Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Se a Netflix não tem ingresso, como calcula se uma série compensou o orçamento?

O orçamento precisa ser proporcional ao número de espectadores: uma série barata pode até continuar com pouca audiência, mas uma muito cara será cancelada.

Por Rafael Battaglia Atualizado em 15 jan 2021, 10h11 - Publicado em 12 jan 2021, 12h24

Quando uma plataforma de streaming planeja uma série, há um cálculo de audiência potencial.

Não é toda produção que terá o alcance de um Stranger Things – e tudo bem, desde que ela não custe o mesmo que um Stranger Things. O orçamento é proporcional ao número de espectadores que se espera atrair. Quando sai a primeira temporada, a Netflix compara a audiência real com essa projeção.

Se não bater a meta, adeus: está cancelada. Algumas séries que não estouram continuam porque batem as próprias metas, mais humildes. Por exemplo: a comédia Grace e Frankie, da Netflix, está longe de ser um dos maiores hits da plataforma, mas segue firme rumo à sétima e derradeira temporada.

Nos últimos anos, a Netflix, que tinha fama de resgatar séries canceladas de outros canais, passou para o outro lado da Força. Na internet, fãs de programas como Sense8, The OA e Anne With an E criticaram os cancelamentos. Em novembro de 2020, Ted Sarandos, um dos presidentes executivos da empresa, e Bela Bajara, chefe global de TV, se defenderam. “Se vocês observarem as produções com duas temporadas ou mais, verão que a taxa de renovação é de 67%, o que é o padrão da indústria.”

O fato é que audiência cria boca a boca. Isso traz novos assinantes e mantém os antigos. Em 2019, a Netflix investiu US$ 15,3 bilhões em conteúdo, e faturou US$ 20,1 bilhões.

Pergunta de @cynthianunes_, via Instagram

#OráculoSuper

Continua após a publicidade

Publicidade