GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como era a anatomia de um mamute?

Esses fantásticos animais viveram na África, Europa, Ásia e América do Norte e foram extintos no fim da última Era do Gelo, cerca de 12 mil anos atrás

Similar à de um elefante moderno. Mamutes são as várias espécies de mamíferos dentro do gênero Mammuthus, todas extintas atualmente. Os ancestrais desse gênero migraram da África cerca de 3,5 milhões de anos atrás e se espalharam pela Europa, Ásia e América do Norte. O mamute-lanoso (Mammuthus primigenius), mostrado nesta matéria, é não apenas o mais conhecido do grupo como também um dos animais pré-históricos mais bem estudados, devido à grande quantidade de fósseis preservados. Os mamutes sumiram no fim da última Era do Gelo (cerca de 12 mil anos atrás), mas ainda havia espécimes vivos há 4 mil anos. Vale esclarecer que os elefantes de hoje, tanto asiáticos quanto africanos, não descendem do mamute, e sim remontam a ancestrais comuns.

Esta reportagem foi originalmente publicada na revista MUNDO ESTRANHO 185 (setembro/2016) e venceu a medalha de prata na categoria Infografia do Prêmio ÑH em novembro do mesmo ano.

Altura – Tinham de 2,75 a 3,4 m
Peso – De 5 a 6 toneladas (adultos)
Expectativa de vida – De 60 a 80 anos

mamute_4

 (Márcio L. Castro/)

1) PRESAS E ANÉIS

Fêmeas e machos usavam as presas para cavar fundo na neve e lutar por território. Havia também uma característica sexual: os machos com presas maiores e mais curvadas poderiam cruzar com mais fêmeas na época de acasalamento. Assim como acontece com árvores, a presa tinha, por entro, anéis que indicavam o crescimento – havia circunferências anuais, semanais e até diárias. Nos primeiros anos, esses anéis semanais eram grossos, indicando fartura e saúde. A partir do 12º, porém, quando os machos passavam a cuidar de si mesmos, os anéis ficavam mais finos, espelhando essa fase de aprendizado

mamute_5

 (Márcio L. Castro/)

2) TROMBA

A tromba era usada para retirar neve do caminho, quebrar gelo (para beber água), puxar galhos e recolher vegetais diversos. Tinha duas pontas – uma adaptação evolutiva para colher a vegetação rasteira da Era do Gelo (diferentemente da dos elefantes de hoje, que envolvem a tromba ao redor de matos altos)

mamute_6

 (Márcio L. Castro/)

3) PATAS

Assim como os elefantes, mamutes tinham partes carnosas nas patas. Fósseis descobertos mostram que as patas tinham rachaduras, que aumentavam o atrito com o gelo

mamute_7

4) PELOS

O mamute possuía uma cobertura com duas camadas de pelos. Similares ao cabelo humano, os pelos variavam de tons loiros a tons castanho-escuros, com as pigmentações mais claras sendo mais raras

mamute_8

 (Márcio L. Castro/)

5) DENTES

A arcada tinha quatro dentes molares, trocados cinco vezes ao longo da vida do bicho. A cada troca, os dentes ficavam maiores e com mais ranhuras

mamute_9

 (Márcio L. Castro/)

6) ACASALAMENTO

Cientistas acreditam que, como os elefantes, os mamutes machos periodicamente produziam testosterona extra, o que os levava a lutar por fêmeas. Às vezes, um macho podia ter a preferência da parceira só por ter presas maiores, sem precisar brigar

mamute_10

 (Márcio L. Castro/)

7) BRIGAS

Os animais davam cabeçadas para atordoar os rivais. Para exibir sua força, eles enganchavam as presas, num jogo de puxar e torcer. Especula-se também que eles pudessem levantar as presas para golpear com a parte de baixo. O conflito podia acabar com uma presa quebrada ou até com um dos oponentes morto

mamute_12

mamute_13

 (Márcio L. Castro/)

8)  A FERA E O HOMEM

Os humanos da época (Homo sapiens como nós, embora neandertais ainda existissem) já eram capazes de usar fogo e criar ferramentas. Eles conviveram com os mamutes e os caçavam para usar a pele, a carne e até os ossos, para montar cabanas. Restos de mais de 70 dessas construções foram encontrados na Rússia

O FIM
Duas teorias tentam explicar a extinção dos mamutes, há cerca de 12 mil anos. Mas a verdade também pode ser uma combinação de ambas

Teoria 1 – Mudança climática

Com o derretimento das geleiras e o aumento na umidade e na temperatura, a vegetação rasteira que era conveniente aos mamutes deu lugar a florestas coníferas (no sul) e à tundra (no norte). Esses habitats eram impróprios para a alimentação deles, o que pode ter causado fome e forçado as populações a diminuírem até acabar

Teoria 2 – Caça predatória

Nessa época, a tecnologia humana para a caça avançou. Vários fósseis de mamutes foram encontrados com ponta de lança em seu corpo. É provável que caçadores massacrassem hordas inteiras para evitar resistência. Porém, como havia outras opções de alimento, não é certo que a caça tenha sido tão ostensiva a ponto de eliminar a espécie

mamute_14

 (Márcio L. Castro/)

O RECOMEÇO?
A engenharia genética pode utilizar o DNA de elefantes para criar um DNA vivo que se aproxime daquele dos mamutes. Dessa forma, o bicho poderia ser clonado e “reviver”

I. Cromossomos produzidos em laboratório com o DNA de mamute são inseridos em uma membrana nuclear artificial

II. Remove-se o núcleo do óvulo de um elefante e, no lugar, coloca-se o núcleo com o DNA de mamute feito em laboratório

III. A célula é então estimulada (quimicamente ou eletricamente) a se dividir, iniciando o processo natural de crescimento

IV. O óvulo é colocado no útero de um elefante. Se der certo, a gravidez ocorrerá e o filhote de mamute irá nascer

 

CONSULTORIA Adrian Lister, paleobiólogo e pesquisador líder do National History Museum de Londres, e Leonardo dos Santos Avilla, biólogo e coordenador do Laboratório de Mastozoologia da UFRJ
FONTES Livro Mammoths: Giants of the Ice Age, de Adrian Lister e Paul Bahn; sites The Guardian, national Geographic, Mental Floss, Science News, Palaeobiology Research Group, Helix, History.com e University of California Museum of Paleontology