GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O arquivamento da denúncia pode sair mais caro do que parece

De quando Temer foi pego com a boca na botija, há 77 dias, até esta manhã, o título público mais negociado no mercado (NTN-B 2024) teve uma alta de quase 10%. Isso dá 45% em termos anuais, o que tornou a NTNB-2024 um dos investimentos mais rentáveis do planeta.

Isso não significa que o governo esteja imprimindo dinheiro para comprar o apoio dos “rentistas”. É o contrário. A NTNB sobe justamente quando há confiança de que o governo vai manter os gastos sob controle, de modo a gerar um crescimento sustentável da economia lá na frente.

O governo, porém, virou um monstro de duas cabeças. Uma dessas cabeças tem o rosto do Meirelles, e o objetivo deixar as contas em ordem. A outra tem o rosto do Temer, e está liberando dinheiro público a toque de caixa para pagar pelo apoio que recebeu de metade da câmara.

Temer não tem liberdade para ligar as impressoras de dinheiro, mas pode determinar como uma parte do dinheiro que já existe vai ser gasto.

É aí que entram as “emendas parlamentares”. Trata-se de remendos no orçamento público que os deputados podem pedir ao presidente. Se o deputado tal quiser dinheiro da União para fazer uma ponte superfaturada no seu curral eleitoral, ele pede uma “emenda” no orçamento para incluir a grana da ponte ali. Em troca, vota a favor do governo.

Então. O orçamento federal prevê R$ 6 bilhões para emendas parlamentares neste ano. Só nos últimos 50 dias, Temer gastou R$ 3,9 bi desse bolo em compra de apoio. Parece pouco diante dos R$ 3,5 trilhões do total de gastos da União. Mas não. A maior parte desses gastos é fixa (previdência, salários de servidores…). Só dá para mexer nos trocados.

E aí qualquer bilhãozinho faz a diferença. O novo imposto sobre os combustíveis, por exemplo, surgiu para dar uma folga de R$ 11 bilhões em 2017 – 0,02% do orçamento geral. Os cortes, você sabe, foram profundos a ponto de deixar a Polícia Federal sem dinheiro para confeccionar passaporte.

Numa realidade dessas, em que o Ministério da Fazenda conta as moedinhas, qualquer dinheiro mal gasto abre uma ferida. A grana das emendas parlamentares, distribuída para salvar Temer, não é algo que podemos chamar de dinheiro bem gasto, claro. As feridas que ela deve abrir podem infeccionar. E contaminar de vez o clima de confiança que Meirelles tinha construído.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Ronaldo Magnavacca

    Enquanto isso o povo só na bosta, labutando para pagar os gordos salarios de deputados, senadores, ministros, juízes e desembargadores. E o pior que isso não tem fim….somos uma sociedade condenada a pagar por mordomias de políticos e nos devolvem todo o lixo moral que vemos todos os dias nos noticiarios. E tudo pela democracia, agora pergunto que democracia é essa onde a maior parte que paga impostos não tem nadica de nada em retorno?? E os gostosões la no planalto esbanjando viagem, almoços nababescos, hotéis de luxo com prostitutas de luxo e ai vai…..

    Curtir