O resultado é que você precisa usar um programinha no computador pra tornar o vídeo compatível com o tocador, e muitas vezes a transformação compromete bastante a qualidade.

por Texto Pedro Burgos

São dois tipos de arquivos de computador: o mp3, criado há 16 anos, designa arquivos que quando abertos só tocam áudio. Já o mp4, bem mais recente, é um padrão que tem arquivos exclusivamente de áudio (.m4a) e outros que trazem vídeo (.m4v, .m4p) em boa resolução. O iPod de 5ª geração, com telinha multicolorida de cristal líquido, foi o primeiro lançado com o padrão mp4, que permite colocar no bolso umas 3 temporadas de Lost. Mas já há várias imitações.

Acontece que muitos mp4 players não tocam o que se propõem. Vários “iPobres” – como são chamados maldosamente os tocadores multimídia genéricos – que vêm com uma tela de LCD são vendidos como mp4, mas na verdade usam outra compressão de vídeo, diferente da usada pela Apple. O resultado é que você precisa usar um programinha no computador pra tornar o vídeo compatível com o tocador, e muitas vezes a transformação compromete bastante a qualidade.

Além de vídeo, o mp4 é um padrão de áudio mais moderno que o mp3. A música em formato mp4 tem qualidade um pouco melhor e muitas vezes o arquivo é menor que o mp3. As empresas que vendem músicas na internet vêem outra vantagem no mp4: ele pode vir com tecnologia de proteção contra cópias. Bom para as empresas, nem tão bom pra quem gosta de trocar músicas. Por isso mesmo, ainda é bem mais fácil achar arquivos mp3 “de graça” pela net.

 

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Tecnologia

publicidade

anuncie