GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O Brasil é o país que mais usa agrotóxicos. Se alguém negar isso, desconfie

Dados de consumo por hectare, que têm frequentado o noticiário e supostamente colocam o País em 7o. lugar, são enganosos; entenda por quê

Em agosto de 2018 a SUPER publicou uma reportagem de capa, chamada O País do Agrotóxico, em que o jornalista Ricardo Lacerda e eu investigamos profundamente o tema: mostramos por que o Brasil é o país que mais usa agrotóxicos, revelamos quais são os reais riscos à saúde de agricultores e consumidores, apontamos as mudanças que vinham sendo feitas para afrouxar os mecanismos regulatórios e permitir o aumento no uso de pesticidas no País. Se você ainda não leu a matéria, e não sabe direito o quanto se preocupar (as verduras que você come estão mesmo te envenenando?) ou o que fazer (é possível ou não retirar os agrotóxicos dos alimentos?), leia. Vai entender o assunto de uma vez por todas, com dados e explicações que não se encontra nas notícias do dia a dia, e tirar conclusões definitivas a respeito. Leia O Pais do Agrotóxico. Você vai gostar

Levanto o tema porque durante a apuração dessa reportagem, que levou alguns meses, nos deparamos com um número estranho – que voltou a aparecer no noticiário nas últimas semanas. Segundo essa estatística, que se baseia em dados da FAO (divisão de estudos alimentares da ONU), o Brasil não é o país que mais utiliza agrotóxicos: considerando-se o consumo por hectare, ele estaria apenas em sétimo lugar. Nós não incluímos essa informação na reportagem O País do Agrotóxico – pois ela é, pura e simplesmente, furada. 

A tabela da FAO, que você pode consultar aqui, se baseia em declarações voluntárias, que naturalmente tendem ao subdimensionamento (ao produtor interessa, por motivos óbvios, dizer que utiliza menos pesticidas do que efetivamente consume). Ela não utiliza, como seria desejável, números obtidos por meio de fiscalização governamental ou dados tributários (pois cada galão de agrotóxico vendido no país paga uma porcentagem de imposto). A base da FAO não emprega essas fontes. Só isso já a torna pouco confiável. 

Além disso, ela conflita com números específicos de certos países. O próprio dado atribuído ao Brasil, aparentemente, não bate. A FAO diz que nós utilizamos 4,57 kg de pesticida por hectare a cada ano. Mas se você dividir a quantidade de produto utilizado (886 mil toneladas/ano, segundo nos informou o Sindiveg, entidade que reúne os fabricantes de agrotóxicos) pela área plantada (65,9 milhões de hectares, segundo a Embrapa), vai chegar a uma média muito maior: 13 kg de pesticida por hectare plantado, por ano. Percebe? É quase o triplo. 

Em suma: a base de dados da FAO, que algumas pessoas têm usado para afirmar que o Brasil é “apenas” o sétimo maior usuário de agrotóxicos, não é confiável. O número mais confiável é o consumo absoluto: 886.250 toneladas de defensivos em 2017, de acordo com o Sindiveg. Esse dado aponta que, ao menos naquele ano, o Brasil foi o campeão mundial no uso desses produtos. 

E tudo indica que continue sendo. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. honestino ribas

    Uma primeira questão é se os senhores usaram toneladas de produtos ou toneladas de ingredientes ativos. Os ingredientes ativos são a parte ativa dos produtos agrotóxicos, que também contém ingredientes inertes na formulação (água, p. exemplo). A relação é próxima da metade (tonelada de produto/tonelada de i.a.). Pela nossa legislação, o dado oficial do Brasil é o do Ibama, que ó órgão oficial que recebe as notificações de venda, importação, exportação, produção de agrotóxicos das empresas. A informação do sítio eletrônico do órgão informa o total de 539,9 mil toneladas de ingredientes ativos em 2017. No site da FAO consta a informação de que os dados estatísticos de uso de agrotóxicos dos países são obtidos por meio de questionários enviados a instituições estatísticas nacionais, ministérios da agricultura e outras instituições correlatas. Além disso, o site informa que os dados se referem a “major pesticide groups and of relevant chemical families”, ou seja, podem abarcar uma parte dos pesticidas usados, mas para termos estatísticos, o método da FAO certamente compara os mesmos grupos de pesticidas em todos os países pesquisados. Confio na metodologia da FAO, que, inclusive, indica que o Brasil foi o terceiro maior usuário de pesticidas no ranking mundial em 2016, atrás dos EUA e da China. A campeã China, aliás, teria usado nada menos do que 4,7 vezes mais ingredientes ativos de agrotóxicos do que o Brasil, com impressionantes 1,8 milhão de toneladas, frente às 377 mil toneladas de ingredientes ativos registradas para o Brasil naquele ano (pela metodologia da FAO). Há que se alertar também que alguns dados de uso por área não consideram o fato de que no Brasil se produzem até 3 safras por ano na mesma área de lavoura, em boa parte do país. Ou seja, se dividir o consumo anual de pesticidas pela área do país destinada a lavouras anuais ou perenes, pode haver uma majoração do número em termos comparativos, pois em muitos países não se colhe mais do que uma safra anual nas áreas destinadas a lavouras.

    Curtir