GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Revolucionário, cinema sem projetor redefine a experiência de ver filmes

Sala Samsung Onyx, que estreia hoje no Brasil, tem tela de 455 polegadas e 8 milhões de LEDs, com 10 vezes o brilho de um cinema convencional; entenda a nova tecnologia e veja como foi a exibição do primeiro filme

A primeira sala brasileira com a tecnologia, que já está presente em 11 países, fica em São Paulo, no complexo Cinépolis JK Iguatemi – que passou por uma grande reforma e está sendo reinaugurado hoje. A sala Samsung Onyx dispensa o projetor porque, na prática, sua tela é uma gigantesca televisão, com 455 polegadas (55 metros quadrados) e 8 milhões de LEDs: um para cada pixel da tela, que tem resolução 4K.

Mas a tela Onyx apresenta uma grande diferença em relação às tvs domésticas de LED-LCD. A televisão que você tem em casa possui um iluminador (backlight) e uma película de cristal líquido, que barra ou deixa passar a luz do backlight e, com isso, forma a imagem que você vê [entenda melhor no gráfico abaixo]. O problema é que sempre acaba vazando um pouco de luz do backlight -e as técnicas para mitigar isso, como piscar o backlight ou desligar partes dele, não são perfeitas. Esse problema também afeta os projetores de cinema, que funcionam de modo parecido (a diferença é que eles têm uma lâmpada de xenônio no lugar do backlight, e microespelhos móveis em vez de cristal líquido). É por isso que as tvs de LED-LCD, e os projetores, não conseguem gerar imagens perfeitas – com as cores saturadas, o preto profundo e o contraste absoluto que caracterizam as telas OLED. Porque deixam vazar luz.

 (Anderson Faria/Superinteressante)

Na tela Onyx, a imagem é formada diretamente por LEDs. É como na tecnologia MicroLED (clique aqui para entendê-la melhor), que deve chegar este ano às televisões – a diferença é que, na versão para cinemas, a distância entre os LEDs é um pouquinho maior (2,5 milímetros, contra 1 mm na MicroLED). Mas o princípio de funcionamento é o mesmo. Não há backlight, nem camada de cristal líquido. Cada pixel gera a própria luz, e só. Não interfere com os demais. Logo, não há vazamento – e, portanto, a tela é capaz de produzir contraste e cores perfeitos. Como se fosse uma OLED, mas com uma vantagem: ela alcança um nível de brilho muito maior. 

Na primeira demonstração, realizada hoje pela rede Cinépolis e pela Samsung, a tela Onyx se mostrou realmente impressionante – em alguns momentos, a sensação é de estar olhando para uma (gigantesca) janela aberta, tamanho é o brilho e a definição da imagem. Mas a nova tecnologia também tem seus poréns. Vamos por partes.  

O evento começou com a exibição de alguns trailers na sala 01 do Cinepolis JK: uma IMAX de 371 lugares, com tela de 185 metros quadrados e resolução 4K (caso você esteja curioso: no Brasil quase todos os cinemas, IMAX ou não, operam em 2K). A projeção foi boa, mas não excepcional: as legendas estavam ligeiramente tremidas, e os detalhes da imagem suavizados/borrados, sem plena nitidez. O problema das legendas provavelmente foi só um erro de configuração qualquer, fácil de corrigir (mesmo caso do som estridente, com agudos desproporcionais aos graves). Mas a falta de nitidez é um problema clássico dos IMAX de tela muito grande – exceção feita aos IMAX Laser.

A segunda demonstração foi realizada na sala 02, que também traz uma tecnologia interessante: projeção a laser. Essa sala, que tem 118 lugares, ainda está em ajustes e só será inaugurada em março. Ela utiliza um projetor laser DPL-60L, fabricado pela empresa belga Barco. A vantagem é que, como o laser é muito potente, o projetor consegue emitir mais luz – o que melhora a qualidade de imagem. A tela era menor do que a IMAX, mas sua definição de imagem era bem superior. O único porém é que ela apresentava uma certa “sujeira” nos elementos mais claros da imagem, sobretudo em movimento. Esse fenômeno se chama “speckle”, e é característico de um determinado tipo de projetor laser. O efeito é relativamente discreto – se você não souber que ele existe ou como é, provavelmente não irá notá-lo. 

