Clique e assine com até 75% de desconto
Oráculo Por Blog Pode perguntar que a redação da SUPER responde: oraculo@abril.com.br

O tempo vai parar de passar um dia?

Por Bruno Vaiano 18 nov 2020, 11h41

Rapaz, assim você quebra o Oráculo. A única resposta honesta é que ninguém sabe. Muitos físicos supõem que a seta do tempo – o fato de que o relógio avança rumo ao futuro, e só nesse rumo – é gerada por algo chamado entropia, que é o grau de desordem do Universo. ⠀ ⠀

A entropia sempre tende a aumentar: um copo quebrado não se regenera sozinho, as meias não voltam para a gaveta em um quarto bagunçado. O futuro seria a direção em que as mudanças ocorrem de um estado mais organizado para um menos organizado, e o tempo seria a taxa em que ocorrem essas mudanças.⠀

Um dia, é possível que o Universo alcance a entropia máxima. Todos os átomos que um dia compuseram tudo que existe estarão perfeitamente misturados entre si, de maneira que não haja nenhuma diferença na densidade, na temperatura ou na composição de duas áreas quaisquer do cosmos. ⠀ ⠀

Nesse momento, não haverá mais mudança. Na concepção de Aristóteles – que foi o primeiro a propor que o tempo é a atribuição de um número à mudança –, isso significaria que o tempo parou. É a morte térmica do Universo. ⠀ ⠀

A questão é que a entropia e o tempo não são a mesma coisa, mesmo que estejam entrelaçados. A entropia apenas sugere uma seta para o tempo, mas o tempo pode ser independente dela. Neste caso, ele passaria para sempre. ⠀ ⠀

De acordo com a Relatividade Geral, o tempo passa mais devagar na proximidade de objetos que exercem uma atração gravitacional muito intensa. Esse efeito foi verificado experimentalmente repetidas vezes. ⠀ ⠀

Em um objeto hipotético de densidade infinita, como é a singularidade no interior do buraco negro, a gravidade é infinita e o tempo para. Se pudéssemos ficar vivos e conscientes conforme caímos em um buraco negro, veríamos toda a história do Universo passar diante dos nossos olhos do lado de fora.⠀ ⠀

Pergunta de @maiolidaniel, via Instagram.⠀  

Fonte: Juliano Neves, físico, UFABC. ⠀

Continua após a publicidade
Publicidade