Clique e assine a partir de 8,90/mês

Por que os pinguins pararam de voar?

Por Vinícius Giba - Atualizado em 4 jul 2018, 20h33 - Publicado em 11 jun 2013, 20h07

Com certeza você já fez essa pergunta. Por que os pinguins simplesmente não voam?

Se são aves, seus ancestrais já voaram, então por que eles pararam?

Voar parece ser tão legal! E é tão útil! Dá pra fugir de predador, evitar longas e perigosas caminhadas, achar comida…

Continua após a publicidade

Agora pesquisadores têm uma resposta! Parece bastante óbvio, mas não é: os pinguins não voam porque nadam.

“Ué”, você pergunta, “mas e os pássaros que voam E nadam?”

Bom, eles não nadam tão bem quanto os pinguins.

Continua após a publicidade

Cientistas agora têm dados que apontam que os pinguins foram deixando de voar à medida que foram melhorando o nado.

O estudo chega a essa conclusão analisando o gasto energético da ave Cepphus grylle. Ela é, evolutivamente, próxima ao pinguim e é a segunda melhor ave nadadora do mundo – perde só para o próprio pinguim, de acordo com o estudo. Para nadar, ela gasta pouquíssima energia. Mas na hora de voar, a Cepphus grylle usa mais energia que qualquer outra ave ou vertebrado conhecido. Quanto mais a anatomia das aves se adapta à água, mais perde em eficiência no ar. E vice-versa.

A partir disso, cientistas desconfiam de que os pinguins deram o passo definitivo há muito tempo e abandonaram totalmente o voo para dedicar-se apenas à natação. Talvez uma “escolha” sábia, já que em regiões como a Antártida, achar comida na água é mais fácil do que na superfície gelada.

“Isso envolveria uma progressiva redução no tamanho da asa, o que faz a natação mais eficiente e o voo menos. Os ossos dos pinguins também foram ficando mais grossos: ossos leves e bons para voar foram dando lugar aos ossos mais densos que ajudam o pinguim a boiar menos na hora de mergulhar”, disse John Speakman, co-autor do estudo.

Continua após a publicidade

Fonte: National Geographic.

Publicidade