Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

As pessoas enxergam as cores igual? Ou meu azul pode ser o seu amarelo?

Ninguém sabe: a percepção das cores é algo chamado pelos filósofos de qualia – uma sensação pura, que não pode ser transformada em palavras.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 2 jul 2021, 22h39 - Publicado em 12 set 2019, 11h36

Cada cor corresponde a uma onda eletromagnética de um determinado comprimento. Os objetos que nos rodeiam absorvem ondas de alguns comprimentos e refletem os demais. Os refletidos chegam aos olhos e o cérebro os traduz em cores.

Por exemplo: quando você diz para um bebê que o caminhão de bombeiro é vermelho, você está dizendo na prática que aquele caminhão reflete ondas do comprimento correspondente ao vermelho – e absorve todas as outras.

Até aí, tudo bem: a cor é um fenômeno físico.

A questão é outra: como podemos garantir que os cérebros de pessoas diferentes interpretam as ondas da mesma maneira?

Ao dizer para um bebê que um caminhão de bombeiro é vermelho, você está ensinando à criança uma palavra que ela deve usar para objetos que refletem ondas eletromagnéticas com 450 nanômetros de comprimento.

Porém, se porventura o cérebro da criança atribuir a esse comprimento a cor que você entende por azul, você nunca vai descobrir. Não temos como ver o mundo pelos olhos de outras pessoas.

Ou seja: o problema da experiência subjetiva pelo eu consciente é insondável. Existe sim, alguma posssibilidade – ainda que remota – de que o meu amarelo seja o seu azul ou o seu vermelho.

Continua após a publicidade
Publicidade