Clique e assine com até 75% de desconto

Recomeço com emprego e dignidade: no Magdas Hotel, em Viena, todos os funcionários são refugiados

Por Suzana Camargo Atualizado em 21 dez 2016, 10h17 - Publicado em 24 abr 2015, 16h17

recomeco-com-emprego-e-dignidade-no-magdas-hotel-em-viena-todos-funcionarios-sao-refugiados-entrada-625

Este não é um hotel como outros. Logo de cara, na entrada, ao lado do lobby, uma série de retratos na parede fazem as primeiras apresentações. O Magdas Hotel, em Viena, na Áustria, é um lugar cheio de histórias.

Histórias como a do iraniano Antonio Piani, que fugiu de seu país natal há mais de dez anos. No Irã, foi preso diversas vezes porque lutava pela democracia. Chegou à Áustria como exilado, mas nestes anos todos, nunca conseguiu um emprego estável. Descobriu que apesar de estar longe da ditadura, a falta de um trabalho o impedia de se tornar um homem livre.

Assim como Piani, o nigeriano Segun Brince buscou asilo em Viena. Por ser cristão, sua mulher foi morta por terroristas do grupo fundamentalista islâmico Boko Haram, na Nigéria, e ele teve de ir embora.

Brince e Piani são funcionários no Magdas Hotel. Ao lado deles, refugiados de outras 14 nacionalidades trabalham no local. Eles ocupam as mais diferentes funções: de chefs de cozinha a camareiros, eletricistas a recepcionistas. São as lindas fotos deles, que dão as boas-vindas aos hóspedes.

recomeco-com-emprego-e-dignidade-no-magdas-hotel-em-viena-todos-funcionarios-sao-refugiados-retratos-625Retratos dos funcionários no lobby do Magdas Hotel

A ideia do hotel é criar um ambiente em que pessoas de todos os cantos do planeta, sejam elas turistas ou refugiados – tenham a chance de conviver e conhecer a históriado próximo.

A iniciativa do Magdas Hotel é da organização europeia Caritas, que faz trabalho filantrópico no mundo todo, frequentemente com refugiados. A Europa vive um momento dificílimo: milhares de pessoas chegam todos os dias ao continente, tentando fugir da fome, terrorismo e guerras civis. Muitos já morreram no caminho, em travessias ilegais, até a costa da Itália.

Continua após a publicidade

O hotel de Viena, inaugurado em fevereiro deste ano, é um negócio social. Pretende resolver um problema social e econômico. Mas justamente por isso, não receberá subsídios ou doações. Terá que gerar lucro para continuar de portas abertas. Pelo sucesso dos primeiros meses e a receptividade dos hóspedes, o hotel terá vida longa.

O prédio do Magdas era um antigo abrigo de idosos, localizado em frente à famosa roda-gigante da cidade. Reformado, ganhou decoração minimalista e clean. Os alunos da Academia de Belas Artes de Viena, vizinha de bairro, colaboraram com diversas obras de arte e pinturas na parede. Na escadaria, que leva aos 78 quartos do hotel, estão penduradas bandeiras que representam as nacionalidades dos refugiados.


recomeco-com-emprego-e-dignidade-no-magdas-hotel-em-viena-todos-funcionarios-sao-refugiados-ambiente-625O hotel é um negócio social, criado para solucionar um problema econômico e social

Pelos corredores podem ser ouvidos 23 idiomas. Línguas diferentes, mas de pessoas unidas por um objetivo comum: ter um emprego, que garanta uma vida com liberdade e dignidade. Pessoas que fugiram de terras distantes e buscaram um novo recomeço longe de seus amigos, familiares e lembranças mais queridas.

Certamente este é um hotel único. Uma iniciativa brilhante, que merece ser replicada em outros lugares do mundo.

Na foto abaixo, você conhece a equipe completa do Magdas Hotel de Viena.

recomeco-com-emprego-e-dignidade-no-magdas-hotel-em-viena-todos-funcionarios-sao-refugiados-foto-geral-625Posando para foto: refugiados de 14 nacionalidades, que falam 23 idiomas

Leia também:
Brasil se torna principal destino de refugiados sírios na América Latina
Refugiados do clima chegaram a 22 milhões em 2013
Copa do Mundo dos Refugiados
Teatro transforma a realidade de refugiados do Oriente


Fotos: divulgação Magdas Hotel

Continua após a publicidade
Publicidade