Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Cientistas encontram os planetas ideais para procurar vida alienígena

Três planetas com boas chances de abrigarem vida foram encontrados orbitando uma mesma estrela. E o melhor: é possível estudá-los daqui da Terra.

Por Helô D'Angelo Atualizado em 31 out 2016, 19h03 - Publicado em 4 Maio 2016, 17h45

Alien, o oitavo passageiro; ET, o extraterrestre; Predador, Guerra dos Mundos: filmes sobre encontros com alienígenas são infinitos. E, vamos falar sério, as notícias sobre planetas com potencial para a vida também. Mas, dessa vez, a descoberta vai além da mera possibilidade: na Bélgica, um grupo de cientistas encontrou três planetas muito parecidos com a Terra – e, pela primeira vez, são astros que permitem que se estude a atmosfera local para determinar se há ou não vida por lá.

Os planetas estão a cerca de 36 anos-luz de distância da Terra, e orbitam uma estrela batizada de Trappist-1, que é bem menor, menos brilhante e mais fria do que o nosso Sol. Os planetas, que têm quase o mesmo tamanho da Terra, estão quase 100 vezes mais próximos da Trappist do que nós do Sol. A tal estrela foi descoberta por um time de astrônomos da Universidade de Liège, na Bélgica, fica na constelação de Aquário, e é tão pequena que sequer pode ser vista a olho nu daqui.

LEIA: Muito além de Marte: na pior das hipóteses, existe vida em dez trilhões de planetas.

Mas é justamente por isso que a descoberta é tão importante. O raciocínio é o seguinte: para determinar se um planeta pode ou não abrigar vida, os cientistas precisam estudar os gases que formam a atmosfera local. Para isso, eles analisam a deformação da luz no planeta – a lógica é que, como cada gás deforma a luz de um jeito específico, dá para determinar que gases estão presentes por ali. O problema disso é que as estrelas maiores e mais quentes, que costumam ser as primeiras apostas para procurar vida, ofuscam tudo o que estiver próximo a elas (mais ou menos como o Sol durante o dia, aqui na Terra), o que torna impossível essa análise de gases. E aqui está a novidade: a Trappist é tão escura e pequena que os astrônomos conseguem enxergar o caminho da luz nos três planetas e determinar a composição gasosa de cada atmosfera. Bingo!

O engraçado é que, até agora, ninguém havia prestado muita atenção na tal estrelinha. Mas foi só observar o sistema um pouco mais para perceber que uma organização planetária desse tipo nunca havia sido encontrada antes. Por isso, os cientistas belgas estão otimistas: no artigo em que revelam a descoberta, eles concluem dizendo que “se vamos começar a procurar vida na galáxia, este com certeza é o melhor lugar”.

O European Southern Observatory (ESO) criou algumas representações artísticas dos planetas, para mostrar como seriam as paisagens por lá. Veja: 

Continua após a publicidade
Publicidade