Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Em algum momento os planetas ficam perfeitamente alinhados?

Não. Nem se você esperar 400 bilhões de anos (não, esse número não é piada).

Por Bruno Vaiano Atualizado em 8 fev 2021, 11h25 - Publicado em 9 jul 2020, 12h41

Não. Primeiro porque os planetas não formam um disco perfeito. O plano da órbita de Mercúrio, por exemplo, é inclinado 6,3 graus em relação ao plano da Terra (ele se tornou o recordista de inclinação depois que Plutão, com 17 graus, foi rebaixado à categoria de planeta-anão).

Ou seja: mesmo que Júpiter, Marte e cia. passassem todos pelo mesmo ponto da circunferência ao mesmo tempo, eles ainda estariam em alturas diferentes.

Mas você poderia dizer: “Isso é detalhe. Quero uma resposta decente”. Podemos ignorar a falta de alinhamento vertical e considerar simplesmente a possibilidade mencionada acima – repetindo: a de que eles passem todos pelo mesmo ponto da circunferência em torno do Sol ao mesmo tempo.

  • Há 360 graus de circunferência em torno do Sol. A fatia mais estreita que todos ocuparam juntos nos últimos 4 mil anos foi de 40 graus. A chance de que os planetas ocupem uma fatia bem fina, de 1,8 grau, por exemplo, é de uma a cada 396 bilhões de anos. E mesmo isso seria um quase alinhamento, com margem de erro de muitos milhares de quilômetros.

    Problema: o Sistema Solar tem só 4,5 bilhões de anos, e o Sol morrerá daqui a 5 bilhões de anos. Diminua de 1,8 para 1 grau e o tempo entra na casa dos trilhões. Então a resposta é: não vai dar tempo.

    Mesmo que tal alinhamento ocorresse, porém, é bom deixar avisado para os místicos de plantão que isso não geraria nenhuma anomalia gravitacional, tampouco teria qualquer efeito sobre a vida na Terra. Esse é um cálculo simples de fazer, que usa fórmulas de Ensino Médio da física newtoniana.

    Pergunta de @polivalda, via Instagram.

    Fontes: livro Mathematical Astronomy Morsels, de Jean Meeus; Júlio César Klafke, astrônomo.

    Continua após a publicidade
    Publicidade