Chegamos à sala 05, onde estava o que todo mundo queria ver: a tela Samsung Onyx. A primeira impressão, logo ao entrar, não é das mais impactantes. A sala tem apenas 79 lugares, e a tela não é lá muito grande – principalmente se comparada às anteriores. Tem 55 m2, muito menos que os 185 m2 da IMAX. Mas também não chega a ser pequena; é como as telas que você encontra em cinemas “de arte”, ou nas salas secundárias dos multiplex de shopping center. Tamanho razoável. A tela Onyx é formada por módulos encaixados, ou seja, seria possível construir uma maior que a desta sala (que tem 2.300 módulos). Outra particularidade é que ela é 100% plana; não levemente curva, como nos cinemas convencionais.

 (Samsung/Divulgação)

Quando a luz se apaga, para o início da demonstração, a sala é preenchida por um suspiro de espanto coletivo – porque ela fica absolutamente, incrivelmente, escura. A sensação não é de estar numa sala de cinema; é de mergulhar num buraco negro. Isso acontece porque, ao contrário dos projetores, a tela de LED não emite absolutamente nenhuma luz indesejada. É o chamado “contraste infinito” – um termo que costuma ser usado de forma indevida no mercado de televisões, mas que, neste caso, tem cabimento.  

Alguns segundos depois, o filme começa, e a tela se acende. E o efeito é igualmente impressionante. Em algumas cenas (a Samsung exibiu um clipe de demonstração, seguido do filme “Alita: Anjo de Combate”), você tem a impressão de estar olhando por uma janela aberta – porque as partes mais brilhantes da imagem reluzem com força e naturalidade incríveis, como se fossem cenas reais. Isso acontece porque a tela LED é capaz de alcançar 300 nits de brilho, dez vezes mais do que os projetores convencionais. Outra diferença é que a tela não tem absolutamente nenhuma imperfeição, sujeira ou textura visível: você enxerga, apenas, a imagem do filme (que, por isso, é visivelmente mais nítida). E as cores são perfeitamente saturadas, não têm aquele tom meio “lavado” típico de cinema.

Somando tudo, o salto de definição é espantoso. Lembra como foi quando você, acostumado com as televisões de tubo, viu uma LCD de alta definição pela primeira vez? Não é um pulo tão grande assim. Mas é quase. Não dá vontade de voltar a frequentar cinemas com telas comuns – mesmo se elas forem maiores do que a Onyx.   

O outro lado da moeda é que, se as telas Onyx ganharem espaço, a indústria do cinema terá de aperfeiçoar seus efeitos especiais (mais ou menos como a televisão teve de evoluir com a chegada da alta definição). Mesmo em “Alita”, um filme altamente produzido, a tela Onyx revela algumas imperfeições: o rosto da protagonista, que é gerado em computador, nem sempre se integra perfeitamente ao resto das cenas, gravadas com atores. Outro porém está em cenas com movimento.

Aparentemente, a tela Onyx estava utilizando pouquíssima ou nenhuma interpolação de quadros (que nas televisões LCD costuma vir ligada de fábrica, e deixa qualquer filme com aspecto de novela mexicana). Isso é ótimo, e ela se comportou de forma quase irrepreensível no quesito movimento. A exceção foram cenas com deslocamento lateral de câmera (o chamado “pan”), em que a imagem apresentou vibrações bem perceptíveis (“judder”). Esse efeito também acontece -em menor intensidade- nos cinemas convencionais, não é o fim do mundo, e pode estar relacionado à diferença entre a taxa de quadros em que o filme foi gravado (provavelmente, 24 por segundo) e a taxa de atualização nativa da tela Onyx (segundo as especificações da Samsung, 3.072 Hz). A conferir.  

O último porém diz respeito ao cansaço visual. Num cinema comum, a luz é disparada pelo projetor contra a tela, que a rebate para os seus olhos. No cinema LED, a tela é muito mais brilhante, e dispara diretamente em você. Na demonstração da Samsung/Cinepolis, eu sentei na sétima das oito fileiras do cinema – e não senti fadiga ocular durante o filme. Mas pude perceber que, para quem estava nas fileiras mais à frente, a intensidade da luz era consideravelmente maior. No fim das contas, isso depende da sensibilidade de cada pessoa. Mas, se você for visitar a sala Onyx, é aconselhável escolher um lugar da metade para trás – o que vale, aliás, para qualquer cinema.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. P90X is here stay and even the world one person at any
    given time. It will also can help to keep on the blood sugar level.
    Depending near the home buyers financial position will determine the the contract.

    Curtir