Clique e Assine por apenas 6,90/mês

Restos de madeira se transformam em óculos pelas mãos de designers cariocas

Por Suzana Camargo - Atualizado em 21 dez 2016, 10h25 - Publicado em 25 set 2014, 15h54

restos-madeira-transformam-oculos-blog-super

Poesia e sustentabilidade. Da união destes dois conceitos nasceram os óculos de madeira da Zerezes, criados por quatro jovens amigos – e idealistas – do Rio de Janeiro, que estudavam juntos na mesma faculdade. “Tínhamos referências parecidas e saberes complementares”, conta Luiz Eduardo Rocha, um dos fundadores da marca.

A história da produção dos óculos começou pelas ruas da cidade. “Foi um acaso. Encontrávamos madeiras em abundância em caçambas e entulho de obras. Com o tempo fomos entendendo o valor delas, muitas eram nobres”, relembra Luiz Eduardo. “Percebemos que poderíamos trabalhar com o que estava sendo descartado”.

Nas hastes dos óculos, fabricados artesanalmente com estas sobras de madeira, está registrado o nome da rua onde a matéria-prima – que teria o lixo como destino – foi encontrada. Quem comprar o produto, saberá exatamente de onde ele surgiu porque ali estará gravado: rua do Ouvidor, rua São Sebastião . “É a oportunidade de contar um pouquinho mais da história daquela madeira e levar isso para o produto”, diz Luiz Eduardo.

Continua após a publicidade

A coleção ganhou o carinhoso nome de Madeiras Redescobertas. As edições são limitadas, já que com as sobras só é possível produzir uma pequena quantidade de peças. Todas são marcadas com o número de série. Há modelos feitos com madeiras como peroba, jacarandá ou pinho de riga, por exemplo.

A Zerezes chegou ao mercado em 2012, durante a realização da Rio+20 na cidade carioca. As coleções são nomeadas pela origem da madeira. Além da Redescobertas, os designers criam óculos com madeiras certificadas, as Documentadas.

equipe-zerezes-blog-superVictor Lanari, Luiz Eduardo Rocha, Henrique Meyrelles e Hugo Galindo, os criados dos óculos da Zerezes

Eles não possuem ainda loja própria. Nem sabem se querem ter. Atualmente os óculos podem ser comprados online no site da empresa ou em lojas parceiras que compartilham a mesma pegada alternativa e sustentável.

Continua após a publicidade

Outro projeto que vem empolgando os quatro sócios é o da coleção Restus. Ao longo do processo de manufatura das peças na marcenaria, os jovens perceberam que havia muita geração de resíduos. Conceberam então uma forma de reutilizar esta sobra. Foi desenvolvido um compósito feito da união da serragem com resina de base vegetal.

Com o apoio de doadores através de sistema de financiamento coletivo, os sócios da Zerezes arrecadaram dinheiro para viabilizar o projeto. Depois de muitas experimentações e pesquisas para assegurar a qualidade do material, tiveram sucesso em produzir óculos feitos com esta nova matéria-prima. Conseguiram assim reduzir o desperdício e dar vida nova a algo que seria descartado.

O preço dos óculos não é barato, varia entre 300 e 500 reais, mas os jovens empresários apostam em conquistar os clientes pela sustentabilidade da marca e o enorme apelo emocional que certamente ela oferece. Além do mais, o design é lindo. “Assumimos uma prática de comércio justo. Os óculos têm custo alto porque queremos pagar bem nossos parceiros”.

Criatividade, inovação e uma boa dose de persistência. Os cariocas mostram que é possível mudar a forma como enxergamos o mundo e produzimos – ou melhor, recriamos nossos bens. “Estamos fazendo uma coisa em que acreditamos, traçando nosso caminho e fazendo nossas escolhas”, diz Luiz Eduardo.

Continua após a publicidade

Leia também:
Brincadeira de garagem vira oficina de óculos sustentáveis
Óculos de sol feitos com cabelo
Cientistas criam plástico sustentável feito com casca de camarão
Parem de lavar seu jeans, diz CEO da Levis (ele parou)

Fotos: divulgação

Publicidade