Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Ciência Maluca Por Blog As pesquisas mais importantes para você compreender a sua vida - e as mais inusitadas para você entender todo o resto. Por Tiago Jokura

Quem é infeliz na infância vive mais

Por Thiago Perin Atualizado em 21 dez 2016, 10h06 - Publicado em 3 set 2010, 14h03

#mimimi

#mimimi

A gente sempre ouve por aí que ser feliz faz bem à saúde e que a alegria é o segredo da vida longa. Mas um estudo norte-americano vai contra a corrente e aponta que ser feliz – na infância, pelo menos – não é dos melhores cenários.

Os pesquisadores (das universidades da Califórnia, de La Sierra e de Nova Iorque) traçaram um paralelo entre o “índice de alegria” registrado na infância e a longevidade de 1.215 homens e mulheres, que começaram a ser acompanhados em 1922 (por outra equipe, lógico).

E os resultados (apesar de os caras ressaltarem que o papo é complicado e ainda precisa ser mais estudado; então, vamos com calma) foram bem impactantes: as pessoas cujo “índice de alegria” registrado aos 10 ou 11 anos de idade ultrapassava o 75 (numa escala de 0 a 100, sendo 0 = totalmente infeliz e 100 = mais feliz, impossível) mostraram-se “21% mais propensas a morrer a qualquer momento” do que os voluntários cujo o tal índice parava no 25.

“Nossa pesquisa sugere que crianças alegres tornam-se adultos mais descuidados com a própria saúde”, dizem os pesquisadores – o que cortaria fácil, fácil uns anos de vida. Entre os voluntários, os que foram happy kids tenderam a fumar e beber mais na vida adulta, além de mostrarem maior interesse em hobbies e atividades de risco (eles não detalham quais).

Leia também:
Crianças que mentem viram adultos bem-sucedidos
Somos mais felizes depois dos 50 anos
Morar em regiões pobres aumenta a felicidade

Continua após a publicidade
Publicidade