GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Baleias azuis são canhotas 

Canhotos do mundo, vocês não estão sozinhos: quando precisa fazer suas acrobacias mais radicais, o maior mamífero do planeta prefere o lado esquerdo

Estudar baleias azuis pode ser uma empreitada bastante difícil. Ainda que seu tamanho gigantesco facilite alguns tipos de observação, conseguir dados precisos sobre o comportamento desses gigantes das profundezas oceânicas é um trabalho hercúleo. Chegar perto delas foi o primeiro desafio dos pesquisadores, que publicaram, no periódico Current Biology, a conclusão de que, de certa forma, as baleias azuis são canhotas.

Ficar próximo de uma baleia azul não é tão difícil, se você sabe onde encontrá-las. Difícil é se aproximar o suficiente para fazer o que os cientistas precisavam: acoplar sensores altamente sensíveis na bichinhas, contendo acelerômetros. É a mesma tecnologia usada no seu celular e outras tecnologias para detectar movimentos – e contar passos ou calorias queimadas em um dia, por exemplo.

Depois de fazer uma visitinha às baleias em um santuário próximo à California, os pesquisadores conseguiram acoplar os sensores e monitorar 63 delas. Eles queriam entender como os movimentos delas eram associados aos seus hábitos alimentares. Ao estilo Free Willy (mesmo sendo de outra espécie) elas costumam fazer “acrobacias” no dia a dia. Não é para serem exibidas: essa é a estratégia de captura de krill, principal alimento desses animais.

O que os dados dos sensores revelaram é que a coreografia das baleias variava conforme a profundidade da água onde estavam. No fundo do mar, onde a concentração de krill era maior, elas faziam curvas curtas e bem simples. A maior parte do tempo, giravam para a direita, no sentido horário.

Já quando estavam a menos de 60 m de profundidade, a história era outra. Tinha menos krill por volume de água, então a operação precisava ser mais meticulosa. Quando a mais alta precisão era necessária, as baleias favoreciam o lado esquerdo. A imagem do artigo ilustra bem a diferença:

A figura superior mostra as acrobacias de baleias em águas mais rasas. A ilustração inferior mostra o mesmo comportamento em maiores profundidades.

A figura superior mostra as acrobacias de baleias em águas mais rasas. A ilustração inferior mostra o mesmo comportamento em maiores profundidades. (Ari S. Friedlaender et al. Current Biology/Reprodução)

Os dados são consistentes com a manifestação de lateralização cerebral: quando o cérebro, para aumentar a eficiência de alguma atividade, passa a favorecer um dos lados do corpo. É por isso que escrevemos, tocamos instrumentos e batemos pênaltis com um lado preferencial. E também parece ser por isso que as baleias preferem o lado esquerdo para se alimentar com primazia.

Ainda não dá para cravar porque a lateralização varia conforme a profundidade da água nem qual a vantagem que cada um dos lados oferece para a rotina do bicho. Os pesquisadores acreditam que ela pode estar associada à relação entre olhos e cérebro.

O olho direito da baleia azul (assim como o seu) está ligado ao lado esquerdo do cérebro (e vice versa). Esse é o hemisfério que controla “movimentos ensaiados” – dos quais depende a caça da baleia, especialmente quando o alimento está mais escasso. Quando a baleia gira para a esquerda, ela consegue manter o olho direito o tempo inteiro na presa e ir controlando os detalhes da acrobacia. Essas minúcias garantem vantagem na caça em águas rasas. Nas águas profundas, esse esforço todo não seria necessário, porque tem comida para todo lado. Mas fica faltando entender porque, nesses casos, a baleia vê vantagem nos giros para direita. É uma vira-carcaça, mesmo.