GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Cientista chinês que editou DNA de gêmeas pode ter causado mutações indesejadas

Documento inédito vazado pelo MIT revela que uso não autorizado da técnica Crispr para imunizar bebês contra HIV em novembro de 2018 pode ter gerado efeitos colaterais em outras partes do genoma das crianças.

Em novembro de 2018, o chinês He Jiankui anunciou em vídeo no YouTube o nascimento de duas gêmeas cujo DNA ele havia editado por meio da técnica Crispr. O objetivo do cientista era excluir um trechinho do gene CCR5 para transformá-lo em uma variante batizada de Delta 32. Tal variante torna as bebês imunes ao HIV. Sabe-se que o Delta 32 ocorre naturalmente em menos de 1% da população europeia, e que essas pessoas são resistentes ao vírus da aids.

Apesar das boas intenções – a ideia era evitar que o pai, que tem o vírus, o transmitisse às filhas –, essa foi uma infração ética grave, recebida com indignação pela comunidade científica internacional. O Crispr é uma tecnologia incipiente. Ainda falha em testes com cobaias animais, e não está nem próxima de ser aprovada para uso clínico em bebês humanos.

Há o risco de que, ao mirar em um gene, Jiankui tenha modificado outros acidentalmente. Uma única alteração na sequência de DNA de um gene pode desencadear uma série de problemas, alguns indetectáveis – como síndromes congênitas que se manifestam só na adolescência ou na vida adulta.

Nesta semana, por meio de uma fonte anônima, a revista Technology Review do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) acessou o artigo científico que relata o procedimento. O documento ainda não havia sido publicado em nenhum lugar. As informações contidas ali permitem avaliar se o procedimento foi realizado corretamente e se as gêmeas estão em risco.

A resposta é sim. Quatro profissionais consultados pelo MIT – especialistas em edição de genes, embriologia, inseminação artificial e direito – concordaram que a intervenção foi realizada aos trancos e barrancos. “A afirmação de que eles reproduziram a variante no gene CCR5 é uma interpretação completamente errada dos dados e só pode ser descrita como uma mentira deliberada”, afirmou Fyodor Urnov, da Universidade da Califórnia em Berkeley. “O que o artigo mostra é que a equipe não conseguiu reproduzir a variante.”

O sistema Crispr evoluiu por seleção natural nas bactérias como um mecanismo de defesa contra parasitas. Ele é capaz de detectar um trechinho de DNA específico, pertencente a um vírus, e então usar uma proteína chamada Cas9 para cortar o tal trechinho como uma tesoura. Assim, o micróbio picota o vírus e escapa da infecção (um esclarecimento: não são só humanos que ficam doentes por causa de vírus. As próprias bactérias são vítimas deles). 

Os geneticistas aprendem a manipular esse mecanismo para usá-lo a nosso favor. No caso das gêmeas, a ideia é ensinar o Crispr a detectar o trechinho do gene CCR5 que está presente na maior parte da população e cortá-lo fora para transformá-lo na variante Delta 32, resistente ao HIV.

Na teoria, é lindo. Na prática, o potencial para erros é imenso. O problema é que o Crispr pode acabar encontrando e fatiando outros pedaços de DNA que não tem nada a ver com a história – simplesmente porque o código desses genes inocentes é parecido com o código do gene que é alvo do procedimento. Sem verificar individualmente cada célula do embrião antes de implantá-lo no útero da mãe, é impossível saber se ocorreu um acidente desse tipo.

Pessoas com aids sofrem muito preconceito na China e não tem acesso a inseminação artificial. Se um casal infértil com HIV quer ter um filho, é improvável que uma clínica aceite realizar o procedimento. Assim, é provável que o casal tenha aceitado participar do experimento antiético apenas para ter a oportunidade de ter um bebê. Os óvulos foram fertilizados in vitro e a intervenção com Crispr foi realizada antes dos embriões serem postos na barriga da mãe.

O fato de que o casal que aceitou participar do experimento provavelmente o fez por estar em uma situação desesperada piora a gravidade das acusações contra os autores do estudo. Felizmente, as bebês já fizeram um ano de idade sem nenhuma complicação aparente.

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. you’re in point of fact a just right webmaster. Ƭhe web site loading speed іs incredible.
    Іt kind of feels that ʏou ɑre doing any distinctive trick.

    Ϝurthermore, The сontents aгe masterpiece. you hаve performed a excellent task оn thiѕ
    subject!

    Curtir