GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como o avião do Huck explica a baderna nas contas públicas

Foi a notícia mais relevante da semana. Luciano Huck ganhou um empréstimo de pai para filho, a juros de 3% ao ano, do BNDES para comprar um jato particular. Foi pelo chamado Finame, o programa de Financiamento de Máquinas e Equipamentos do banco. Esse tipo de programa visa bancar investimentos em produção. Muitos caminhoneiros tiveram acesso aos juros baixos do Finame, por exemplo. Caminhões, porém, produzem frete. Um jato executivo só produz conforto – e exclusivamente ao beneficiário.

A justificativa que a assessoria de Huck deu à Folha, quando o jornal divulgou o empréstimo, foi a seguinte: “O Finame é um programa do BNDES de incentivo à indústria nacional, por isso financia os aviões da Embraer”. Tudo dentro da lei, portanto. Só tem um detalhe. O Phenom 300, modelo que Luciano adquiriu, é nada menos que o jato executivo mais vendido da Terra, com 320 unidades comercializadas nos últimos 5 anos.

Os subsídios estatais para fabricantes de aviões são um problema global. A Airbus recebe vantagens da União Europeia, a Bombardier, do Canadá, e o governo dos EUA mima a Boeing com um carinho de vó para neto, sempre presenteando a companha com envelopes de dinheiro na forma de subsídios estatais. Mesmo assim, não é trivial a ideia de que a Embraer precise de dinheiro público para fechar uma venda de um avião tão bem sucedido, que respondeu por metade do volume de jatos leves comercializados no planeta nos últimos anos. 

Se o benefício à Embraer gera controvérsias quanto à sua pertinência, vale o mesmo para o beneficiário da operação. Huck comprou seu Phenom em 2013, por R$ 20,8 milhões. 85% desse valor foi financiado pelo BNDES. No caso, R$ 17,7 milhões. Para entender o tamanho do subsídio, vamos nos concentrar nesse valor. Nos cinco anos de 2013 para cá, a média de inflação foi de 6%. Huck, portanto, pagou juros negativos, abaixo da inflação. A média da Selic, que marca o preço mínimo do dinheiro no mercado de dinheiro, ficou em 11%. A Selic também baliza a taxa de juros dos títulos públicos. Ou seja: ela é o preço que o governo paga para levantar o próprio dinheiro. 

Para pagar os R$ 17,7 milhões que deu à Embraer via BNDES, então, o governo já pagou 11% ao ano de juros. O financiamento não acabou. Ele só termina em 2022, ao fim das 114 parcelas que Huck está pagando. A Selic tende a estabilizar em 6,75% ao ano por um bom tempo e, se tudo der certo, cair mais ainda. Vamos dizer, então, que ao fim dos 9 anos e meio de financiamento, a média da Selic para esse período todo feche em otimistas 8% (3% abaixo da média dos últimos 5 anos). 

Nessa realidade, o governo terá pago em 2022 R$ 36,7 milhões pelo dinheiro que deu à Embraer em 2013. Huck terá devolvido R$ 23,4 milhões ao governo. Um diferença de R$ 13 milhões. Esse terá sido o subsídio em valores nominais. 

Digo “Em valores nominais” porque R$ 13 milhões de 2022 valerão menos que R$ 13 milhões de hoje. Estimando uma inflação de 3% ao ano daqui até 2022 e fazendo as contas básicas, temos que esses R$ 13 milhões do futuro equivalem a R$ 11,6 milhões de agora. O juro efetivo que Huck irá pagar é um pouco maior do que 3% ao ano, porque há um banco privado intermediando a transação, e a ele cobra Huck pelo serviço. Seja como for, esse é o tamanho do subsídio. E estamos falando em apenas um entre milhares de subsídios de retorno duvidoso para o País.

Por essas, um dos objetivos do Ministério da Fazenda é acabar com as taxas de juros subsidiadas. A ideia é que, em alguns anos, o BNDES não pratique nenhuma taxa acima da Selic e pronto. Vendo o exemplo do avião do Huck, dá para entender a razão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Samuel Barbosa

    Alexandre, muito interessante a análise. Porém, só focou nos aspectos negativos. Acredito que olhado todos os ângulos, vale a pena sim subsidiar a indústria aeronáutica. Se você comparar a diferença entre custo e preço de venda de um produto da Natura (70%) com o de um avião da Embraer (3%) valores aproximados, vai perceber que é muito importante pro desenvolvimento tecnológico do país. Queria ver sua análise profunda sobre os BENEFÍCIOS produzidos pelo Finame/BNDES. Diferente de caminhão, existe um público beeem pequeno disposto (financeiramente) a comprar avião.

    Curtir

  2. Samuel Barbosa

    (continuando) imagine quanto de gasto o Huck terá para manter a aeronave: combustível, seguro, manutenção, …! Além disso, se ele tivesse aplicado o valor da parcela (R$ 180.000) durante 9,5 anos, ele teria entre 30 e 36 milhões (usando uma taxa de juros mensal entre 0,6 e 0,9% a.m.). Por outro lado, quando terminar o financiamento ele terá uma “lata velha” que valerá entre R$ 15 e 18 milhões (Aprox). Ou seja, o usando os valores extremos (maior juros x pior preço na venda) podemos calcular que Huck pode perder uns 20 milhões (ou seja, outro avião) nessa negociação. O q mais uma vez reforça a necessidade do financiamento.

    Curtir

  3. Samuel Barbosa

    O Governo do Canadá investiu mais de R$ 10 Bi na Bombardier. Ou o Brasil subsidia ou a Embraer some do mapa. http://www.valor.com.br/brasil/5107806/subsidios-ameacam-vendas-de-jatos-da-embraer

    Curtir

  4. Espancador de PeTralha

    É só entrar no site planefinder.net e pesquisar o prefixo da aeronave PP-HUC e ver por onde voa a aeronave comprada com juro subsidiado pelo trouxa do brasileiro. Aquisição para fomentar “sse tipo de programa visa bancar investimentos em produção”
    produção de fotos nos instagram né? Bom p/ ele. Sabe que o brasileiro é burro, o sistema é corrupto.. ou seja…. aproveita pleiba! Assim logo se elege. Eleitor trouxa precisa de mais “robin hood” assim

    Curtir