GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Na biologia, evolução não significa progresso

A seleção natural não leva necessariamente a corpos mais aptos e cérebros maiores. Fosse assim, já estaríamos extintos.

Charles Darwin não gostava da palavra “evolução”. Ele preferia “descendência com modificação” – um termo árido, só que bem mais preciso. “Evolução”, afinal, traz a ideia de “progresso”, de andar para a frente. E não é assim que a seleção natural funciona.

Há 60 milhões de anos, nossos antepassados nem tinham feições de macacos. Eram animais minúsculos, parecidos com camundongos – na verdade, mais semelhantes ao musaranho, o amiguinho insetívoro ali da foto.

Hoje, temos um cérebro 3 mil vezes mais pesado que o desses nossos avós fofos. Ele é uma rede de 100 bilhões de neurônios que, entre outras conquistas, descobriu que a Terra é redonda, que a Via Láctea é só uma das 200 bilhões de galáxias que habitam o Universo conhecido – e que o tal Universo conhecido é uma esfera com 874 bilhões de trilhões de quilômetros de diâmetro (93 bilhões de anos-luz, se você preferir uma notação mais científica).

Tendo em vista que camundongos e musaranhos ignoram absolutamente todos os fatos citados acima, dá para dizer que tivemos um belo progresso nesses 60 milhões de anos. Mas, de novo, “evolução”, na biologia, não significa “avanço”.

Os neandertais, por exemplo, eram criaturas admiráveis. Dominaram a Europa por 400 mil anos. Mas ficaram pelo caminho. Perderam a disputa por recursos para uma espécie fisicamente mais débil, menos adaptada ao clima frio e com cérebro 20% menor que o deles – o Homo sapiens.

Logo, a evolução não é algo que sempre caminha para corpos mais aptos e cérebros maiores. Fosse assim, os extintos teríamos sido nós, não eles. Mais: quando a capacidade para a caça e para a luta corpo a corpo deixa de ser o agente mais determinante para a sobrevivência, o aprimoramento bruto apita menos ainda.

Exemplo: os milhões de anos de seleção natural em ambiente selvagem conferiram à humanidade um sistema de visão competente. Os hominídeos que enxergavam melhor caçavam com mais eficiência. Então viviam mais, deixavam um número maior de descendentes, e garantiram que os genes para olhos afiados se multiplicassem.

Hoje, ter olhos de lince não garante mais nada. Você pode nascer completamente míope e ter tantos descendentes quanto planejar.

Mas não. Isso não significa que a evolução humana tenha estagnado. A seleção natural, entre outras forças, segue agindo sobre os nossos genes – e de forma surpreendente, como você pode ver aqui na reportagem de capa da SUPER de novembro. Boa leitura. E boa evolução.

 (SUPER/Superinteressante)

 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s