Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Mulher Cientista Por Maria Clara Rossini Todos as semanas, a repórter Maria Clara Rossini entrevista uma pesquisadora brasileira e explica seu trabalho. Acompanhe aqui e no Instagram da Super.

Doutora mais jovem do Brasil desenvolve tratamentos contra a doença de Parkinson

Com apenas 26 anos, Daphne Cukierman já participou da síntese de 54 compostos candidatos ao combate do distúrbio degenerativo.

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 18 abr 2021, 12h07 - Publicado em 18 abr 2021, 12h05

Em 2021, a química Daphne Cukierman se tornou a doutora mais jovem do Brasil. Ela defendeu sua tese aos 26 anos, seis meses e 10 dias de idade, o que a coloca como a mulher mais nova do país com o título, segundo o site Rank Brasil. A pesquisadora procura novos compostos para o tratamento de doenças neurodegenerativas, como o Parkinson e o Alzheimer.

Daphne fez três anos de Engenharia Química na PUC-Rio antes de mudar para o curso de Química pura. Trocar uma graduação que oferece boas oportunidades de trabalho pela carreira na pesquisa científica nunca é uma decisão fácil no Brasil, onde as bolsas de pesquisa estão completamente defasadas em relação à inflação, e os laboratórios sofrem com corte atrás de corte no orçamento. 

Na época em que Daphne se mudou para a Química, muitos pesquisadores estavam testando moléculas que contêm o grupo funcional 8-hidroxiquinolina para o tratamento de doenças neurodegenerativas. No jargão dos químicos, um grupo funcional é um pedacinho que aparece igual em muitas moléculas diferentes – e acaba dando a eles características em comum.

Um exemplo típico do ensino médio é a hidroxila, que é um átomo de oxigênio juntinho de um hidrogênio. Toda molécula classificada como um álcool – como o bom e velho etanol da cachaça e do posto de combustível –, contém hidroxila. Assim, ela acaba servindo como uma etiqueta para identificar esse grupo de compostos. 

O professor que orientava Daphne na iniciação científica (nome que se dá a pesquisa realizada por um aluno de graduação) uniu o grupo funcional 8-hidroxiquinolina a uma outra classe química, as hidrazonas, criando um composto híbrido. E foi sobre essa molécula frankenstein que a pesquisadora se debruçou ao longo dos últimos anos, com o enfoque em suas potenciais aplicações para o tratamento de Parkinson.

Antes de explicar o que a molécula faz, vale entender o básico do que acontece no cérebro de quem tem Parkinson. A doença é caracterizada pelo acúmulo, no cérebro, de uma proteína chamada alfa-sinucleína. Essa proteína é importante para o funcionamento adequado do órgão – mas só quando está sozinha. O problema começa quando as moléculas de alfa-sinucleína passam a se ligar entre si, formando grandes cadeias chamadas oligômeros. Esses agrupamentos de proteína são tóxicos e levam à morte das células do sistema nervoso, causando os sintomas da doença de Parkinson.

Continua após a publicidade

Um dos fatores que contribui para a formação dos oligômeros é um desequilíbrio na quantidade de íons de cobre no cérebro. Íons são moléculas ou átomos que ficam com uma pequena carga elétrica porque estão com alguns elétrons a menos ou a mais. Assim como a alfa-sinucleína, íons de cobre são importantes para o bom funcionamento neurológico, mas o excesso deles em algumas regiões acaba “colando” as proteínas, levando à formação de oligômeros.

O que o composto híbrido faz é competir com a proteína pela ligação aos íons de cobre. Ele chega às células do cérebro e “rouba” o excesso de íons. Sem ter com quem se ligar, a alfa-sinucleína não vira oligômero, não mata os neurônios e não desencadeia a doença de Parkinson.

  • Tudo isso em teoria, claro. As propriedades benéficas do composto já foram observadas in vitro e em camundongos, mas ainda não em humanos. O trabalho de conclusão de curso (TCC) de Daphne, derivado de sua iniciação científica, avaliou qual das partes da molécula frankenstein eram mais importantes para o efeito benéfico do composto.

    “Quando defendi meu trabalho de conclusão de curso, a professora da banca falou ‘isso não é um TCC, isso é um bom mestrado’. Aí eu vi que estava pronta para partir direto para o doutorado”, diz a pesquisadora. Ela já tinha diversos artigos publicados, além de prêmios pelos trabalhos de iniciação científica e TCC. Assim que terminou a graduação, ela fez o processo seletivo para o doutorado e passou em primeiro lugar.

    Nos anos que se seguiram, Daphne criou variações daquele mesmo composto. Criar novas moléculas é como montar Lego: nem sempre o composto original tem todas as peças necessárias para virar o que você quer – no caso, um bom medicamento. Encaixar alguma peça extra pode aumentar a estabilidade da molécula ou deixá-la mais solúvel.

    Daphne considerou 54 moléculas análogas ao composto original e avaliou quais seriam as combinações com as melhores características. A solubilidade da molécula, por exemplo, é essencial (já que somos 70% água), assim como sua estabilidade – para que ela consiga chegar intacta ao cérebro, sem sofrer nenhuma reação relevante no caminho. Além de tudo, ela não pode ser tóxica, é claro.

    Ao final da pesquisa, a cientista chegou em quatro moléculas que atendiam a todos os requisitos, incluindo uma especialmente promissora. Nos próximos anos, ela pretende testar esses compostos em animais, para que, um dia, eles possam estar à disposição dos pacientes com Parkinson.

    Continua após a publicidade
    Publicidade