Clique e assine a partir de 8,90/mês

Boas notícias

Verdade que é cedo para comemorar ¿ ainda há no país mais de 200 espécies animais em risco de extinção. Mas há que se começar de algum lugar.

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h37 - Publicado em 31 jan 2002, 22h00

Alessandro Meiguins

Até há pouco tempo, no Brasil, estar na lista dos animais em risco de extinção equivalia a uma condenação à morte. Num país famoso por não cuidar de suas riquezas naturais, o mais provável era sempre que o pior acontecesse. Mas, dos anos 80 para cá, alguns projetos começaram a reverter o que parecia irreversível. Com soluções que incluíram conversas com pescadores e caçadores para convencê-los a deixar os animais em paz e a criação de alternativas para tornar a matança desnecessária, os ambientalistas conseguiram salvar espécies que já estavam no bico-do-corvo.

A população de micos-leões-dourados quintuplicou em três décadas, as tartarugas-marinhas soltas no oceano já se contam aos milhões, as araras-azuis e os peixes-boi estão garantidos pelo menos para a próxima geração .Verdade que é cedo para comemorar – ainda há no país mais de 200 espécies animais em risco de extinção. Mas há que se começar de algum lugar.

Publicidade