Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

11 desenhos da sua infância que não são da Disney

Por Anita Porfirio Atualizado em 21 dez 2016, 09h29 - Publicado em 18 jan 2013, 15h27

Quem nasceu nos anos 80 e 90 provavelmente cresceu assistindo a desenhos animados repletos de lições de caráter. E, mais do que isso, aprendeu a ser valente como Simba, corajoso como Aladdin, persistente como Mulan e forte como Pohacontas. Mas, volta e meia, a gente se lembra de uns desenhos que não são do estúdio de animação mais famoso do mundo – e às vezes fica dias encucado tentando lembrar a origem dessas memórias infantis. Para facilitar, preparamos uma lista com alguns desenhos que marcaram a infância de muita gente e que não fazem parte do reino do Mickey Mouse.

 

Continua após a publicidade

1. FernGully (1992)
Estúdio: Kroyer Films, A. Film A/S, FAI Films

O desenho australiano já conscientizava as criancinhas sobre os perigos da poluição e da destruição das florestas antes de a sustentabilidade virar moda. Talvez, e apenas talvez, tenha pegado o gancho da Eco 92 (muita coincidência) para contar a história da fadinha Crysta e do humano Zak no meio da floresta tropical. James Cameron deve ter assistido o desenho algumas vezes antes de lançar Avatar.

 

Continua após a publicidade

2. Todos os cães merecem o céu (1989)
Estúdio: Sullivan Bluth Studios, Goldcrest Films

Charlie é um vira-lata  malandro que vive docrime. Entre roubos e trapaças, ele acaba sendo pego em uma emboscada de seu parceiro e morre. Como o título deixa bem claro, ele acaba no paraíso sem nunca ter feito uma boa ação. Mesmo assim, ele quer vingança e arruma um jeito de descer de volta pra Terra, mas isso signifique que ele nunca poderá voltar para o céu. Eventualmente, ele conhece uma menina órfã e tem uma daquelas epifanias que mudam seu comportamento pra sempre. Fofo.

 

Continua após a publicidade

3. Em busca do vale encantado (1988)
Estúdio: Sullivan Bluth Studios, Amblin Entertainment

Antes de Jurassic Park, Steven Spielberg já era responsável por inspirar uma geração apaixonada por dinossauros. A história dramática do pequeno apatossauro Littlefoot e seus amigos reptilianos era cheia de aventuras, obstáculos e, o mais importante, lições sobre amizade. A saga fez tanto sucesso que gerou não uma, não duas, não três, mas DOZE continuações. E no fim, eles acham o tal do vale?

 

Continua após a publicidade

4. Anastasia (1997)
Estúdio: Fox Animation Studios

Garota pobre e órfã foge de orfanato, descobre que é uma princesa perdida e é perseguida por vilão com poderes sobrenaturais (e ainda encontra seu grande amor no meio da história). História da Disney? Poderia ser, mas essa animação é da Fox. Mas tudo bem, muita gente confunde mesmo. Fez tanto sucesso que a boneca estilo Barbie da Anastasia foi uma das mais cobiçadas da década de 90. (Eu não tive…)

 

Continua após a publicidade

5. Pagemaster (1994)
Estúdio: Turner Pictures

Você provavelmente se lembra de Macaulay Culkin em Esqueceram de Mim, mas o garoto estrelou outros filmes de sucesso entre o público infantil na década de 90. Um deles é Pagemaster, que mistura animação com live-action para contar a história de uma biblioteca encantada. Ah, e tem o Christopher Lloyd, o que é sempre bom.

 

Continua após a publicidade

6. Cãezinhos do canil e a lenda do pata grande (1988)
Estúdio: vários

Não sei se são as músicas estilo Grease ou o fato de eu adorar cachorros, mas esta animação grudou na minha memória e não saiu mais. Conversei com algumas pessoas e elas também lembravam da aventura dos cãezinhos do canil, então, entrou na lista. Os cãezinhos estrelavam uma série animada (e uma linha de brinquedos) que fez tanto sucesso que virou filme. Um filme fofo, claro.

 

Continua após a publicidade

7. Polegarzinha (1994)
Estúdio: Don Bluth Group of Companies

A animação baseada na história de Hans Christian Andersen também é dessas que tinham tudo para ser um clássico da Disney, mas, obviamente, não é. O filme conta a vida de uma moça que, você deve saber, era do tamanho de um polegar. Aí aparece um príncipe, um vilão invejoso e aventuras mágicas… só que em miniatura.

 

Continua após a publicidade

8. Um conto americano (1986)
Estúdio: Amblin Entertainment, Sullivan Bluth Studios

Basicamente, a animação trata da história da imigração para Nova York. Contada com ratos e gatos, claro. Fievel é um ratinho russo que muda para os EUA com a família fugindo da opressão no Leste Europeu. A aventura começa quando ele se perde dos pais em mar aberto e tem que reencontrá-los na cidade americana. No meio disso tudo, ele descobre como os imigrantes sofrem também no novo lar, mas lutam pela sua liberdade.

 

Continua após a publicidade

9. A ratinha valente (1982)
Estúdio: Aurora Productions, Don Bluth Productions

Sim, mais ratos. Mas esse filme é um pouco mais, hmm, complexo que o anterior. A história baseada em uma série de livros infantis conta as peripécias que uma camundonga viúva passa para salvar a vida de seu filho. Para tanto, ela apela para a ajuda de ratos míticos que, olhe só, revelam ter sido parte de experiências genéticas junto de seu falecido marido. Bonitinho e com quê de ficção científica.

 

Continua após a publicidade

10. O príncipe do Egito (1998)
Estúdio: DreamWorks Animations

A história é bíblica, mas o filme não apela para a doutrinação. Com belas cenas, O príncipe do Egito é um filme bacana principalmente para quem tem uma queda pelo Antigo Egito (ah, não diga) e acha os faraós e seus deuses fascinantes. Se você também curte o Antigo Testamento, melhor ainda.

 

Continua após a publicidade

11. Space Jam (1996)
Estúdio: Warner Bros Family

Houve um tempo em que Michael Jordan era sinônimo de basquete. A Nike criou até uma linha de tênis com seu nome e todo garoto fã das cestas sonhava em ter um destino parecido com o dele. Não é por acaso que Space Jam, mistura de live-action com animação, fez tanto sucesso. Afinal, misturar os Looney Tunes (uma das franquias de animação mais bem-sucedidas da história) com um astro do esporte não podia dar errado. Fora que I believe I can fly, do R. Kelly, é uma das músicas mais chiclete ever.

Continua após a publicidade
Publicidade